carregando
F1

Hamilton destoa e consegue em Sochi pole mais tranquila na temporada 2014. Com problemas, Massa sai em 18º

Lewis Hamilton fez a pole mais sossegada do Mundial 2014 de F1 ao seguir o que vem fazendo durante todo o fim de semana: pondo tempo sobre o companheiro Nico Rosberg. Valtteri Bottas quase chegou a ameaçar a dupla da Mercedes, mas sai em terceiro. Felipe Massa, que teve problemas na bomba de combustível, larga no fundão do grid na Rússia

Warm Up / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba / VICTOR MARTINS, de São Paulo
Nunca antes na história da temporada 2014 da F1 foi tão fácil obter uma pole – e considerando que os dois aptos a tal estavam sem problema algum. Lewis Hamilton nem deu a menor chance para Nico Rosberg neste sábado (11), um reflexo do que vem sendo o fim de semana em Sochi, e vai mantendo a fase estelar que o conduz como favorito ao título. O negócio foi tão destoante que Nico Rosberg teve de se preocupar mais em ficar em segundo por conta do ótimo desempenho de Valtteri Bottas, apenas 0s006 mais lento que o alemão da Mercedes.
 
O tempo de Hamilton foi de 1min38s513, e estes são os três primeiros do grid.
 
E Felipe Massa? Problemas. A bomba de combustível falhou desde o início da classificação. Em retas, o carro do brasileiro chegava a andar mais de 25 km/h mais lento que os demais. Isso significa dizer levar uma Williams no ritmo de uma Caterham, que foi exatamente onde Massa se encaixou: 18º, entre o evoluído Marcus Ericsson e já nem tão empolgado Kamui Kobayashi.

Confira como foi a classificação para o GP da Rússia de F1

Antes mesmo de a classificação ter início em Sochi neste sábado (11), quatro pilotos já tinha na conta punições com a perda de posições no grid. A ordem, de acordo com as sanções, era: Pastor Maldonado, pela troca do sexto motor no Japão, Nico Hülkenberg, Kevin Magnussen e Max Chilton. Todos os três por troca do câmbio. A ordem aí também importante para formação das posições de largada para o inédito GP da Rússia, o 16º da temporada 2014.

Dito isso, Romain Grosjean foi o primeiro a deixar os boxes para abrir o Q1. Logo, todo mundo repetiu o francês e, curiosamente, quase todos saíram depressa com os pneus macios, até mesmo os dois pilotos da Mercedes - algo pouco comum neste ano. E, assim sendo, Lewis Hamilton não tardou em começar a voar pela pista russa.

Vale destacar que, neste primeiro momento, apenas os dois carros da McLaren e da Force India escolheram os pneus médios para os giros iniciais. Mas a decisão rapidamente se mostrou errada e as duas equipes imediatamente chamaram seus pilotos de volta para, em seguida, calçá-los com os poderosos macios.
Felipe Massa teve problemas de motor no Q1 (Foto: AP/Pavel Golovkin)
Só que, lá na frente, a briga era outra. Apesar dos esforços de Lewis, Nico Rosberg foi quem tomou à frente da classificação, com 1min39s292. Daniil Kvyat já se colocava em terceiro.

Aí veio a segunda rodada de voltas rápidas. Neste ponto, Lewis parecia mais rápido, chegou a beliscar a liderança, mas foi logo superado de novo pelo companheiro de Mercedes, que cravou 1min39s076.

E mais um embate entre os dois rivais inverteu a posição de ambos. Hamilton registrou 1min38s759 e foi lá para frente, impondo uma desconfortável vantagem de 0s317 para Rosberg. Depois disso, os dois voltaram aos pits.

Sem os dois protagonistas, a Williams crescia com Valtteri Bottas. O finlandês não encontrou dificuldades para se colocar em terceiro, com 1min39s589. O rápido nórdico ainda melhoria para 1min39s125 antes do fim da primeira parte da classificação, se consolidando na luta com a Mercedes. Ao menos, neste primeiro momento.

Magnussen foi outro que veio bem e cravou o quarto tempo, à frente do companheiro Jenson Button e de Kimi Raikkonen. Fernando Alonso era o sétimo, uma posição melhor que Daniil Kvyat, Jean-Éric Vergne e Sebastian Vettel.

Enquanto isso, Felipe Massa já se via em apuros. Pelo rádio, o brasileiro se queixava de algo estava errado com o motor da Mercedes de seu FW36. Felipe foi capaz de registrar apenas 1min43s064. A marca, muito acima, o impediu de avançar na classificação. Junto com Massa, Marcus Ericsson, Kamui Kobayashi, Pastor Maldonado, punido com a perda de cinco posições, e Max Chilton acabaram limados ainda no Q1.

No fim das contas, a parte cima da tabela fechou com os seguintes nomes: Hamilton, Rosberg, Bottas, Button, Magnussen. Kvyat, Räikkönen, Alonso. Hülkenberg, Vergne, Vettel, Ricciardo, Pérez, Sutil, Gutiérrez e Grosjean.
 
E lá fomos nós para o Q2

Sergio Pérez foi quem puxou o pelotão na luz verde para a fase intermediária da classificação. E, claro, que o mexicano também saiu na frente na tabela, com uma marca melhor do que aquela que ele mesmo havia conseguido na primeira fase da classificação. Portanto, 1min40s163. Mas logo a folha tempos mudaria. Nico Rosberg não demorou a sair e, já na primeira volta rápida, cravou 1min38s979, devidamente equipado com os pneus macios. Aliás, nesta segunda fase, ninguém desprezou os pneus amarelos e mais grudentos.

Mas se a marca de Rosberg impressionava, a de Hamilton foi para acabar. Voando, o inglês de cara registrou 1min38s338, saltou à frente e ainda queria mais, mas acabou satisfeito com esse desempenho aí. Ou seja, não saiu mais. 
 
Quem aproveitou foi Valtteri Bottas. O danado piloto da Williams se achou com 1min38s971, superou Rosberg e já se posicionou em segundo. Aí Kevin Magnussen também veio no embalo, trazendo Jenson Button.

Enquanto Williams e McLaren tentavam se infiltrar entre as Mercedes, a Red Bull, a Toro Rosso e a Ferrari travaram uma bela disputa no pelotão intermediário do top-10. Rosberg conseguiu superar Valtteri em quase 0s4 e se aproximou, mas nem tanto, de Hamilton. A diferença entre eles era de 0s268. Mas as coisas ainda não estavam totalmente definidas na classificação.

Os minutos finais viram Bottas tentar uma última vez alcançar os prateados, mas a tarefa era dura demais, apesar da primeira parcial roxa. O finlandês acabou mesmo em terceiro, atrás do líder Hamilton e de Rosberg.
Valtteri Bottas infernizou neste sábado (Foto: Getty Images)
Agora falando entre os mais normais, Magnussen ainda conseguiu se segurar em quarto, mas viu a aproximação perigosa do piloto da casa Daniil Kvyat. O russo saltou para quinto com cronômetro zerado, deixando Button em sexto e Ricciardo em sétimo. Alonso também se salvou no fim ao cravar a oitava marca, assim como Räikkänen, que veio na sequência, em nono. Vergne também se garantiu no finzinho, jogando Vettel para fora.

Além do tetracampeão, Hülkenberg, Pérez, Gutiérrez, Sutil e Grosjean foram eliminados da disputa do Q3. Aqui, só um lembrete, Hülk ainda vai perder cinco posições no grid.

E, finalmente, a decisão

O decisivo Q3 teve início com a Mercedes e a Toro Rosso indo logo à pista. Na verdade, Lewis Hamilton e Jean-Éric Vergne foram os primeiros a sair. Os demais também não demoraram a ganhar o circuito russo. Dessa forma, o líder do campeonato não encontrou impedimentos para logo comandar as ações. Ele iniciou com 1min39s980, mas a marca era estranhamente alta. Vergne era segundo.

Aí o jogo começou de vez. Nico Rosberg já veio com 1min38s946, enquanto o atrevido Valtteri Bottas já era o segundo, com 1min39s162. Bem perto, portanto, do alemão. Jenson Button e Fernando Alonso se colocaram ali em terceiro e quarto. O espanhol, entretanto, acabou sendo empurrado para quinto, depois que Daniel Ricciardo virou 1min39s635. Daniil Kvyat era o sexto. Magnussen e Räikkönen vinham apenas em nono e décimo.
Lewis Hamilton durante a classificação para GP da Rússia (Foto: Getty Images)
E assim foi a primeira parte do Q3. Os instantes finais reservaram outras emoções. Hamilton saiu primeiro de novo e pulou para a ponta, com 1min38s759. O inglês ainda melhorou mais um pouquinho e assegurou a sétima pole do ano com o tempo de 1min38s513, exatos 0s2 para o companheiro Rosberg, que baixou pouco seu tempo nesta parte final. Será a nona dobradinha da Mercedes na temporada 2014 no inédito GP russo.

Agora vale destacar o empenho de Bottas. O finlandês assustou no fim com as duas das três parciais roxas, mas ficou mesmo em terceiro, à frente de Button e do incrível Kvyat — melhor posição de largada do russo até o momento. Magnussen, Alonso, Raikkonen e Vergne completaram o dez primeiros.

A primeira etapa russa da F1 acontece neste domingo (12), às 8h (de Brasília).

As imagens do GP da Rússia de F1

F1, GP da Rússia, Sochi, grid de largada:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES   1:38.513   18
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES   1:38.713 +0.200 18
3 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES   1:38.920 +0.407 23
4 22 JENSON BUTTON ING McLAREN MERCEDES   1:39.121 +0.608 22
5 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO RENAULT   1:39.277 +0.764 27
6 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT   1:39.635 +1.122 21
7 14 FERNANDO ALONSO ESP FERRARI   1:39.709 +1.196 25
8 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI   1:39.771 +1.258 26
9 25 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TORO ROSSO RENAULT   1:40.020 +1.507 27
10 1 SEBASTIAN VETTEL ALE RED BULL RENAULT   1:40.052 +1.539 13
11 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN McLAREN MERCEDES P +5 1:39.629 +1.116 21
12 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES   1:40.058 +1.545 13
13 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX SAUBER FERRARI   1:40.163 +1.650 18
14 99 ADRIAN SUTIL ALE SAUBER FERRARI   1:40.536 +2.023 18
15 8 ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS RENAULT   1:40.984 +2.471 18
16 9 MARCUS ERICSSON SUE CATERHAM RENAULT   1:41.397 +2.884 9
17 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES P +5 1:42.648 +4.135 16
18 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES   1:43.064 +4.551 8
19 10 KAMUI KOBAYASHI JAP CATERHAM RENAULT   1:43.166 +4.653 9
20 13 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS RENAULT P +5 1:43.205 +4.692 5
21 4 MAX CHILTON ING MARUSSIA FERRARI P +5 1:43.649 +5.136 5
    TEMPO 107% Q1     1:45.672 +7.159  
                 
RECORDE LEWIS HAMILTON ING MERCEDES   1:38.513 11/10/2014  
MELHOR VOLTA LEWIS HAMILTON ING MERCEDES   1:38.513 11/10/2014