Há 20 anos, Ayrton Senna dava ‘olé’ em Hill e vencia GP do Brasil de F1 pela segunda e última vez

O dia 28 de março de 1993 entrou para a história do automobilismo brasileiro. Há exatos 20 anos, Ayrton Senna vencia pela segunda e última vez o GP do Brasil de F1. Foi também a primeira vez de Rubens Barrichello correndo em seu país pela categoria


Há exatos 20 anos, Ayrton Senna conquistava uma vitória histórica em sua carreira. Pela segunda e última vez, o tricampeão mundial de F1 vencia o GP do Brasil de 1993. A corrida naquele 28 de março não foi tão dramática quanto a de 1991, mas igualmente emocionante e com muitos fatores que movimentaram a prova do início ao fim, como um temporal e a superioridade das Williams de Alain Prost e Damon Hill em Interlagos.

Senna tinha um conjunto bom: o McLaren MP4-8 equipado com motor Ford era muito melhor em relação ao modelo do ano anterior, de 1992, que ainda era empurrado pelo propulsor Honda. Mas a Williams continuava dominante e tinha Prost como franco favorito à prova. O então tricampeão, que havia vencido a corrida de abertura daquela temporada, na África do Sul, sobrou na classificação e foi pole, com Hill, seu companheiro de equipe, em segundo.
Senna comemorou sua segunda vitória diante do seu povo em Interlagos (Foto: Getty Images)

Senna foi o ‘melhor do resto’. Mas a diferença de desempenho para a Williams, equipe tão desejada pelo brasileiro, era absurda. Para se ter uma ideia do abismo que separava o carro de Prost para o de Ayrton, o francês foi pouco mais de 1s7 mais rápido na sessão classificatória. Senna garantiu o terceiro lugar do grid, à frente de Michael Schumacher, da Benetton, e do seu companheiro de equipe na McLaren, Michael Andretti.

Aquele GP do Brasil foi o primeiro de Rubens Barrichello correndo em casa. O então jovem paulistano defendia a Jordan e foi o único piloto da equipe a conseguir vaga no grid, saindo em 14º. Seu companheiro na equipe irlandesa, o italiano Ivan Capelli, não conseguiu se colocar na corrida. Christian Fittipaldi, que fazia seu segundo ano na F1 com a Minardi, era o 20º.

Só mesmo algo vindo dos céus para derrubar o favoritismo de Prost e da Williams em Interlagos. Mas o começo da corrida em São Paulo foi dominado por Alain, que abriu grande vantagem na frente. Na largada do GP do Brasil, Senna conseguiu ultrapassar Hill e assumiu a segunda posição. Mais atrás, Gerhard Berger [que estava de volta à Ferrari] e Andretti se tocaram e bateram na entrada do S do Senna, com o norte-americano capotando. Nenhum dos dois ficou gravemente ferido.

Enquanto Prost disparava na ponta, Senna era pressionado por Hill, o que era natural, já que a McLaren rendia bem menos que a poderosa Williams. A ultrapassagem veio na volta 11, e Ayrton passava a ficar na alça de mira de Schumacher e a promissora Benetton, que andava muito bem. Nesse tempo, mas no pelotão intermediário, Barrichello ficava pelo caminho por conta de problemas no câmbio da sua Jordan.

Senna teve de parar antes nos boxes para cumprir uma punição — drive-through por ultrapassar em trecho sinalizado por bandeira amarela —, e aí Schumacher assumiu o terceiro lugar. Mas a sorte estava ao lado do brasileiro. Pouco depois de deixar os boxes, começou a chover em Interlagos, ainda que em pontos isolados. Entretanto, a chuva tornou-se mais intensa e virou um grande temporal, atrapalhando muito a vida dos pilotos.

