Haas admite que corre GP da Austrália sem chassi extra após acidente de Schumacher

Guenther Steiner, chefe da Haas, afirmou que não há margem de erros para a equipe dos Estados Unidos no fim de semana em Melbourne

FÓRMULA 1 2022 | FERRARI OU RED BULL: QUEM LEVA A MELHOR NA AUSTRÁLIA? | TT GP #47

A Haas trabalhou bastante nas últimas semanas e conseguiu garantir que terá os dois carros na pista para todo o GP da Austrália. Após Mick Schumacher não correr na Arábia Saudita depois de um acidente forte na classificação, o time dos Estados Unidos conseguiu ajustar tudo para parear o alemão com Kevin Magnussen e andar normalmente em Melbourne. Entretanto, sem margem para erro: a Haas não terá um chassi extra.

Schumacher revelou na manhã da corrida saudita que estava fisicamente bem após o acidente, mas ficaria fora da corrida para não colocar em risco o equipamento da Haas, uma vez que a equipe estava em cima do laço e um erro a mais poderia custar a participação na Austrália. Dito e feito: de acordo com Guenther Steiner, chefe da Haas, qualquer estrago mais grave num dos dois chassis pode encerrar a participação da equipe.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
McLaren, Aston Martin e Williams sofrem com falta de velocidade e começam 2022 perdidas

“Foi bem difícil para o pessoal [preparar o carro de Schumacher]. Ontem à noite nós quebramos o toque de recolher porque o pessoal queria se adiantar ao trabalho da manhã, então hoje à noite não precisamos passar do ponto. Quebrar um toque de recolher foi válido para chegar a um resultado positivo”, afirmou à revista inglesa Autosport.

“É necessário trazer o máximo de partes possível para o momento. Não dá para trazer mais que isso e não temos mais nada estocado. Tudo o que temos está aqui, mas não há chassi extra, não tem rede de segurança, então precisamos ser cuidadosos. Se der errado, vamos começar de novo com um carro só”, falou.

Mick Schumacher sofreu um acidente assustador durante a classificação em Jedá (Foto: Reprodução/TV)

No momento, a maior esperança de uma margem de segurança está justamente no chassi acidentado de Schumacher em Jedá. Segundo Steiner, a carroceria foi enviada de volta à fábrica de Banbury, na Inglaterra. Apesar dos danos, a expectativa é de que possa servir como chassi reserva já na próxima corrida, o GP da Emília-Romanha.

“O chassi foi levado de volta ontem. Teve de vir para cá por conta de declaração alfandegária. Papelada, basicamente. No momento, acho que está preso em Singapura, acabei de receber um e-mail. Será reparado, então espero que teremos de volta em Ímola, ao menos como um chassi extra. Acho que está ok. A estrutura de impacto lateral precisa ser modificado, pintado, tem um pequeno amassado, mas o chassi é reparável”, disse.

“Ainda é preciso colocar para funcionar, mas eles checaram a pressão de tudo, e a Ferrari ficou feliz também”, finalizou sobre o chassi, fazendo referência à fornecedora de motores.

O chefe da Haas não mostrou qualquer preocupação com o fato de Schumacher estrear na pista do Albert Park com um carro sem peças substitutas.

“Correu em várias pistas novas ano passado, então este ano já não tem tanta novidade. Essa é uma delas, mas não acho que haverá grande problema. Está voltando ao ritmo e agora temos Kevin [Magnussen] também, e ele conhece a pista, então Mick pode olhar as informações dele. Dá para acelerar o processo se tivermos alguém que já sabe o que está fazendo”, encerrou.

O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do fim de semana do GP da Austrália AO VIVO e EM TEMPO REAL. Na sexta-feira, os treinos livres estão marcados para as 0h e 3h (de Brasília).

É CEDO PARA DIZER QUE MICK SCHUMACHER DEU ERRADO NA FÓRMULA 1?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar