F1

Hamilton diz que largada “era único momento para fazer diferença” e vibra com 1-2 “fantástico” da Mercedes

Coube a Lewis Hamilton escrever o nome em mais um capítulo da trajetória da F1. O inglês já havia vencido a corrida 900 e agora faturou a histórica 1.000, depois de uma largada precisa para tomar a liderança logo no início. O triunfo também o colocou no comando da classificação do Mundial

Warm Up / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
Lewis Hamilton escreveu mais um capítulo importante de sua trajetória na Fórmula 1 ao conquistar o GP da China, neste domingo (14). Coube ao pentacampeão vencer a corrida 1.000 da história, depois de uma largada precisa, saltando da segunda colocação do grid para a liderança antes mesmo da primeira curva do difícil traçado de Xangai. Lewis já havia levado a prova 900 – disputada no Bahrein em 2014, após uma batalha épica com o então companheiro de equipe Nico Rosberg –, mas agora o triunfo veio de maneira menos eletrizante, mas nem por isso tranquilo. Hamilton foi cirúrgico ao superar o pole Valtteri Bottas e, depois, controlou a corrida como quis até a bandeirada, puxando a dobradinha com o finlandês.
 
Ainda festejando no pit-lane antes do pódio, o britânico classificou o resultado obtido pela Mercedes como “fantástico”, em um fim de semana que não se mostrou tão fácil quanto a prova fez crer. Ao falar da conquista, Lewis lembrou que precisou lutar para encontrar um melhor acerto e ainda citou os rivais da Ferrari, reconhecendo a ameaça que ainda são e minimizando um eventual domínio prateado. 

Sebastian Vettel e Lewis Hamilton (Foto: AFP)
"Não foi o mais forte dos finais de semana, mas que resultado fantástico para a equipe", afirmou Hamilton, que alcançou a segunda vitória seguida na temporada e a 75ª carreira na F1.
 
"Nós não sabíamos o que pensar em relação à Ferrari, porque eles foram muito rápidos no Bahrein. Mas aqui Valtteri também foi muito veloz todo o fim de semana e conseguir uma dobradinha no GP 1.000 é muito especial. A largada era o único momento em que poderia fazer diferença", completou.
 
"Tudo ainda está muito próximo entre todos nós. Não tenho ideia de como fazer a próxima corrida", encerrou o novo líder da classificação do Mundial, com 68 pontos.
 
A F1 agora volta para a Europa e, em duas semanas, disputa o GP do Azerbaijão, em Baku, prova que o inglês venceu em 2018.

🏁 Como ficou a classificação do campeonato da F1 após o GP da China