Haas diz que sofreu muita pressão para ter piloto norte-americano e revela surpresa por conseguir contratar Grosjean

Alexander Rossi, jovem piloto norte-americano que recentemente fez sua estreia na F1 como piloto da Manor Marussia, sequer chegou a ser cogitado na Haas para correr em 2016: “Um novato com uma equipe novata não é o ideal”

Desde que começou a se falar nos pilotos que poderiam representar a Haas em sua temporada de estreia na F1, em 2016, a cúpula da equipe norte-americana reiterou várias vezes que gostaria de contar com nomes dotados de experiência. Assim, desde o começo, praticamente foi vetado o nome de Alexander Rossi, piloto californiano com um currículo restrito a piloto de testes antes de ter sido confirmado pela Manor Marussia para a disputa de cinco das etapas finais de 2015. Dentre tantos nomes ventilados, a Haas superou a pressão por contar com um norte-americano e atingiu seu objetivo ao conseguir fechar com o talentoso Romain Grosjean. E isso foi uma surpresa para o próprio Gene Haas.

“Estamos surpresos, estou surpreso que conseguimos pegar um piloto com a experiência que ele trás”, destacou o dono da equipe norte-americana durante o anúncio que oficializou Grosjean como primeiro piloto do time nesta terça-feira (29) em Kannapolis, na Carolina do Norte.

O chefão da Haas disse que contratar um piloto norte-americano não chegou a ser uma opção (Foto: Getty Images)

Entretanto, o franco-suíço sabe que não terá vida fácil pela frente, até porque será um dos pilares da nova equipe da F1. “Vai ser um desafio e ele vai trabalhar bem mais duro do que acha que vai”, comentou Haas.

Grosjean era a referência em termos de experiência que a Haas precisava para entrar forte no mundo da F1. O piloto de 29 anos sempre foi ligado ao time de Enstone, seja ele controlado pela Renault ou, nos últimos anos, pela quase-falida Lotus. Mas Romain conseguiu mostrar seu talento ao levar o carro preto e dourado ao pódio do GP da Bélgica, em agosto. Até que era finalmente chegada a hora de mudar de ares, e a Haas foi a grande oportunidade para dar um novo rumo à sua carreira na F1.

Quanto à pressão para contratar um piloto norte-americano, Haas justificou que não é o momento certo para tal. “Devo dizer que tivemos muita pressão para contratar um piloto norte-americano. Mas a realidade é que um piloto novato com uma equipe novata não é o ideal.”

“Queremos mostrar que como uma fábrica americana podemos competir na mais competitiva categoria do mundo, que é a F1. A intenção é fazer tudo o que for possível. Não queremos fazer do modo americano, é ter um carro competitivo e fazer o que pudermos para pôr o carro no grid com as pessoas corretas”, justificou o empresário, que aposta em Grosjean como o ‘cara certo’ para levar o time aos pontos e cumprir sua primeira meta na F1.

Resta, agora, a definição sobre o anúncio do segundo piloto. Haas e Gunther Steiner já revelaram a preferência por um dos reservas da Ferrari, parceira técnica da equipe e fornecedora do sistema de câmbio e motor a partir de 2016. Ou seja: Esteban Gutiérrez e Jean-Éric Vergne estão no radar, e um deles deve ser o escolhido para ser parceiro de Grosjean no ano que vem.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube