F1

Hamilton admite tristeza em ver McLaren e Williams no fundo do pelotão e espera reação a partir de 2021

Lewis Hamilton pode estar na ponta do pelotão e ganhando títulos com a Mercedes, mas não deixou de olhar para as equipes menores. O inglês avaliou a situação que McLaren e Williams vem enfrentado e admitiu ficar triste em vê-las brigar pelas últimas posições
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Sergey Sirotkin (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Lewis Hamilton pode estar na equipe de ponta da F1, mas não deixa de olhar para aquelas que têm enfrentado dificuldades. O pentacampeão afirmou que se sente triste em ver times como McLaren e Williams, com grande história no esporte, brigando pelas últimas posições do pelotão.
 
No Mundial de Construtores, a escuderia de Woking aparece na sexta colocação graças a união de uma boa atuação de Fernando Alonso, uma boa primeira metade de temporada e porque a Force India perdeu todos os seus pontos em agosto. Já a esquadra de Grove amarga a última colocação da classificação com apenas sete pontos somados.
 
Enquanto isso, o #44 tem vivido dias de glória ao lado da Mercedes e se lembrou de como foi questionado quando decidiu sair da McLaren em 2012 para seguir para o time alemão. “Nunca escondi o fato de que é triste ver a McLaren assim”, falou.
 
“A medida que envelheço e entendo melhor o negócio e vejo pessoas como Toto [Wolff] e como comandam uma organização, me fica muito mais claro que as coisas também podem sair mal, como aconteceu uma vez com essa equipe, por exemplo, com duas grandes figuras no comando da estrutura. Em nenhum âmbito da vida é fácil fazer que os negócios saiam bem”, continuar.
Fernando Alonso (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
O inglês ainda comparou a história das duas equipes, que alcançaram grandes conquistas no passado, e espera que a grande reformulação de 2021 as ajude a se reerguer. “É uma loucura pensar que a Williams, que já teve Nigel Mansell e que ganhou um Mundial com Damon Hill, está no fundo do pelotão”, frisou.
 
“E a McLaren, que para mim foi minha primeira família, também tem sofrido nos últimos anos. Espero que para 2021, seja lá o que a Liberty decidir, as ajude. Espero que façam um bom trabalho nesse processo de tomada de decisões e que acabe as ajudando”.
 
Por fim, Lewis afirmou que é necessária uma mudança na F1 para que as diferenças entre as equipes diminuam. “Essa é uma questão fundamental. Não deveria haver uma diferença tão grande entre o primeiro e o último, não deveria ter uma diferença tão grande entre os carros”, disse.
 
“Como uma Williams ou uma McLaren podem estar 3s atrás por volta? É demais, assim acredito que tem que mudar as regras para permitir que se reduza essa diferença e assim se tenham mais corridas incríveis”, encerrou.