Schumacher esquiava acima dos 100 km/h no momento do acidente na França, afirma jornal britânico

De acordo com o 'The Mirror', fonte próxima ao grupo que investiga as causas do acidente na estação de esqui de Méribel, nos Alpes Franceses, afirmou que o heptacampeão mundial de F1 descia a montanha entre 60 km/h e 101 km/h. Alemão foi encontrado com capacete partido ao meio e com "muito sangue" na cabeça, e segue em em estado "crítico"

 
 


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Michael Schumacher estava acima dos 100 km/h quando sofreu uma queda e bateu a cabeça contra uma pedra em um grave acidente na estação de esqui de Méribel, nos Alpes Franceses. A informação parte de uma fonte próxima à equipe que investiga o caso.

 
De acordo com o jornal britânico 'The Mirror', o heptacampeão mundial descia pelas montanhas fora do traçado designado para esqui entre 37 mph e 63 mph – valores que, convertidos, atingem entre 60 km/h e 101 km/h. A violência do impacto partiu o capacete de Schumacher ao meio. Quando encontrado, o tedesco apresentava "muito sangue" na cabeça, alvo de traumatismo craniano grave e hemorragia cerebral interna.
(Foto: Facebook/Circuito de Magny-Cours)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A família de Schumacher segue em vigília ao lado do ex-piloto de F1. Os filhos Mick e Gina-Maria, a esposa Corinna, o pai Rolf, o irmão Ralf e o empresário Willi Weber são os únicos com acesso direto ao heptacampeão mundial. 

 
Pela manhã, os médicos reiteraram que o germânico segue em estado "crítico" e corre risco de morte, apontando as 48h seguintes como determinantes para avaliar o real quadro clínico de Michael, que permanece em coma induzido no Centro Hospitalar Universitário de Grénoble, na França, para onde foi levado após o acidente.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube