F1

Hamilton só administra vantagem para vencer GP do Canadá de ponta a ponta. Vettel e Massa dão show de ultrapassagens

Lewis Hamilton controlou a vantagem para Nico Rosberg para voltar a vencer na F1 depois de ver seu companheiro de equipe triunfar nas duas última provas. Foi sua quarta vitória no GP do Canadá. Felipe Nasr foi um dos grandes nomes do domingo ao fazer uma série de ultrapassagens e terminar em sexto

Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
Dominante em praticamente todo o fim de semana em Montreal, Lewis Hamilton tinha como principal foco vencer o GP do Canadá para não somente quebrar a sequência vencedora de Nico Rosberg — e impedir sua aproximação na luta pelo título —, mas também para se recuperar do duro revés sofrido em Mônaco. E o bicampeão do mundo fez valer o melhor carro e seu grande talento para vencer pela quarta vez no Circuito Gilles Villeneuve, de ponta a ponta, alcançando o triunfo depois de conter pressão de Nico Rosberg na metade final da corrida, na tarde deste domingo (7). 

"Eu amo Montreal! Amo a pista, amo a cidade, e foi um fim de semana fantástico", declarou o vencedor. "Ótimo voltar ao degrau mais alto. Quero dedicar ao pai do meu engenheiro. Foi um fim de semana difícil para ele, então essa é mesmo para ele”, completou. 
Hamilton beija o troféu do GP do Canadá (Foto: AP)
“Eu senti que não tinha o balanço perfeito. Nico estava rápido, mas eu não senti muita pressão. Foi uma grande corrida. Não sei como foi para quem assistiu, mas foi bem intensa, eu curti”, acrescentou Hamilton no pódio.

Rosberg se aproximou bastante de Hamilton depois que equipou seu carro com pneus macios, chegou a reduzir a diferença para pouco mais de 1s, mas não chegou a lutar efetivamente pela vitória no Canadá, terminando em segundo. Valtteri Bottas voltou a mostrar uma ótima performance com a Williams e novamente bateu a Ferrari, desta vez, os dois carros, e terminou em terceiro com uma corrida bastante consistente. Bottas superou Kimi Räikkönen, que perdeu o pódio depois de ter cometido um erro crucial ao rodar no hairpin pouco depois do seu pit-stop.

“Foi uma boa corrida contra Lewis. Eu ataquei que nem louco para pressionar, mas ele não cometeu nenhum erro. Foi uma corrida em que tivemos que gerenciar pneus, freios, o mesmo para ele. Segundo lugar foi OK”, declarou Rosberg. “O ritmo de corrida foi OK. A posição de largada faz uma grande diferença, e é nisso que eu preciso me concentrar."

Sebastian Vettel garantiu um ótimo quinto lugar. O tetracampeão deu um show na pista e foi um dos protagonistas da disputa em Montreal com uma série de ultrapassagens, como também fez Felipe Massa. O brasileiro conquistou nada menos que nove posições ao longo da corrida e terminou em sexto depois de ultrapassar Pastor Maldonado, que finalmente conseguiu chegar aos pontos em 2015 ao cruzar a linha de chegada em sétimo. Felipe Nasr, em contrapartida, não teve uma boa jornada no Canadá ao guiar uma Sauber que não correspondeu em momento algum no fim de semana, fechando apenas em 16º.
VIU ESSA? CARRO DESCE LADEIRA SOZINHO NA F4 ALEMÃ E ACERTA OUTRO

Confira como foi o GP do Canadá de F1:
A largada do GP do Canadá (Foto: AP)

Depois da volta de alinhamento e aquecimento dos pneus, os pilotos se posicionaram no grid para a largada no Canadá. Massa, assim como Roberto Merhi, Will Stevens, Max Verstappen e Jenson Button partiram com pneus macios, enquanto os demais, com supermacios.

E foi uma largada sem problemas, com todos passando pela curva 1 sem maiores toques. Hamilton manteve a liderança e segurou Rosberg, enquanto Räikkönen manteve o terceiro lugar. Bottas e Grosjean fechavam o top-5, enquanto Hülkenberg ganhava a posição de Maldonado com uma bela manobra na curva 3 e subia para sexto. Massa cruzou a linha de chegada da primeira volta em 13º, enquanto Nasr vinha duas posições atrás. Felipe buscava tirar o máximo do motor Mercedes de sua Williams, por isso conseguia ganhar preciosas posições. Lá atrás, Button cumpria seu drive-through pelo uso do quinto motor na temporada, excedendo o limite estabelecido.

Enquanto Massa escalava o pelotão, com uma boa ultrapassagem sobre Alonso na quinta volta, Hamilton continuava soberano na frente, com Rosberg e Räikkönen vindo na sequência. No fundo do grid, Vettel caía para último depois de fazer seu pit-stop e, de quebra, pagar punição. Antes da parada, o tetracampeão vinha logo atrás do brasileiro.
Disputa entre Ericsson e Massa (Foto: Reprodução TV)
O momento mais forte veio na volta 9. Massa perdia tempo atrás de Ericsson e, na raça, emparelhou na curva 1. Os dois andaram lado a lado, quase se tocando, mas a ultrapassagem foi efetuada. Aí, abriu a porteira. Ricciardo foi jantado sem sustos; Kvyat, mesmo de pneus supermacios, também ficou para trás rapidamente.

Outra luta interessante no pelotão intermediário era entre Verstappen, Alonso e Vettel, que já havia feito sua parada e poderia seguir na pista até o fim com os pneus macios. Os dois campeões do mundo travaram um belo duelo, revivendo a rivalidade do início da década. Sebastian tentou passar o espanhol na entrada da chicane, e ambos se tocaram. Mas na sequência, na volta 21, finalmente Seb fez a ultrapassagem no fim da reta dos boxes.

Via rádio, a McLaren pediu para Alonso, que vinha em 15º, que economizasse combustível e buscasse chegar ao fim da prova. Mas o bicampeão foi claro ao rejeitar a orientação. "Não quero, não quero! Já temos grandes problemas para guiar assim. Pareço um amador", bradou irritado o espanhol.

Massa já aparecia em sétimo com a ida de Maldonado aos pits e seguia à caça de Hülkenberg.

Via rádio, a McLaren pediu para Alonso, que vinha em 15º, que economizasse combustível e buscasse chegar ao fim da prova. Mas o bicampeão foi claro ao rejeitar a orientação. "Não quero, não quero! Já temos grandes problemas para guiar assim. Pareço um amador", bradou irritado o espanhol.

Em quarto depois da parada, Räikkönen rodou na saída do hairpin e fritou seus pneus. Um erro que abriu caminho para o primeiro pódio da Williams no ano com Bottas. Na volta seguinte, a 29ª da corrida, finalmente Hamilton foi aos pits. Rosberg, então, assumia a liderança provisória, mas antes de realizar sua troca de pneus, também teve problemas no hairpin ao passar reto na curva, indo para a área de escape.

No regresso do pit-stop, Rosberg vinha melhor que Hamilton com os pneus macios e se aproximava, fazendo a diferença despencar.
Marmota atravessa pista durante GP do Canadá (Foto: Reprodução TV)
Massa era quinto na 36ª volta sem ter feito seu pit-stop para que seu stint com os supermacios fosse maior. Até por isso, Felipe foi ultrapassado por Grosjean, caiu para sexto. Durante a disputa, uma marmota acabou por invadir a pista bem à frente do carro de Massa, mas felizmente o bichinho escapou ileso.
Na volta 39, finalmente Massa fez sua parada, voltando à pista em nono.

Preocupada com o desempenho de Hamilton e Rosberg na pista, a Mercedes passou instruções distintas aos dois: pediu que Lewis economizasse combustível, enquanto Nico tinha de se preocupar com os freios. A diferença seguia caindo e já era de 1s088 na volta 46.

Pouco antes, Vettel e Hülkenberg lutavam pelo sétimo lugar. Usando a asa móvel, o tetracampeão tentou por fora a ultrapassagem, mas Nico acabou cometendo um erro e rodou na chicane, sem que houvesse qualquer toque entre os dois. Prejuízo maior para o piloto da Force India e benefício a Massa, que subiu para oitavo.

Aí, na 47ª volta da corrida, Alonso abandonou de forma melancólica o GP do Canadá. Pela primeira vez desde 2001, o espanhol abandonou três provas seguidas. Que fase, diria o outro.
Grosjean passa e fecha Stevens: pelo toque, o francês tomou punição (Foto: Reprodução TV)
Na sequência, Grosjean manchou seu fim de semana num incidente desnecessário. No fim da grande reta o piloto da Lotus superava o retardatário Will Stevens, mas acabou tocando no carro do britânico na entrada da chicane. O franco-suíço foi punido pela direção de prova em 5s e criticado por Stevens, que o chamou de "estúpido" via rádio.

Para completar uma jornada horrorosa da McLaren no Canadá, Button também abandonou a corrida, na volta 59 da prova.

Apesar de ser uma vantagem pequena, de 1s3, Hamilton conseguia controlar a diferença para Rosberg. Bottas também estava com o pódio garantido à frente de Räikkönen e Vettel vinha em quinto. A única coisa que poderia mudar era o sexto lugar. E Maldonado não resistiu ao empolgado Massa. O restante do top-10 no animado GP do Canadá foi completado por Hülkenberg, Kvyat e Grosjean. 

Foi a quarta vitória de Hamilton em sete corridas na temporada 2015, a 37ª da carreira, ficando a três de Sebastian Vettel e a quatro de Ayrton Senna, o terceiro maior vencedor da história da F1, atrás apenas de Alain Prost e Michael Schumacher.

F1, GP do Canadá, Circuito Gilles Villeneuve, final:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:31:53.145 70 voltas
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +2.285  
3 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +40.666  
4 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +45.625  
5 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +49.903  
6 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +56.381  
7 13 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS MERCEDES +1:06.664  
8 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +1 volta  
9 26 DANIIL KVYAT RUS RED BULL RENAULT +1 volta  
10 8 ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS MERCEDES +1 volta  
11 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +1 volta  
12 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO RENAULT +1 volta  
13 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT +1 volta  
14 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +1 volta  
15 33 MAX VERSTAPPEN HOL TORO ROSSO RENAULT +1 volta  
16 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +2 voltas  
17 28 WILL STEVENS ING MANOR MARUSSIA FERRARI +4 voltas  
18 98 ROBERTO MERHI ESP MANOR MARUSSIA FERRARI +13 voltas NC
19 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA +16 voltas NC
20 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA +26 voltas NC
               
MELHOR VOLTA KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI 1:16.987