F1

Hamilton justifica festa e emoção por vitória no GP do Brasil: “Era a explosão da corrida do México”

Lewis Hamilton explicou a efusiva comemoração no Brasil como uma espécie de sequência do GP do México. Britânico considerou que, como o Mundial de Construtores ainda estava em jogo, ele precisava manter o foco
Warm Up, de São Paulo / JULIANA TESSER, de Interlagos
 Lewis Hamilton (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
A celebração pela vitória no GP do Brasil foi também uma comemoração pelo pentacampeonato para Lewis Hamilton. O #44 contou que não sentiu tanto a conquista no México, já que ainda tinha de permanecer focado por conta da disputa pelo Mundial de Construtores.
 
Com a vitória em Interlagos no domingo (11), a Mercedes superou a Ferrari e venceu a disputa entre as fábricas.
 
Questionado sobre o motivo de uma comemoração tão efusiva, Hamilton respondeu: “Acho que foi, provavelmente, uma explosão da última corrida no México, quando venci o campeonato”.
Lewis Hamilton comemora vitória que dá mais um título de Construtores à Mercedes (Foto: Mercedes)
“Realmente não senti a comemoração lá, porque eu sabia que ainda tínhamos outro campeonato para vencer e eu realmente precisava ficar focado pelo time”, justificou. “Eu realmente vim para cá, para chegar até aqui, só realmente focado em garantir que eu podia entregar isso a eles. Naturalmente, a vontade de vencer é muita alta em todos e é muita coisa em jogo”, frisou. 
 
O britânico avaliou que vive um momento especial com os integrantes de sua equipe e admitiu que faz parte de um momento importante da história da Mercedes. 
 
“No fim, você pode cometer erros e tudo mais, mas nós não fizemos isso e eu não fiz isso na pista, por exemplo, então chegar, ver os meus rapazes com quem atravessei essa jornada e com quem tivemos tanto sucesso, mas nós permanecemos combativos e competitivos e acho que a nossa relação e é melhor o que jamais foi, então apenas aquela ligação, foi só um ótimo, ótimo momento, além de ter sido uma corrida realmente dura”, comentou. “Eu estava constantemente falando com o carro: ‘Vamos lá, continue, continue’, porque nós tínhamos um problema no motor e eu podia ver Max [Verstappen] no meu retrovisor , então eu estava fazendo voltas de classificação o tempo todo para mantê-lo atrás, que, aliás, é como as corridas deveriam ser. Infelizmente, este não foi o caso muitas vezes neste ano, mas... nós ganhamos o Mundial pela quinta vez, então o time está fazendo história e, se eu fosse parar hoje, por exemplo, a Mercedes sempre se lembraria desse dia e de que fui parte dele, e isso é legal”, concluiu.