F1
11/06/2017 16:38

Hamilton vence com folga no Canadá e aproveita problema de Vettel para acirrar luta pelo título. E Alonso vai para galera

Lewis Hamilton passeou em Montreal e conquistou sua sexta vitória no GP do Canadá. O triunfo veio na esteira de uma grande performance e também de um dia complicado para Sebastian Vettel. Valtteri Bottas e Daniel Ricciardo fecharam o pódio, as Force India brilharam e o dono da casa, Lance Stroll, pontuou. Fernando Alonso vinha para pontuar, abandonou no fim e acabou indo para as arquibancadas no meio do público Felipe Massa levou azar e foi acertado por Carlos Sainz na primeira volta
Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
 Lewis Hamilton ganha bandeirada final da corrida no Canadá (Foto: Reprodução/Twitter)

O fim de semana do GP do Canadá confirmou que Lewis Hamilton é mesmo o rei de Montreal. O tricampeão do mundo, um dia depois de se emocionar com o presente recebido pela família Senna após a pole-position 65 conquistada no circuito Gilles Villeneuve, passeou neste domingo (11) e não teve dificuldades para vencer a sétima etapa da temporada. De quebra, tirou proveito de um dia complicado para Sebastian Vettel desde a largada. O alemão chegou a cair para último após uma avaria na asa dianteira da Ferrari, reagiu, mas ficou longe do pódio, terminando apenas em quarto.

Valtteri Bottas fez uma corrida bastante discreta, mas aproveitou os azares com Vettel e também Kimi Räikkönen para terminar em segundo lugar, enquanto Daniel Ricciardo levou a Red Bull novamente ao último degrau do pódio. Vettel ganhou, nas últimas voltas, as posições de Sergio Pérez e Esteban Ocon, com uma Force India que brilhou em Montreal. Räikkönen, extremamente apagado, foi somente o sétimo lugar, seguido por Nico Hülkenberg, novamente nos pontos com a Renault. Piloto da casa, Lance Stroll somou seus primeiros pontos na F1 ao fechar em nono, enquanto Romain Grosjean, que se envolveu em um incidente com Carlos Sainz, que culminou com o abandono de Felipe Massa, completou o top-10.

Fernando Alonso deu toda a pinta de que iria pontuar. E andou nas últimas voltas na décima posição. Mas novamente, um problema no motor Honda o deixou a pé. Mas o bicampeão do mundo não se deu por vencido: desceu do carro e literalmente foi pra galera nas arquibancadas de Montreal, jogando as suas luvas para o público.
Lewis Hamilton venceu o GP do Canadá (Foto: AFP)
Saiba como foi o GP do Canadá de F1


O começo do GP do Canadá começou da melhor forma para Lewis Hamilton, que conseguiu sustentar a liderança depois de partir na pole-position. Quem largou mal foram as duas Ferrari, com Vettel despencando para quarto, duas posições à frente de Räikkönen. O alemão acabou tendo a asa dianteira avariada após um leve toque de Verstappen. O holandês da Toro Rosso, aliás, fez um belo início de prova e pulou de quinto para segundo, superando também a Mercedes de Valtteri Bottas.

Mas a primeira volta foi bem tumultuada. Felipe Massa não conseguiu largar bem e foi superado pelos dois carros da Force India e também por Nico Hülkenberg. Mas o brasileiro levou um enorme azar ao ser acertado pelo carro de Carlos Sainz, que forçou pra cima da Haas de Romain Grosjean. Mas no azar, Felipe deu sorte e conseguiu sair normalmente do carro, assim como Sainz, que acertou em cheio a barreira de proteção.



A relargada aconteceu na abertura da quarta volta com Hamilton à frente e Verstappen tendo de lutar com Bottas para manter a segunda colocação. Pérez conseguiu passar Räikkönen — que cometeu um erro na saída de uma curva e colocou a roda na grama — e subiu para sexto, logo atrás de Ricciardo. Mas pouco depois, Vettel teve de fazer um pit-stop inesperado e trocou a asa dianteira após o dano sofrido na largada, caindo para P18 e último.

A bela jornada de Verstappen se encerrou na volta 11, quando o piloto ficou parado no primeiro setor da pista canadense. Seu motor Renault-TAG Heuer simplesmente apagou. A direção de prova acionou o safety-car virtual enquanto Bottas subia para a segunda posição, seguido por Ricciardo. Pérez avançava para a quarta posição, à frente de Räikkönen e Ocon. Nico Hülkenberg, Jolyon Palmer e Marcus Ericsson foram para os boxes para as primeiras paradas, e Vettel subia para 15º. Nesse meio tempo, Kevin Magnussen conseguiu enxergar um boné da Ferrari na pista, mais precisamente embaixo da ponte do circuito.
Lance Stroll mostrava que finalmente poderia pontuar. E logo correndo em casa (Foto: Williams/Twitter)
A prova voltou ao seu curso normal na volta 14 com Hamilton liderando a corrida com 6s de frente para Bottas. Alonso surpreendia ao colocar a McLaren em oitavo, duas posições à frente de Lance Stroll. Vettel seguia subindo o pelotão e ocupava o 13º lugar. Mas o alemão já subia outras duas posições ao bater Kvyat e Stoffel Vandoorne.

Vettel, aliás, buscava a recuperação de todo jeito e subia para décimo ao mesmo tempo em que, durante a primeira janela de troca de pneus, Ocon era o terceiro e Alonso, quarto. Ricciardo — este com pneus macios —, Pérez e Räikkönen fizeram suas respectivas paradas. Se a luta pela vitória inexistia, a corrida para o restante do pelotão era das mais animadas em Montreal. Vettel e Alonso eram os dois grandes destaques e estavam próximos: o bicampeão vinha em sétimo, logo à frente de Seb.
Via rádio, Alonso esbravejava e pedia informações mais úteis à McLaren (Foto: Reprodução)

Bottas repetiu a estratégia de Ricciardo e também calçou sua Mercedes com pneus macios. Valtteri ainda voltou à frente do piloto da Red Bull, enquanto Ocon, que esticava ao máximo seu stint, seguia na pista e era o segundo. Alonso também esticava sua permanência na pista e criticava a McLaren via rádio: "Vocês não estão me dando uma informação útil", disse o espanhol, pedindo os tempos de volta de Magnussen, que vinha logo atrás, mas teve de cumprir punição por passar Stroll durante o regime de safety-car virtual.

Mas o grande destaque da corrida era mesmo Ocon, que seguiu na pista antes de fazer sua parada por 33 voltas. No mesmo giro, parou o líder da prova, Hamilton, que não teve dificuldades para voltar à ponta. Esteban retornou em sexto, atrás de Bottas, Ricciardo, Pérez e Räikkönen. Vettel aparecia em sétimo, logo à frente de Alonso. Só que o alemão tinha outra adversidade para lidar durante a prova: um problema no assoalho da sua Ferrari. Stroll saía da zona de pontuação e aparecia em P15.

Räikkönen, que vinha logo à frente de Vettel, teve de fazer uma segunda parada na volta 42 e retornou atrás do seu companheiro de equipe após uma mudança de estratégia. Pouco depois, Hülkenberg e Alonso lutavam pela oitava posição, com o espanhol andando 43 voltas com os ultramacios antes de colocar os pneus 'vermelhos' e seguir até o fim da corrida. Fernando caiu para 11º, seguido por Vandoorne e Stroll. Até que, num duelo de novatos, o canadense superou a McLaren #2 para ganhar uma posição. Logo depois, Stroll voltava à zona de pontuação ao ultrapassar Alonso para ser aplaudido pela torcida local.
Esteban Ocon foi um dos grandes nomes do GP do Canadá (Foto: Force India)
Vettel teve de fazer seu segundo pit-stop na volta 51 e retornou ao sétimo lugar, pouco atrás de Räikkönen. As Force India brilhavam com Pérez em quarto e Ocon em quinto, bem perto do mexicano. O 1-2 da Mercedes estava praticamente definido e só teria alguma mudança se algum deles tivesse um tipo de problema. Hamilton continuava seu passeio dominical, 12s à frente de Bottas que, por sua vez, tinha 13s de frente para Ricciardo após 53 voltas.

Com a parada de Kvyat nos boxes, Stroll e Alonso voltaram à zona de pontuação em nono e décimo, respectivamente. Lá na frente, Pérez e Ocon tinham ritmo bem melhor em relação a Ricciardo e passavam a lutar diretamente com a Red Bull. Ocon pedia passagem porque julgava ter mais ritmo para passar Daniel, mas Pérez nem deu ouvidos. Assim, os dois carros rosa tiveram de lutar na pista, enquanto Räikkönen se aproximava.

Vettel passou a ter caminho livre depois que Räikkönen errou ao passar reto na última chicane do circuito e assumiu a sexta posição. De quebra, passou a tentar subir mais algumas posições ao brigar com os carros da Force India. Pérez não amaciou para Ocon, e os dois lutaram por posição. O novato acabou errando e foi superado por Seb, que passou a lutar contra 'Checo' nas voltas finais da prova, mas também não resistiu e perdeu para o alemão o quarto lugar.

Tudo indicava que Alonso também entraria no rol dos pontuadores. Em décimo nas voltas finais, o espanhol ficou a pé novamente depois de ter de lidar com outra quebra do motor Honda. Mas o bicampeão do mundo não se deu por vencido e fez a festa, à sua maneira: indo para a galera nas arquibancadas de Montreal, onde subiu e jogou as luvas para o público. De uma forma ou de outra, Fernando provou sua condição de grande ídolo da F1. Mesmo sem ainda pontuar em 2017.



F1 2017, GP do Canadá, Montreal, corrida, final:

1   44 Lewis HAMILTON ING Mercedes 1:27:38.107 70 voltas
2   77 Valtteri BOTTAS FIN Mercedes +19.783  
3   3 Daniel RICCIARDO AUS Red Bull Tag Heuer +35.297  
4   5 Sebastian VETTEL ALE Ferrari +35.907  
5   11 Sergio PÉREZ MEX Force India Mercedes +40.476  
6   31 Esteban OCON FRA Force India Mercedes +58.672  
7   7 Kimi RÄIKKÖNEN FIN Ferrari +1:00.374  
8   27 Nico HÜLKENBERG ALE Renault +1 volta  
9   18 Lance STROLL CAN Williams Mercedes +1 volta  
10   8 Romain GROSJEAN FRA Haas Ferrari +1 volta  
11   30 Jolyon PALMER ING Renault +1 volta  
12   20 Kevin MAGNUSSEN DIN Haas Ferrari +1 volta  
13   9 Marcus ERICSSON SUE Sauber Ferrari +1 volta  
14   2 Stoffel VANDOORNE BEL McLaren Honda +1 volta  
15   94 Pascal WEHRLEIN ALE Sauber Ferrari +2 voltas  
16   14 Fernando ALONSO ESP McLaren Honda +4 voltas NC
17   26 Daniil KVYAT RUS Toro Rosso Renault +12 voltas NC
18   33 Max VERSTAPPEN HOL Red Bull Tag Heuer +59 voltas NC
19   19 Felipe MASSA BRA Williams Mercedes +70 voltas NC
20   55 Carlos SAINZ JR ESP Toro Rosso Renault +70 voltas NC

A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA