Hamilton bate Vettel em Austin. Alonso é terceiro e leva decisão do título de 2012 para Interlagos

Lewis Hamilton supera Sebastian Vettel para ficar com a vitória em Austin. Fernando Alonso foi o terceiro, resultado que leva a decisão do título para Interlagos, no domingo que vem

► As imagens da F1 deste domingo na pista de Austin, nos EUA

Se nos treinos livres e na classificação foi Sebastian Vettel quem deu as cartas em Austin, o mesmo não aconteceu na corrida deste domingo (18) no Texas. Lewis Hamilton comprovou que a McLaren tinha mesmo cartas nas mangas e conquistou a vitória no GP dos EUA, depois de superar o rival alemão a pouco mais de 20 voltas do fim. Vettel ainda viu Fernando Alonso cruzar a linha de chegada em terceiro, o que leva para São Paulo a decisão do título de 2012. Após ótima corrida, Felipe Massa foi o quarto. Bruno Senna, por sua vez, beliscou um pontinho e cruzou a linha de chegada no Circuito das Américas em décimo.

No melhor estilo texano, Hamilton comemora vitória épica no GP dos Estados Unidos (Foto: Getty Images)

► Confira classificação do Mundial de F1 após GP dos Estados Unidos
Red Bull iguala grandes da F1 e conquista tri do Mundial de Construtores


Saiba como foi o GP dos Estados Unidos de F1

A tão temida largada do GP dos Estados Unidos foi bem diferente daquilo que esperavam pilotos e equipes. Apesar da baixa aderência da pista, a temperatura do asfalto era até relativamente alta, 32ºC. Diferente das previsões apocalípticas pré-largada, não houve nenhum grande incidente e todos os competidores passaram pela curva 1 sem problemas.

Na base do tudo ou nada, Alonso, que partiu do lado de dentro da pista, em sétimo, fez uma largada espetacular e pulou de sétimo para quarto, ganhando as posições de Michael Schumacher e Kimi Räikkönen. O resultado daquele momento, caso fosse mantido, levaria o título para o Brasil, no próximo fim de semana.

Vettel sustentou com maestria a primeira colocação e foi seguido por Webber, que também largou na parte mais emborrachada da reta dos boxes e conseguiu ultrapassar Hamilton. Não houve, nem no pelotão da frente e nem do fundo do grid, nenhum incidente, e todos seguiram normalmente no GP dos Estados Unidos.

Querendo garantir o tri consecutivo neste fim de semana, Vettel cumpriu os prognósticos e disparou na ponta. Webber, por sua vez, era muito pressionado por Hamilton, que claramente tinha um rendimento melhor que o do australiano. Tanto que, na terceira volta, o britânico superou o veterano da Red Bull e assumiu o segundo lugar. Alonso vinha em quarta, em uma posição relativamente confortável: se não tinha condições de chegar no rol dos três primeiros, também não era pressionado por Hülkenberg, que vinha em uma ótima quinta posição.

Apesar dos prognósticos, o GP dos Estados Unidos teve largada tranquila (Foto: Getty Images)

Enquanto Hamilton fazia volta mais rápida em cima de volta mais rápida, se aproximando bastante de Vettel, acontecia outra importante disputa no pelotão intermediário. Com destaque para os brasileiros. Massa, depois de ter largado em 11º, vinha escalando o pelotão e era o oitavo colocado após dez voltas completadas. Senna também vinha bem na corrida e era o décimo depois de ter superado Schumacher, que vinha perdendo posições a cada volta.

Pouco depois, Vettel conseguiu igualar o ótimo ritmo imposto por Hamilton e conteve a escalada do britânico na corrida. Alonso, em quarto, estava bem distante de Hülkenberg, 9s7 à frente, e parecia ter seu quarto lugar garantido, adiando assim a decisão do título para Interlagos, no próximo fim de semana. Nico, por sua vez, tinha a pressão do último piloto a vencer na F1 até então, Räikkönen.

Até que, na abertura da 12ª volta, Kimi iniciou o giro bem colado ao carro de Hülkenberg, colocou seu Lotus lado ao lado com a Force India do alemão e, por fora, antes da sequência de esses, conseguiu realizar a ultrapassagem, ganhou a quinta colocação e partiu para cima de Alonso. A corrida também começava a ficar quente na primeira posição.

Fato é que a McLaren de Hamilton conseguia tirar melhor desempenho dos pneus em relação a Red Bull de Vettel. Dessa forma, mesmo com as seguidas voltas mais rápidas do piloto alemão, Lewis seguia com ritmo bastante próximo ao do líder da prova e do campeonato. Dessa forma, a diferença entre os dois caiu para 0s9, possibilitando ao britânico abrir a asa móvel para atacar o bicampeão do mundo. A Red Bull, àquela altura, acendia o sinal amarelo de alerta no Texas.

Só que o sinal amarelo mudou para vermelho quando, na volta 17, a Red Bull informou que Webber estava com problemas no seu Kers. Segundos depois, o australiano estacionou seu carro na grama, encerrando ali sua jornada nos Estados Unidos. A sorte sorria, mais uma vez, para Alonso, que ganhava a terceira posição. Para melhorar ainda mais as coisas para o espanhol, Massa vinha em quinto, inclusive com direito à volta mais rápida da prova até então. O brasileiro, no entanto, foi superado em seguida por Grosjean que, em 14º, marcou 1min42s458.

Mesmo com um insosso terceiro lugar, Alonso conseguiu adiar a decisão para o Brasil (Foto: Getty Images)

Depois de grande pressão para cima de Vettel no início da prova, Hamilton começou a perder o bom rendimento dos pneus Pirelli e, por consequência, começou a ver o carro do bicampeão mundial cada vez menor. A vantagem, que era de 0s9, subiu para enormes 3s2 ao fim da 19ª volta.

Tanto que, no giro seguinte, Lewis foi para os boxes fazer sua primeira parada para troca de pneus, algo que foi seguido pela Ferrari, que chamou Alonso. Contudo, a equipe de Maranello não fez um bom trabalho, se enrolou ao prender o pneu traseiro direito, e o pit-stop do espanhol foi de 6s1, tempo bem maior que a média. Ambos colocaram pneus duros. Uma volta depois, foi a vez de a Red Bull chamar Vettel para efetuar sua troca de pneus, que foi bem melhor que a da Ferrari: 2s7.

Vettel voltou na ponta, mas era seguido por Räikkönen, que ainda não havia feito sua parada para troca de pneus. Hamilton voltou em terceiro, seguido por Massa, que também não havia ido aos boxes. Alonso era o quinto, mas voltou à frente de Jenson Button. Como o britânico tinha os pneus melhor aquecidos em relação a Fernando, a ultrapassagem foi das mais fáceis. Na grande reta oposta, Button passou Alonso e conquistou a quinta posição. Naquele momento, após 23 voltas, o título estava indo para Vettel em Austin.

Senna, em 11º — e já com seu primeiro pit-stop feito — realizava prova bastante consistente. Com bom ritmo, o brasileiro chegou a assinalar a melhor volta da prova, com 1min42s736. Mas logo sua marca foi superada por Button e Hamilton, o primeiro a andar abaixo da casa de 1min42s. Lewis, aliás, retomou a segunda posição depois que Räikkönen finalmente fez sua troca de pneus, na volta 25. Com isso, Alonso subia para a quinta posição. Quinta posição que virou quarta depois que Massa fez sua parada na volta 27. Assim, a decisão do título mundial era postergada para Interlagos, na próxima semana.

Dois dos pilotos que partiram da zona intermediária e indicavam fazer apenas uma parada para troca de pneus faziam belíssimas corridas. Button era o terceiro e estava 1s9 à frente de Alonso. E Daniel Ricciardo, que partiu da 17ª colocação, vinha em um excelente quinto lugar, à frente de Räikkönen e Massa. Até que, na volta 30, finalmente o jovem australiano da Toro Rosso fez sua parada, colocando Kimi novamente atrás de Alonso. Mas o finlandês estava bem distante de Fernando, 9s.

Hamilton vira o jogo, passa Vettel e ruma para vitória em Austin

As McLaren faziam mesmo um belíssimo papel no Texas. Button, com estratégia ousada, parou para sua única troca de pneus quando era o terceiro. E Hamilton lutava como um leão pela liderança contra um valente Vettel, que resistia bravamente e se defendia como um grande campeão da F1.

Àquela altura da corrida, após 37 voltas, era impossível saber se os pilotos fariam mais uma parada para troca de pneus, já que o rendimento dos compostos seguia bastante razoável. Assim, Alonso, que vinha em terceiro, tinha sua posição e suas chances de título bem ameaçadas, já que Kimi e Button, que realizaram seus pit-stops bem depois do espanhol, tinham totais de superá-lo.

Sebastian Vettel não resistiu ao ímpeto de Hamilton e terminou em segundo (Foto: Red Bull/Getty Images)

Hamilton, incansável, não desistia de lutar pela vitória nos Estados Unidos. Depois de muito tentar, finalmente, na volta 42, Lewis emparelhou e fez a ultrapassagem sobre o alemão por fora, no fim da enorme reta oposta de Austin. O resultado não deixava dúvidas. O Mundial de F1 será decidido em Interlagos, já que Alonso era o terceiro colocado da prova.

Outro que fazia corrida brilhante e que só não iria ao pódio porque era Alonso o postulante ao título do Mundial era Massa. Coroando um fim de semana muito positivo nos Estados Unidos, o brasileiro vinha em quarto lugar, com ritmo bastante consistente e bem melhor em relação ao seu companheiro de equipe na Ferrari. Evidente que Felipe não ameaçaria a posição de Alonso que, apesar da melhor volta da prova no giro 45, fazia uma corrida ‘para chegar’, e só.

Senna era outro que fazia uma corrida bastante razoável nos Estados Unidos. Desde o início, o brasileiro se manteve no rol dos dez primeiros colocados e ficou longe dos erros. Mas, no fim da corrida, não resistiu à pressão de Maldonado, foi ultrapassado pelo companheiro de equipe e caiu para décimo. Mas seu pontinho estava praticamente garantido, já que o 11º lugar, o pálido Sergio Pérez, estava 8s7 atrás.

Vettel esboçou uma reação nas duas últimas voltas da corrida, mas não conseguiu se aproximar de Hamilton. O britânico cruzou a linha de chegada do Circuito das Américas e conquistou sua quarta vitória na temporada, trazendo uma coincidência positiva. Na última vez que a F1 correu nos Estados Unidos, no circuito misto de Indianápolis, Lewis ficou com a vitória, assim como neste domingo, em Austin.

Pela primeira vez, Vettel, Hamilton e Alonso dividiram um pódio na F1 (Foto: Circuit of the Americas)

Como Sebastian terminou em segundo e Alonso, terceiro, a decisão do Mundial de Pilotos ficou mesmo para Interlagos. O placar aponta, agora, 273 pontos para o alemão, contra 260 do rival da Ferrari. Mas os taurinos já têm o que comemorar neste domingo. Pela terceira vez seguida, a Red Bull conquistou o Mundial de Construtores.

Um fato interessante: foi a primeira vez na história que Hamilton, Vettel e Alonso dividiram um pódio na F1. Considerados os maiores pilotos do momento na categoria, os três subiram ao pódio não com os tradicionais bonés da Pirelli, mas sim com chapéus de cowboy, no melhor estilo texano, numa belíssima sacada da fornecedora de pneus. Quem fez as entrevistas com os melhores do GP dos Estados Unidos foi Mario Andretti, lenda do automobilismo norte-americano e embaixador do Circuito das Américas.

F1, GP dos Estados Unidos, Circuito das Américas, final:

 

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube