F1

Haas faz projeção pessimista e espera “diferença maior” entre equipes grandes e pequenas em 2019

O abismo entre as chamadas ‘F1 A e B’ tende a ser maior na próxima temporada. A previsão é de Guenther Steiner, chefe da Haas, que entende que o maior orçamento sempre faz a diferença no desenvolvimento dos carros ao longo da temporada
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Guenther Steiner (Foto: Haas)
Um dos pontos problemáticos notados por especialistas, fãs e pilotos da F1 em 2018 foi a enorme diferença entre as equipes grandes — Mercedes, Ferrari e Red Bull — e o resto do grid. No GP do México, por exemplo, a diferença do vencedor da prova, Max Verstappen, para Nico Hülkenberg, sexto colocado com a Renault, foi de duas voltas. Um verdadeiro abismo.
 
Para 2019, contudo, a perspectiva é que tal diferença entre as chamadas F1 A e B seja ainda maior. Ao menos na visão de Guenther Steiner, chefe de equipe da Haas, quinta colocada no Mundial de Construtores neste ano prestes a se encerrar.
Steiner acredita que a diferença para as equipes grandes das demais vai ser ainda maior (Foto: AFP)
As equipes do grid trabalham neste inverno na concepção dos carros que vão acelerar na próxima temporada, tendo como objetivo inicial os testes de pré-temporada a partir de 18 de fevereiro, em Barcelona. A principal mudança no aspecto dos carros para 2019 é uma sensível remodelação da asa dianteira, tudo com o objetivo de reduzir a turbulência e aumentar o número de ultrapassagens.
 
Com poucas grandes mudanças no regulamento técnico, a perspectiva é que a ordem de forças para o ano que vem seja mantida. Para Steiner, as equipes grandes vão seguir em vantagem por conta de um fator fundamental: o maior orçamento à disposição.
 
“Absolutamente, esse risco está sempre aí. Mas como a diferença é muito grande, não poderia ser diferente. Essas pessoas trabalham num nível muito alto e, se têm tais recursos, devem fazê-lo melhor que os demais. Do contrário, estariam fazendo algo errado”, comentou o dirigente italiano em entrevista ao site britânico ‘Race Fans’.
 
“De modo que, no começo, acho que a diferença deve ser maior entre as grandes equipes e as menores porque há muito mais recursos. E, se têm mais recursos, elas são mais rápidas”, complementou.