F1

Hamilton volta a reclamar de calendário longo da F1 e avisa: “Não estarei aqui quando chegar a 25 corridas”

A Fórmula 1 tem 21 corridas por temporada e flerta com 22 em 2020. A expansão constante do calendário faz Lewis Hamilton, que vê pilotos prejudicados pelo pouco tempo de descanso entre um ano e outro, questionar a permanência no campeonato
Warm Up, de São Paulo / VITOR FAZIO, de Berlim / EVELYN GUIMARÃES, de Interlagos
 Lewis Hamilton (Foto: AFP)

Lewis Hamilton não ficou contente com a ida da Fórmula 1 ao Vietnã em 2020. Não por não gostar do país, mas pela adição de uma nova etapa a um calendário já considerado longo demais pelo britânico. Para o pentacampeão, o alto número de provas virou um problema para a vida dos pilotos e um motivo para repensar a permanência no campeonato nos próximos anos.
 
“Já tenho a sensação de que estamos fazendo 25 corridas esse ano, então não acho que seja uma coisa boa do meu ponto de vista”, disse Hamilton em Interlagos, em entrevista acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO. “Não sei, 18 provavelmente era o melhor número antigamente. Eu amo correr, mas a temporada é longa. É muito comprometimento para todos nós e muito tempo longe da família. As temporadas ficam mais longas e o tempo de férias fica mais curto”, lamentou.
 
Entre 2017 e 2018, os pilotos da F1 tiveram exatos três meses de férias, indo do GP de Abu Dhabi às atividades de pré-temporada em Barcelona. Hamilton considera que o tempo é curto a ponto de prejudicar o planejamento de um piloto para a temporada seguinte.
Lewis Hamilton não aprova um calendário com mais de 20 provas (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Como competidor, tudo que posso falar é sobre mim. Você começa a se preparar para a próxima temporada assim que a atual acaba. Isso é muito difícil. Você precisa achar um jeito de se desligar e se recuperar ao mesmo tempo. Eu provavelmente não vou estar aqui quando chegar a 25, isso é certo”, avisou.
 
A F1 já confirmou que 2019 segue com o mesmo número de corridas de 2018 – 21. Ainda não existe certeza sobre 2020, mas a adição do GP do Vietnã cria a possibilidade real de a F1 realizar 22 corridas, quebrando uma vez mais o recorde de calendário mais longo.

GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ o GP do Brasil de F1 com os repórteres Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Gabriel Curty, Juliana Tesser, Nathalia De Vivo e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe tudo aqui.