Haas define briga com Williams como única meta em 2021: “Nenhum esforço além disso”

Segundo Guenther Steiner, chefe da Haas, a briga em 2021 vai ser ficar à frente da tradicional equipe britânica para fugir da rabeira do Mundial de Construtores

Hamilton vence na estratégia e pega Verstappen: assista como foi o GP do Bahrein (Vídeo: GRANDE PRÊMIO com Reuters)

De equipe que lutou até para ser a quarta força do grid em 2018, a Haas tem ambições bem mais modestas na temporada 2021 da Fórmula 1. Aliás, é possível dizer que a equipe norte-americana, caçula no grid do Mundial, na verdade não tem nenhuma ambição no campeonato deste ano. Lutar pelos pontos parece fora de alcance para quem já sabe que não vai desenvolver o carro ao longo do campeonato, tudo em razão do foco voltado para 2022. A única meta do time sediado em Kannapolis é lutar com a Williams para não ficar em último lugar, afirma Guenther Steiner, chefe da Haas.

Segundo o dirigente italiano, o mais importante ao longo de 2021 é dar experiência aos seus pilotos: os novatos Nikita Mazepin e Mick Schumacher, as grandes apostas da equipe para os próximos anos.

“Eu posso dizer que nossa meta é brigar com a Williams, apenas isso. Vocês sabem, eu sou muito realista a respeito disso. E não estamos colocando nenhum esforço além disso. Eu creio que o máximo que podemos extrair do carro é para preparar nossos pilotos melhor, deixando-os mais experientes e é isso que queremos fazer, para eles estarem prontos quando tivermos um carro melhor, que é o que planejamos para o próximo ano”, afirmou Steiner em entrevista à revista britânica Autosport.

WEB STORIES: Que deselegante! Piquet solta ‘Globolixo’ e Band repreende

Nikita Mazepin e Mick Schumacher formam a dupla de pilotos da Haas na F1 em 2021 (Foto: Beto Issa)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Steiner ressaltou o trabalho de aprendizado dos seus pilotos no GP do Bahrein, que marcou as respectivas estreias de Mazepin e Schumacher. O russo sequer passou da terceira curva e bateu, enquanto o filho do heptacampeão Michael Schumacher teve as naturais dificuldades com o carro e terminou em 16º lugar. O estilo agressivo dos novatos e as rodadas em Sakhir foram abordadas pelo italiano.

“Eu penso que quando eles batalham, eles precisam aprender nessa batalha. Creio que os dois aceleram de forma muito agressiva, sabe? E acabam atacando as zebras, algo assim. Então é isso, vocês sabem quão potentes são estes carros, e quando o torque entra, você ganha um impulso e não consegue se recuperar. E eu entendo que isso é necessário para obter experiência”, seguiu.

“Eu não acho que eles farão aquilo de novo. Eles vão rodar, mas não da maneira que rodaram. Esta é uma experiência nova, em corrida, tentando lutar com outros carros e, as vezes, acabam sendo otimistas demais”, finalizou Steiner.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube