F1

Hamilton vence GP do México, iguala marca de Prost e adia decisão do título para Interlagos. Rosberg é segundo

A definição do título da temporada 2016 do Mundial de F1 terá de esperar mais duas semanas, pelo menos. Lewis Hamilton largou bem e seguiu rumo a uma tranquila vitória no GP do México, neste domingo, reduzindo a vantagem do rival Nico Rosberg para 19 pontos. O alemão terá seu segundo 'match-point' em Interlagos

Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
 

Nico Rosberg terá de esperar pelo menos até o GP do Brasil para soltar o grito de campeão da garganta. Assim como aconteceu na semana passada, nos Estados Unidos, o alemão não foi páreo para o rival Lewis Hamilton, que arrancou para uma grande vitória no GP do México, neste domingo (30), a partir da largada. Desde então, o britânico controlou a prova e evitou a aproximação de Nico, ganhando sobrevida na briga pelo título. Depois do triunfo diante de uma multidão de mais de 100 mil pessoas nas arquibancadas do Autódromo Hermanos Rodríguez, Hamilton agora soma 330 pontos, 19 a menos que Rosberg, que teve de secontentar em segundo lugar. Restam o GP do Brasil, dentro de duas semanas, e a etapa derradeira da temporada 2016, em Abu Dhabi, no dia 27 de novembro.

O triunfo de Hamilton neste domingo foi histórico porque o colocou empatado em segundo lugar na lista dos maiores vencedores da história da F1. Agora Lewis soma as mesmas 51 vitórias de Alain Prost, porém ficando a nada menos que 40 de igualar o maior vitorioso do esporte em todos os tempos, Michael Schumacher.

Rosberg segurou bem um impetuoso Max Verstappen, que lutou como nunca pelo segundo lugar, inclusive arriscando tudo em uma manobra de ultrapassagem que levantou a torcida que lotou as arquibancadas no Autódromo Hermanos Rodríguez, mas o jovem holandês não conseguiu equilibrar sua Red Bull e permitiu que Nico retomasse o segundo lugar para se manter ainda em boas condições de ganhar o título. 

Depois de uma batalha empolgante com Sebastian Vettel no fim da prova, Verstappen conseguiu se colocar em terceiro e ficou perto de ir ao pódio. Mas a manobra de defesa em relação ao alemão, quando o piloto da Red Bull acabou passando pela grama, ganhou vantagem e não cedeu a posição a Vettel, entrou na lista dos incidentes sob investigação por parte dos comissários depois da prova. Antes da cerimônia de premiação, os comissários anunciaram uma punição de 5s a Verstappen, que caiu para quinto lugar. Assim, Vettel herdou o pódio, com Ricciardo em quarto lugar.

Kimi Räikkönen foi o sexto, à frente de Nico Hülkenberg e Valtteri Bottas. Felipe Massa fechou em nono, enquanto Sergio Pérez completou o top-10. Felipe Nasr foi o 15º.
Lewis Hamilton igualou Alain Prost e chegou à vitória 51 da carreira neste domingo no México (Foto: Mercedes)
Saiba como foi o GP do México de F1

Lewis Hamilton evitou os problemas e largou bem na frente do pelotão no GP do México. O britânico segurou a pressão de Nico Rosberg, retardou a freada e acabou passando reto na primeira (e apertada) curva do Hermanos Rodríguez.  Max Verstappen também retardou a freada e dividiu a primeira curva com Rosberg, com as rodas dos dois carros se tocando, mas sem grandes problemas para os pilotos. O incidente entrou sob investigação pouco depois, mas sem consequências. Nico Hülkenberg também largou muito bem e subiu de quinto para quarto.

Na 'zona da confusão', Esteban Gutiérrez acabou tocando no carro de Pascal Wehrlein. O alemão perdeu o controle da sua Manor e acertou a Sauber de Marcus Ericsson. Wehrein abandonou, Ericsson foi para os boxes, mas se manteve na pista, e a direção de prova acionou o safety-car virtual. Pouco depois, a corrida entrou em regime de safety-car. Daniel Ricciardo aproveitou a oportunidade para entrar nos pits e trocar os pneus supermacios pelos médios, claramente adotando uma estratégia diferente.
Hamilton segurou Rosberg desde a largada e partiu para a vitória no GP do México (Foto: Red Bull Content Pool)
Precisando vencer para adiar a definição do título em pelo menos mais duas semanas, Hamilton andava forte e já conseguia abrir 2s de vantagem para Rosberg na sétima volta da corrida. Verstappen andava próximo de Nico, bem próximo, já que o piloto da Red Bull contava com pneus supermacios, contra os macios do piloto da Mercedes. Hülkenberg continuava em quarto, seguido por Kimi Räikkönen, Felipe Massa e Sebastian Vettel. Felipe Nasr vinha em 16º.

Aos poucos, Rosberg abria perante Verstappen e deixava a corrida bastante previsíve entre os três primeiros colocados. Hülkenberg também fazia uma corrida isolada, enquanto Vettel pressionava Massa na briga pelo sexto lugar. Em seguida, Sergio Pérez lutava ferozmente com Valtteri Bottas pelo oitavo posto da prova. Ricciardo buscava a recuperação e já estava em 12º lugar na volta 12 da corrida, enquanto incidentes entre Fernando Alonso e Carlos Sainz e o choque entre Gutiérrez, Wehrlein e Ericsson também entravam sob investigação. Sainz acabou sendo punido por 'jogar' o compatriota para fora da pista.

Verstappen abriu oficialmente a janela de pit-stops para quem havia largado com os pneus supermacios. O holandês parou na volta 14. No giro seguinte, foi a vez de Massa parar. Mas antes o brasileiro foi alvo de mais uma reclamação de Vettel, que o chamou de "estúpido" por considerar que o piloto da Williams estava devagar de propósito. E Aonso, antes de sua primeira parada, bradou via rádio com o engenheiro da equipe, que pediu para apertar o ritmo nas voltas antes de trocar os pneus. "Estou acelerando desde a primeira volta. Por 15 voltas, no tráfego. Faça o seu trabalho que eu faça o meu", esbravejou o bicampeão.

A primeira Mercedes a fazer sua parada foi a de Hamilton, na volta 18. O britânico abriu o segundo stint com pneus médios, indicando claramente uma estratégia de duas paradas. Rosberg, por sua vez, esticava um pouco o primeiro stint antes de parar na 21ª volta, assim como Räikkönen. Vettel, que continuava na pista, vinha em primeiro em seu stint com pneus macios, seguido por Hamilton e Rosberg em terceiro. Ricciardo aparecia em quarto lugar, mas tinha ritmo mais lento por estar com os pneus mais desgastados. Assim, o australiano abriu passagem para Verstappen fazer a ultrapassagem.
Com pneus mais gastos, Ricciardo abriu espaço para Verstappen passar (Foto: Reprodução)
Vettel esticou ao máximo o seu stint e só fez a parada na volta 33. A estratégia do alemão era clara, de tentar fazer o restante da corrida sem realizar outro pit-stop. Assim, Hamilton retomava a liderança da corrida, seguido por Rosberg e Verstappen, que se aproximava muito do piloto da Mercedes. Era uma disputa claramente marcada pela estratégia no México.

O início da segunda metade da corrida tinha Rosberg buscando acelerar para sair um pouco da alça de mira de Verstappen. Pérez ainda lutava com Nasr pela nona colocação, e o brasileiro conseguia se defender com tranquilidade em uma disputa limpa, com a torcida asteca apoiando muito o piloto da Force India. Já a batalha interna na Sauber entre Ericsson, que estava em 11º, e Felipe Nasr, que vinha logo atrás, estava quente, com a escuderia suíça tendo uma grande chance de enfim chegar aos pontos pela primeira vez na temporada.

Com o passar dos carros na pista e o alto índice de desgaste dos pneus, a reta dos boxes já mostrava um trilho de asfalto limpo, e a sujeira já ficava bastante à vista.  As equipes mostravam preocupação com a condição dos compostos na reta final da prova. Rosberg, por exemplo, completava 22 voltas com os pneus médios, enquanto Verstappen chegava a 30 após o giro 43 da corrida.
Massa e Pérez protagonizaram boa briga pela nona posição no México (Foto: Williams F1/LAT Photographic)
Mas antes da segunda parada, na volta 50, Rosberg e Verstappen protagonizaram uma bela briga pelo segundo lugar. O holandês foi agressivo, bem ao seu estilo, forçou a ultrapassagem na entrada da curva 4, mas saiu de frente e permitiu a Nico retomar a segunda colocação. Mas foi uma bela manobra, aplaudida pela Red Bull e pelo público nas lotadas arquibancadas. Em contrapartida, Esteban Gutiérrez e Romain Grosjean voltavam a sofrer com problemas nos freios da Haas.

Enquanto Pérez continuava atrás de Massa na luta pelo nono lugar, Nasr fazia sua primeira e única parada na vota 50 e se colocava em 16º lugar, logo atrás da McLaren de Fernando Alonso. Ericsson seguia na pista e estava em 11º, na posição imediatamente atrás da zona de pontuação.

As voltas finais do GP do México mostravam Hamilton e Rosberg tranquilos em suas colocações. Nico não tinha mais a ameaça de Verstappen, que por sua vez passava a ver cada vez maior nos retrovisores a Ferrari de Vettel, que contava com pneus bem menos desgastados. Ricciardo vinha mais atrás, em quinto, à frente de Hülkenberg, que fazia uma corrida bastante estável, mas tinha a pressão de Räikkönen. As outras posições continuavam as mesmas: Bottas em oitavo, com Massa em nono e Pérez fechando em décimo, além de Ericsson perto da zona de pontuação.

No fim da corrida, Verstappen não conseguiu segurar a melhor performance de Vettel com seus pneus. O holandês se defendeu, mas passou reto pela grama e se manteve na frente. Só que Ricciardo também vinha rápido e emparelhou lado a lado com o tetracampeão, que conseguiu segurar o quarto lugar. Mais atrás, Räikkönen ganhava de Hükenberg a sexta posição da prova. O piloto da Force India acabou rodando, mas conseguiu permanecer no top-10. No fim das contas, Hamilton acabou conquistando a vitória, com Rosberg em segundo colocado e Verstappen garantindo o pódio, sob protestos efusivos de um inconformado Sebastian Vettel.

Só que Vettel, da decepção foi à quase glória ao tomar conhecimento da punição de 5s a Verstappen. Ao lado dos integrantes da Ferrari, Seb subiu ao pódio e comemorou ao lado de Rosberg e do grande vencedor do dia, Lewis Hamilton.

Mas os comissários ainda analisaram o lance entre o tetracampeão e o australiano da Red Bull. E pouco mais de quatro horas depois do fim da corrida e após ouvir os dois pilotos, os oficiais da FIA decidiram punir o ferrarista com 10s em seu tempo total de prova, o que o fez cair de terceiro para quinto

F1, GP do México, Hermanos Rodríguez, Final:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:40:31.402 71 voltas
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +8.354  
3 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER +20.858  
4 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER +21.323  
5 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +27.313  
6 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +49.376  
7 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +58.891  
8 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +1:05.612  
9 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +1:16.206  
10 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +1:16.798  
11 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +1 volta  
12 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA +1 volta  
13 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA +1 volta  
14 30 JOLYON PALMER ING RENAULT +1 volta  
15 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI +1 volta  
16 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +1 volta  
17 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI +1 volta  
18 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT +1 volta  
19 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI +1 volta  
20 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI +1 volta  
21 31 ESTEBAN OCON FRA MANOR MERCEDES +1 volta  
  94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES   NC