carregando
F1

Hamilton revela que cogitou ano sabático na F1, mas voltou atrás

Lewis Hamilton pensou que poderia se beneficiar de um ano sabático, mas mudou de ideia. O britânico sente que o descanso físico e mental não valeria a pena, já que o rápido desenvolvimento dos carros logo o deixaria desatualizado

Grande Prêmio / Redação GP, de Berlim
Lewis Hamilton domina a Fórmula 1 desde o começo da era híbrida e, mesmo assim, chegou a pensar em se afastar por um ano. O grande sucesso do agora hexacampeão contrastou com o cansaço físico e mental, consequência da competição no mais alto nível. Só que o possível ano sabático logo foi descartado: na visão de Lewis, não é tão simples assim deixar a F1 e voltar ainda como um piloto de ponta.
 
“Eu gosto de ter momentos só para mim, e acho importante que todos tenham isso”, disse Hamilton, respondendo perguntas em vídeo divulgado pela Mercedes no YouTube. “Sou workaholic. Quando começo a fazer algo, você só continua. Uma coisa, depois outra, encaixar um treino no meio, assegurar que haja um equilíbrio. Algumas vezes nesses últimos cinco anos eu já pensei que seria bom descansar por um ano, tanto pelo meu corpo quanto pela minha mente. Só que você não pode se afastar. Não acho que seja uma boa para qualquer atleta em sua melhor fase se afastar por um ano e depois voltar”, refletiu.
Lewis Hamilton até quis descansar um pouco, mas acho que não valia a pena (Foto: AFP)
Além de incertezas a respeito de suas próprias habilidades após um ano afastado, Hamilton sente que seria deixado para trás quando o assunto é entender o funcionamento dos carros. 
 
“A tecnologia avança tão rapidamente que você sempre precisa trabalhar para acompanhar o desenvolvimento do carro. Um ano sabático não é possível. Nós recebemos um quase-sabático, que eu estou aproveitando. Eu me sinto mais revigorado e saudável do que nunca. A parte difícil para todos é manter a mente limpa”, encerrou, fazendo referência à temporada suspensa da F1 pela pandemia do coronavírus.
 
Raros são os pilotos que conseguem deixar a F1 e voltar no futuro. O melhor exemplo recente é Kimi Räikkönen, que focou no rali em 2010 e 2011 antes de assinar com a Lotus em 2012. Fernando Alonso deixou a categoria em 2018 prometendo voltar se uma chance suficientemente boa surgisse, mas parece cada vez mais distante de um retorno.
 
Paddockast #60
OS PIORES PILOTOS DA HISTÓRIA DA F1


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.