F1

Hamilton vê ameaça à “essência básica do esporte a motor”, mas deixa porta aberta para futuro na Fórmula E

Pentacampeão da Fórmula 1, Lewis Hamilton manifestou o desejo de seguir no Mundial enquanto estiver focado e em forma. Ainda assim, britânico deixou porta aberta para futuro na Fórmula E, ainda que entenda que os carros elétricos representam uma ameaça à “essência básica do esporte a motor”

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Lewis Hamilton deixou a porta aberta para um futuro na Fórmula E. Pentacampeão da Fórmula 1, o britânico disse achar “fascinante ver o futuro das corrida de carro”, mas também considerou que o rumo das coisas coloca em risco a “essência básica do esporte a motor”.
 
O #44 elogiou o bólido da FE e disse acompanhar as corridas, mas lembrou que a geração atual não conhece o esporte a motor em seu espírito original.
Lewis Hamilton (Foto: AFP)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #15: Você manja mais de Fórmula 1 do que Flavio Gomes?



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM
“O carro está ficando mais legal a cada ano”, disse Hamilton ao jornal alemão ‘Sport Bild’. “Assisto as corridas e acho fascinante ver o futuro das corridas de carro”, seguiu.
 
Mas, apesar de achar a série elétrica “divertida”, Hamilton vê a Fórmula E como uma ameaça à essência do esporte a motor.
 
“Essa nova geração não conhece os cheiros do passado ou o som doido dos motores de dez cilindros, por exemplo”, comentou. “Eu estava em Spa em 1996 e me lembro de ouvir o carro de Michael Schumacher e era muito legal. Foi por isso que virei um piloto de F1”, recordou.
 
“As pessoas sempre precisam dessas emoções, toques, cheiros, sons, que, claro, não são mais os mesmos de antes. Tenho certeza de que, se formos nessa direção, a essência básica do esporte a motor está perdida”, ponderou.
 
Perguntado, então, se vê a FE como uma opção para o futuro, Hamilton respondeu: “Até aqui, a F1 sempre foi tudo para mim”.
 
“Quando eu parar, terei muitos sintomas de abstinência, como qualquer piloto de F1, então tem outras categorias para onde poderia ir”, comentou. “Fernando Alonso está na Indy, Gary Paffett é um pouco mais velho do que eu e agora está na Fórmula E. Esse será o futuro”, avaliou.
 
“Então quem sabe. No momento, vou tentar ficar na F1. Enquanto estiver focado e em forma, quero estar lá”, concluiu.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.