F1

Hamilton minimiza novas diretrizes da Mercedes e filosofa: “Nosso destino sempre esteve em nossas mãos”

Lewis Hamilton não se mostrou muito preocupado com as novas diretrizes aplicadas pela Mercedes para tentar controlar os duelos com Nico Rosberg. Britânico celebrou a ausência de ordens de equipe e avaliou que sempre foi responsável por seu destino na F1
Warm Up / JULIANA TESSER, de São Paulo
 Lewis Hamilton durante a parte final da classificação para o GP da Áustria (Foto: Beto Issa)
Lewis Hamilton não se mostrou muito preocupado com as novas diretrizes aplicadas pela Mercedes para tentar controlar a tensão com Nico Rosberg. O britânico celebrou o fato de o time não ter optado por ordens de equipe, mas ressaltou que sempre esteve no controle de seu destino.
 
Lewis Hamilton não se mostrou preocupado com a chamada da Mercedes (Foto: Mercedes)
Em um comunicado divulgado à imprensa nesta quinta-feira (7), a Mercedes contou que os pilotos seguem livres para brigar, mas devem obedecer maiores restrições a toques.
 
“Nossos pilotos foram informados que eles permanecem livres para disputar o título mundial. Nós acreditamos que essa é a essência da F1, incluindo luta entre companheiros de equipe. Como competidores apaixonados, nós queremos vê-los correr, bem como os fãs da F1. No entanto, esta liberdade vem com um dever para os nossos pilotos a respeito dos valores da equipe”, disse a equipe. “Nas últimas cinco corridas, tivemos três incidentes que nos custaram mais de 50 pontos no Mundial de Construtores. Temos, portanto, de fortalecer nossas regras de comportamento para incluir maiores restrições a toques entre os nossos carros. Com tudo isso no lugar, vamos confiar em nossos pilotos para gerir a situação entre eles na pista. O destino estará em suas próprias mãos”, seguiu.
 
Falando durante a coletiva oficial da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Hamilton não se mostrou excessivamente preocupado com o resultado desta reunião, mas celebrou a ausência de uma ordem de equipe. 
 

“Com toda honestidade, o destino sempre esteve em nossas mãos”, comentou Lewis. “Isso não muda nada. Nós ainda podemos correr, o que é positivo. Não têm ordens de equipe, o que acho que é ótimo para os fãs. Então todos deveriam estar empolgados”, seguiu.
 
No comunicado divulgado no fim desta manhã, a Mercedes não detalhou quais as novas diretrizes. Hamilton tampouco quis dar detalhes, mas ao ser questionado se elas tinham servido para assustá-lo, o britânico respondeu: “Acho que deveria, sim”.
 
Pressionado por mais informações sobre a reunião com a cúpula da Mercedes, Hamilton afirmou que, “infelizmente, tudo que foi dito é privado e confidencial”.
 
“Nós ainda podemos correr... Em todas aquelas corridas, os comissários me liberaram, então ainda corro daquele jeito”, avisou, lembrando os outros incidentes que teve com o companheiro de equipe.

Ainda, Lewis comentou as vaias que recebeu no pódio de Spielberg, mas descartou qualquer efeito da reação do público em sua atuação neste fim de semana.
 
“Alguém me disse que os fãs não viram tudo que aconteceu e alguém me disse que alguém falou que eu acertei Nico, então entendo que foi uma primeira reação”, ponderou. “Este fim de semana, a torcida vai deixar aquelas vaias muito pequenas, o que é uma coisa boa”, concluiu.
PADDOCK GP #36 ANALISA FIM DE SEMANA DE POLÊMICAS NA F1 E NA F-E