Aguri Suzuki e Ukyo Katayama rodaram e bateram na reta dos boxes, já encharcada, na volta 27. Uma volta depois, Prost e Christian, que ainda não haviam parado para trocar pneus, se chocaram na entrada do S do Senna e deixaram a prova. O público em Interlagos vibrou com o fim da corrida do francês, maior rival da carreira de Senna. A bandeira amarela foi acionada e o safety-car, à época, um Fiat Tempra, foram à pista em Interlagos.
Há 20 anos, Senna dava 'olé' em Damon Hill e vencia GP do Brasil pela última vez (Foto: Getty Images)

A corrida teve bandeira amarela até a volta 36. Quando a prova foi retomada, Hill era o líder, seguido por Senna, Schumacher, Jean Alesi, JJ. Lehto — que corria com a estreante Sauber — e Alessandro Zanardi, então piloto da Lotus. Só que, desde então, Hill não conseguiu tirar o melhor rendimento da Williams, e Ayrton, impulsionado pela torcida brasileira, andava cada vez mais rápido com a pista ainda bem molhada em alguns trechos.

Até que, na volta 41, Senna realizou uma ultrapassagem que acabou entrando para a história de Interlagos e da F1. O brasileiro saiu da Descida do Lago colado na Williams de Hill, que tinha acabado de fazer seu pit-stop. O britânico bem que tentou impedir a manobra de Ayrton, mas o piloto da McLaren deu um ‘olé’ no adversário e conseguiu assumir a liderança para não mais ser superado.

Daí em diante, Senna rumou com certa tranquilidade para sua segunda vitória no GP do Brasil, a última diante do seu país-natal. O público invadiu a pista para comemorar com Ayrton mais um triunfo. A reta oposta ficou tomada pelos fãs, que queriam ver de perto o ídolo. Senna deixou sua McLaren e foi para os braços do povo, voltando para o pódio no safety-car e ouvir o Hino Nacional em casa pela última vez. Por fim, Ayrton recebeu do mítico Juan Manuel Fangio o troféu de vencedor da corrida. Foi a consagração do brasileiro.

Somente mais de 13 anos depois daquele histórico 28 de março de 1993 é que o Brasil teria outro piloto vencedor em casa: Felipe Massa, em 2006.

F1, GP do Brasil de 1993, Interlagos, final:
1 Ayrton SENNA BRA McLaren Ford 1:51:15.485 71 voltas
2 Damon HILL ING Williams Renault +16.625  
3 Michael SCHUMACHER ALE Benetton Ford +45.436  
4 Johnny HERBERT ING Lotus Ford +46.557  
5 Mark BLUNDELL ING Ligier Renault +52.127  
6 Alessandro ZANARDI ITA Lotus Ford +1 volta  
7 Philippe ALLIOT FRA Larrouse Lamborghini +1 volta  
8 Jean ALESI FRA Ferrari +1 volta  
9 Derek WARWICK ING Footwork Mugen Honda +2 voltas  
10 Erick COMAS FRA Larrouse Lamborghini +2 voltas  
11 Michele ALBORETO ITA Lola Ferrari +3 voltas  
12 Luca BADOER ITA Lola ferrari +3 voltas  
  Karl WENDLINGER AUT Sauber Mercedes 61 voltas  
  JJ LEHTO FIN Sauber Mercedes 51 voltas  
  Andrea DE CESARIS ITA Tyrrell Yamaha 48 voltas  
  Alain PROST FRA Williams Renault 29 voltas  
  Christian FITTIPALDI BRA Minardi Ford 28 voltas  
  Aguri SUZUKI JAP Footwork Mugen Honda 27 voltas  
  Ukyo KATAYAMA JAP Tyrrell Yamaha 26 voltas  
  Rubens BARRICHELLO BRA Jordan Hart 13 voltas  
  Riccardo PATRESE ITA Benetton Ford 3 voltas  
  Martin BRUNDLE ING Ligier Renault 0 voltas  
  Fabrizio BARBAZZA ITA Minardi Ford 0 voltas  
  Michael ANDRETTI EUA McLaren Ford 0 voltas  
  Gerhard BERGER AUT Ferrari 0 voltas  

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube