Hamilton admite força da Red Bull e Ferrari no Canadá, mas sonha com pole e reação da Mercedes em casa

Mesmo reconhecendo a inferioridade da Mercedes perante Red Bull e Ferrari em Montreal, Lewis Hamilton avaliou como positivo o ritmo e a relação do W04 com os pneus nas últimas corridas e acredita em boa performance em Silverstone, palco do GP da Inglaterra, no dia 30

Diferente das primeiras corridas da temporada 2013 da F1, a Mercedes não sofreu tanto assim com o ritmo de corrida do W04. No GP do Canadá, por exemplo, Lewis Hamilton largou em segundo e só perdeu uma posição ao ter sido ultrapassado por Fernando Alonso, terminando em terceiro, atrás do próprio espanhol e do dominante Sebastian Vettel, da Red Bull. O britânico reconheceu a superioridade dos rivais e disse que há muito trabalho a ser feito para colocar as Flechas de Prata em pé de igualdade com as equipes top da F1. Sua esperança é que a corrida em casa, na Inglaterra, no dia 30, represente o início de uma reação no Mundial.

Rápido em ritmo de classificação, mas não constante o bastante em corrida, Hamilton não sabe por que Ferrari e Red Bull foram tão rápidas no Canadá, mas avisou que a Mercedes tem de se esforçar para alcançar as adversárias. “Não sei o que eles fizeram com o carro, mas o fato é que Ferrari e Red Bull foram muito rápidas na corrida por algum motivo. Então, nós realmente temos que descobrir como melhorar, e é nisso que nós vamos trabalhar”, comentou o britânico em entrevista publicada pela revista ‘Autosport’.
Ciente da força de Red Bull e Ferrari, Hamilton diz que Mercedes ainda tem margem para melhora (Foto: Getty Images)

Ainda assim, Hamilton procurou analisar o fim de semana em Montreal sob um prisma positivo. “Não fomos tão rápidos quanto as Red Bull e as Ferrari, mas foi tudo muito bom para nós. Temos de melhorar isso, mas espero, quando chegarmos numa pista de alta velocidade, que consigamos manter o que conquistamos aqui”, disse.

Depois da jornada no circuito Gilles Villeneuve, Hamilton já está focado no GP da Inglaterra, em Silverstone, no próximo mês. E o piloto da Mercedes já apontou aquele que deverá ser o grande desafio de sua equipe na oitava etapa do Mundial de F1.

“A degradação dos pneus em long-runs será um desafio, porque há muitas curvas de alta velocidade, por isso é o lugar perfeito para superaquecer e degradar os pneus. Mas nas duas últimas corridas, o ritmo em long-runs tem sido fantástico. Foi ótimo em Mônaco e muito bom aqui”, declarou Lewis, que sonha em, pelo menos, largar na pole-position em casa e diante dos seus fãs.

“Certamente quero dar aos fãs um bom resultado. Ir para Silverstone é sempre especial para mim, e, no meu íntimo, eu quero vencer. Quero terminar mais à frente quanto possível. É importante ter um britânico no pódio. A pole-position seria incrível também. Gostaria que acontecesse novamente, como em 2007, então é isso que vou lá fazer”, concluiu o campeão do mundo em 2008.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube