Hamilton vence disputa com Rosberg em corrida espetacular no Bahrein. Pérez vai ao pódio e Massa é 7º

Que corrida, senhores, que corrida! Lewis Hamilton segurou Nico Rosberg e seus pneus macios até o fim para uma vitória magnífica em Sakhir. Sergio Pérez foi terceiro ao ganhar a batalha com o companheiro Nico Hülkenberg. Daniel Ricciardo bateu Sebastian Vettel e Felipe Massa, Valtteri Bottas. Mas escrevendo assim, parece que foi simples...

Aquela F1 que se viu na Austrália e na Malásia, esqueçam por um momento. O domingo (6 ) no Bahrein estava em estado de graça e recebeu uma das melhores corridas dos últimos tempos, inefável em seus predicados. As brigas se sucederam de cabo (Mercedes) a rabo (o resto). Entre a dupla que destoava no resto, deu Lewis Hamilton numa disputa magnífica; o outro lugar no pódio, no vaivém das táticas, premiou o mexicano Sergio Pérez.
 
O que importa: teve disputa intensa entre os líderes Hamilton e Rosberg, entre Felipe Massa e Valtteri Bottas — sem que a equipe desse um piu pelo rádio, entre Nico Hülkenberg e Pérez, entre as Williams e as Force India, e, mais atrás, as Red Bull com as Ferrari – que se arrastavam na pista e deixavam Luca di Montezemolo nos boxes com a feição da derrota.
A largada no Bahrein (Photo by Paul Gilham/Getty Images)
O que importa, parte 2: a F1 testou a segurança de seus carros quando Pastor Maldonado deu em Gutiérrez no cotovelo da curva 1 e fez o mexicano da Sauber capotar lindamente. E se a categoria agora distruibui pontos na carteira, que a CET dos comissários coloque uns 10 pontos de multa para o venezuelano, que voltou aos seus velhos tempos de Pica-Pau de polainas louco.
 
Daniel Ricciardo talvez merecesse um lugar no pódio. O que o moleque fez hoje não tá em gibi nenhum na Austrália. Foi para cima de todo o bolo partindo em 13º, passou Sebastian Vettel com autoridade, depois Hülkenberg e ficou em quarto. O alemão, por sua vez, foi grande ao se segurar em sexto no fim da prova do ataque de Massa – que tinha de se preocupar com Bottas. Fernando Alonso e Kimi Räikkönen vieram atrás. 

Na verdade, fosse a F1 mais informal, chamaria todo mundo para ir ao pódio. Todos merecem aplausos.

Confira como foi o GP do Bahrein de F1 neste domingo

A F1 largou neste domingo diante de um belo fim de tarde em Sakhir e viu uma disputa intensa entre os dois pilotos da Mercedes, que dividiam a primeira fila. E Nico Rosberg não conseguiu fazer valer a pole, perdendo a posição de comando antes mesmo da primeira curva para o colega Lewis Hamilton. O alemão não desistiu na sequência, tentou ainda recuperar a ponta, mas o inglês, danado, não permitiu, deixando o companheiro sem espaço e em segundo.

Um pouco mais atrás, Felipe Massa saltou muito bem do sétimo posto e contornou a primeira curva em uma impressionante terceira posição. Sergio Pérez ainda conseguiu se colocar em quarto, à frente de Valtteri Bottas, que também saiu bem. Jenson Button manteve o sexto posto, enquanto Nico Hülkenberg pulava para frente de Fernando Alonso — o espanhol tomaria a colocação logo sem seguida. Kimi Räikkönen e Sebastian Vettel completavam os dez primeiros.

Hamilton e Rosberg lado a lado na largada. Mais atrás, Massa (Foto: Getty Images)

Lá no bloco intermediário, Jean-Éric Vergne já surgia fora da pista, com o pneu traseiro direito furado. O francês, então, precisou visitar mais cedo os boxes.

Na quinta passagem, enquanto Hamilton escapava na ponta, Rosberg tentava acompanhar, com Massa ainda em terceiro. Pérez e Bottas vinham na cola. Button era sexto e Hülkenberg aparecia já em sétimo, depois de ter superado, com a ajuda da asa móvel, o carro de Alonso, que reclamava da falta de potência da F14T. Lá trás, Pastor Maldonado tentava uma recuperação. Depois de largar em 17º, o venezuelano aparecia em 14º. Enquanto isso, Adrian Sutil, que largara no fim do grid, já parava para troca de pneus. O alemão voltou com os macios.

No grupo do top-10, Hamilton ainda liderava, enquanto Rosberg recebia pelo rádio a instrução de uma estratégia alternativa. Ou seja, a meta era poupar pneus em um primeiro stint mais longo. Massa, Pérez, Bottas, Button e Hülkenberg formavam um único bloco.

Alonso vinha pouco atrás, enquanto Räikkönen lidava com a pressão de Vettel pelo nono posto. Uma posição atrás, devido a um erro, Ricciardo perdia o 11º lugar para Kevin Magnussen. O australiano da Red Bull recuperaria a colocação três voltas depois.

Na volta 11, Button superou Bottas, que foi logo ultrapassado por Hülkenberg. Aí o finlandês, agora em oitavo, decidiu visitar cedo os boxes, assim como Daniil Kvyat e Jules Bianchi — os três voltaram com os pneus de risca amarela.

No bloco da frente, Pérez pressionava Massa pelo terceiro posto. E a manobra do mexicano não tardou. Uma passagem mais tarde, Sergio bateu Massa em uma bonita ultrapassagem. O brasileiro, então, esperou mais um giro antes de ir aos pits, assim como Räikkönen. Alonso já tinha ido mais cedo. Aí foi a vez de Hülkenberg. Depois, foi  Pérez. Button ainda ficou por mais uma volta.

Nesse meio tempo, lá no fundo do pelotão, Sutil se via em apuros, depois de ter escapado da pista por conta de uma disputa com Jules Bianchi. O incidente foi parar na sala dos comissários, que culparam o francês pelos toques — sim, os dois bateram duas vezes. Bianchi teve de pagar um drive-through. Já Adrian não durou muito mais e abandonou a corrida na volta 21, provavelmente, segundo a equipe, por causa do acidente com o piloto da Marussia.

Sergio Pérez foi brilhante e ficou em terceiro (Foto: Getty Images)

Na pista, enquanto reclamava do mau funcionamento da asa móvel, Vettel lidava com a pressão de Ricciardo pelo décimo lugar. Logo depois, Hamilton e Rosberg protagonizaram uma dura briga pela ponta, com direito a xis e troca de posições. No fim, o inglês conseguiu permanecer na frente. Aí foi aos boxes e voltou com pneus macios. Já Rosberg deixou para parar depois e optou pelos médios. Os voltaram na ponta ainda.


Com as demais paradas, a ordem era: Hamilton (macios), Rosberg (médios), Bottas (macios) — que levou muita vantagem a parada mais cedo —, Massa (macios), Hülkenberg (macios), Pérez (macios), Button, Alonso (macios), Räkkönen (macios) e Vettel (macios). 
 
Enquanto os dois ponteiros da Mercedes escapavam na ponta, Valtteri, o terceiro, lidava com a pressão do companheiro de Williams, que, por sua vez, já via no retrovisor a ameaça de Hülkenberg e Pérez. Mais atrás, Alonso tentava alcançar Button.

E a briga mesmo era entre Bottas, Massa, Hülk e Pérez. Mas aí o finlandês ficou sem pneus e solicitou uma nova visita aos boxes. Isso na 26ª passagem. A batalha, então, ficou entre Felipe e os pilotos da Force India. Outro duelo também era travado entre Räikkönen e Vettel pelo nono posto. O alemão não demorou a superar o nórdico da Ferrari, que passou a lidar com um rápido Ricciardo.

Aí, na tentativa de passar Massa, Hülkenberg acabou perdendo o quarto lugar para Pérez. O mexicano ainda ultrapassaria Massa na sequência. O brasileiro, então, foi aos boxes, junto com Alonso e Romain Grosjean. Ao contrário dos dois, Massa voltou de macios, mais uma vez, evidenciando a estratégia de três paradas.

Na pista, Bottas vinha em oitavo, entre Räikkönen e Ricciardo. Na busca por Kimi, o jovem piloto da Williams errou tudo no fim da reta principal e escapou na curva 1, quase batendo no guard-rail. Aí o piloto da Red Bull se aproveitou a chance para encostar no ferrarista. A ultrapassagem não tardou.

Enquanto Räkkönen foi aos boxes — depois de ter sido superado por Massa —, Bottas, que já havia alcançado Ricciardo, superava o rival. Aí Pérez foi aos pits em seguida. Vettel fez o mesmo.

O mexicano voltou atrás de Alonso, mas não demorou a bater o espanhol. Button e Hülkenberg foram logo a seguir aos boxes. Os dois optaram pneus médios e retornaram atrás de Sergio e Pérez no bloco intermediário. As Force India, então, começaram a voar, sobretudo Hülk, que chegou a virar a volta mais rápida da prova, no sexto posto.

A volta 39 marcou o terceiro e último pit de Massa. Magnussen o seguiu. O brasileiro voltou logo atrás de Ricciardo. Lá na frente, as Mercedes andavam no mesmo tempo, mas a diferença entre Hamilton e Rosberg já estava acima de seis segundos. Mas toda essa vantagem acabou com um acidente de Gutiérrez.

O acidente de Gutiérrez com Maldonado (Foto: Reprodução)
O mexicano da Sauber, vinha no pelotão do fundo, estava contornando a curva 1, quando foi tocado por Maldonado. O carro Esteban decolou, deu uma pirueta no ar e aterrissou na área de escape da pista árabe. O piloto saiu ileso do acidente. Já Maldonado foi punido com um stop & go de dez segundos. A direção de prova ainda chamou o safety-car, que anulou a distância entre Hamilton e Rosberg.

Durante a presença do carro de segurança, na volta 41, muita gente aproveitou visitar os boxes pela última vez, como os líderes Lewis (médios) e Nico (macios), além dos ferraristas Alonso e Räikkönen. Magnussen teve menos sorte. O jovem dinamarquês bateu e abandonou a prova.

Assim, pouco antes do safety-car deixar a pista, na 46ª passagem, a ordem era: Hamilton, Rosberg, Pérez, Hülkenberg, Button, Vettel, Ricciardo, Massa, Bottas e Alonso.

É bem verdade que o carro de segurança demorou mais do que o normal para sair da frente do pelotão, mas deu início a um final que coroou toda a brilhante história do GP do Bahrein de 2014. Massa e Bottas já haviam feito seus pit-stops e vinham no fundo do top-10. Os carros à frente — Hülkenberg e Pérez, Button, Vettel e Ricciardo — ainda não haviam feito a última troca, mas seus pneus ganharam sobrevida com a longa permanência do SC no traçado.

Com todos os carros próximos, as disputas se intensificaram ainda mais, e o pódio se definiu, mas não sem antes a respiração permanecer suspensa até a bandeira quadriculada. Primeiro, foi Pérez quem deu o bote sobre em Hülk e ganhou a terceira posição que lhe valeu o pódio no fim.

Depois, foi um alucinado Rosberg para cima de Hamilton que manteve a tensão até a volta final. O alemão voou e chegou a dividir quase meia volta lado a lado com o inglês. Força da resistência dentro da Mercedes, Lewis foi superado duas vezes seguidas, mas conseguiu dar o xis em ambas, emparelhar e até empurrar Nico para fora, tudo para ficar com a vitória.

Mais atrás, era a vez da Williams mostrar seu melhor desempenho com calçados novos, mas a reação parou antes do imaginado. Massa superou Button e trouxe Bottas no embalo. Na sequência, partiu para cima de Vettel e travou um duelo em altíssimo nível com o alemão, que fechou a porta no limite e quase tirou o brasileiro da corrida. Na volta, Felipe ainda teve que segurar um impetuoso Valtteri, que quase abocanhou o sétimo lugar de seu companheiro de equipe, mas fechou em oitavo.

Pouco antes, Ricciardo atacou Vettel sem dó e abriu caminho rumo à quarta posição. Depois de superar o badalado companheiro de equipe, o australiano ainda se livrou de Button e Hülkenberg, e cruzou a linha de chegada colado em Pérez na briga pelo pódio. Enfim, um resultado de acordo com os bons desempenhos dos GPs passados.

A disputa entre Hamilton e Rosberg = festa da Mercedes (Foto: Getty Images)

E assim ficou: Hamilton, honrando o título mundial, saiu como vencedor, só 1s à frente de um não menos brilhante Rosberg, após um duelo interno há muito tempo não visto na F1 e que certamente se repetirá mais vezes ao longo do ano. E sem conflitos ou caras feias, os dois se abraçaram no Parque Fechado, festejando o terceiro triunfo dessa impressionante Mercedes.

Com o triunfo em Sakhir, Hamilton alcançou 24 vitórias na F1, igualando número de conquistas na de Juan Manuel Fangio, o lendário pentacampeão. 

22s atrás, Pérez conseguiu o primeiro pódio da Force India na temporada, coroando também um desempenho magistral em Sakhir, com Ricciardo logo atrás, em quarto. Hülk e Vettel fecharam o top-6, com Massa e Bottas na sequência e a sofrida dupla da Ferrari, Alonso e Räikkönen, completando as dez primeiras posições.

Agora, sim, há tempo para respirar, repassar e relembrar este GP do Bahrein de 2014, que certamente já se tornou um clássico na história da categoria. O próximo encontro da F1 acontece em duas semanas, na China.

 

F1, GP do Bahrein, Sakhir, final:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:39:42.743 57 voltas
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +1.085  
3 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +24.067  
4 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT +24.489  
5 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +28.654  
6 1 SEBASTIAN VETTEL ALE RED BULL RENAULT +29.879  
7 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +29.879  
8 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +31.876  
9 14 FERNANDO ALONSO ESP FERRARI +32.595  
10 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +33.462  
11 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO RENAULT +41.342  
12 8 ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS RENAULT +43.143  
13 4 MAX CHILTON ING MARUSSIA FERRARI +59.909  
14 13 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS RENAULT +1:02.803  
15 10 KAMUI KOBAYASHI JAP CATERHAM RENAULT +1:27.900  
16 17 JULES BIANCHI FRA MARUSSIA FERRARI +1 volta  
17 22 JENSON BUTTON ING McLAREN MERCEDES +2 voltas NC
  20 KEVIN MAGNUSSEN DIN McLAREN MERCEDES +17 voltas NC
  21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX SAUBER FERRARI +18 voltas NC
  9 MARCUS ERICSSON SUE CATERHAM RENAULT +24 voltas NC
  25 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TORO ROSSO RENAULT +39 voltas NC
  99 ADRIAN SUTIL ALE SAUBER FERRARI +40 voltas NC
               
MELHOR VOLTA NICO ROSBERG ALE MERCEDES 1:37.020 volta 49
               
RECORDE MARK WEBBER AUS RED BULL RB1 1:29.527 02/04/2005
MELHOR VOLTA PEDRO DE LA ROSA ESP McLAREN MP4-20 1:31.447 03/04/2005

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube