F1

Hamilton discorda da Mercedes e crê que detritos causaram quebra no assoalho durante GP da Austrália

A Mercedes apresentou para Lewis Hamilton a tese de que uma passada sobre zebras no Albert Park causou o dano de assoalho e incomodou o pentacampeão pelo resto do GP da Austrália, mas Lewis não se convenceu. Segundo ele, o mais provável é que destroços de outros carros tenham sido causadores. Após isso, a estratégia que adotou para manter o segundo posto foi estranha até aos engenheiros

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
O que causou os danos no assoalho de Lewis Hamilton durante o GP da Austrália que abriu a temporada 2019 do Mundial de F1? Ninguém sabe ao certo, mas Lewis Hamilton colocou uma interrogação na teoria da própria Mercedes de que foi a ação de alguma zebra em um momento que o carro passou por cima. 
 
De acordo com o pentacampeão mundial, é mais provável que tenha sido um problema com detritos. Hamilton garante que não foi mais agressivo que o normal sobre zebras em nenhum momento da prova em Melbourne.
 
"Vimos a queda de desempenho a partir da quarta volta. Houve uma suposição de que foram as zebras, mas eu não ataquei as zebras mais do que costumo fazer, então provavelmente foram detritos. Alguns de outros carros perdendo algumas partes. Pode ter sido isso, mas é só achismo. Não cometi erro algum e não saí da pista para causar um incidente. Mas foi uma grande perde da desempenho", afirmou durante a entrevista oficial da FIA realizada no Bahrein.
Lewis Hamilton (Foto: AFP)
Questionado sobre se realmente segurou Sebastian Vettel para que outros se aproximasse dele, negou. Hamilton garantiu que, como nada podia fazer para alcançar Valtteri Bottas e vencer a corrida, tinha de poupar pneus e combustível para que pudesse ter ritmo na reta final, uma vez que parou para trocar pneus bem cedo na prova. 
 
"Eu nunca planejo segurar ninguém - estava apenas fazendo a minha corrida. Naturalmente eu queria mantê-lo atrás, mas sabia que seria um caminho bem longo. Ele parou uma volta antes de mim, então sabia que estaríamos em condições semelhantes perto do fim", apontou.
 
"Eu estava pensando mais no longo prazo para que pudesse me defender de carros que chegassem perto no fim da prova - o que tenho certeza que ele pesou também, porque os pneus caíram drasticamente na parte final", avaliou.
 
Nem os engenheiros da Mercedes, Hamilton avalia, entenderam bem a estratégia que ele estava usando.
 
"Pensaram que eu estava fora do ritmo, o que estou certo que muito do público pensou também, mas eu estava poupando pneus e combustível, além de garantir que tinha o bastante para levar até o final, porque tudo que eu precisava fazer era terminar onde estava. Não podia fazer nada mais para ganhar a posição, então não podia fazer menos", encerrou. 
 
O GP do Bahrein acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades EM TEMPO REAL. O TL1 começa às 8h (de Brasília) desta sexta-feira, 29 de março.