Hülkenberg fala sobre Ferrari e deixa “futuro aberto”: “Para ser campeão, é preciso estar em um grande time”

Insatisfeito com o desempenho da Sauber neste começo de temporada, Nico Hülkenberg, ao ser questionado sobre um suposto interesse da Ferrari, disse que seu futuro está em aberto. O jovem alemão falou da primeira frustração na F1, quando foi dispensado da Williams em 2010


Depois de Michael Schumacher e Sebastian Vettel, Nico Hülkenberg é a nova joia do automobilismo alemão na F1. Dono de um talento traduzido por inúmeros títulos nas categorias de base, o jovem de 25 anos tem uma carreira bastante peculiar na categoria até aqui. Em três anos como titular, Nico correu por três equipes diferentes: estreou pela Williams em 2010, cumpriu um ano como reserva da Force India antes de ficar com a vaga de Adrian Sutil em 2012 e, neste ano, corre pela Sauber.

Mas a temporada 2013 tem sido frustrante para Hülkenberg. Isso porque a Sauber, tão promissora com Sergio Pérez e Kamui Kobayashi nos últimos dois anos, caiu muito de rendimento. Tudo o que Nico conquistou agora foram quatro pontos em cinco corridas. Para o alemão, não basta brigar por parcos pontos, mas por vitórias e títulos. Por isso, é fundamental fazer parte de uma equipe competitiva.
Insatisfeito com fase atual da Sauber, Hülkenberg diz que "futuro está aberto"  (Foto: Getty Images)
icon_gp Decadente após 'canto do cisne', Williams se aproxima de pior início de ano
icon_gp Piloto mais regular de 2013, Räikkönen minimiza marca: "Não há mágica"
icon_gp Por menor desgaste, Pirelli prevê corrida com dois pit-stops em Mônaco
icon_gp Toro Rosso deve oficializar Renault como parceira para 2014, diz jornal

Nico concedeu entrevista ao diário espanhol ‘El Confidencial’. Nela, o piloto nascido em Emmerich foi questionado a respeito de um suposto interesse por parte da Ferrari em contar com seus trabalhos em 2014. Hülkenberg procurou desconversar, mas disse que seu “futuro está aberto”.


“Não sei, isso é algo que você tem que perguntar para eles. São os primeiros dias da temporada, quero voltar a ganhar corridas e desafios, e ser campeão algum dia. E para fazer isso, é preciso estar em uma grande equipe. O futuro está aberto e é preciso fazer o melhor possível com o carro que tem em cada fim de semana”, comentou.

De volta ao presente, Hülkenberg revelou estar frustrado com a falta de competitividade do Sauber C32 neste princípio de temporada. “Estamos atrás do que esperávamos e não estamos produzindo os resultados que queríamos quando começamos a temporada. Os pneus requerem muito cuidado. Depende do carro, não apenas do piloto. Você não pode disputar a corrida e acelerar. É preciso gerenciar um pouco essas situações”, lamentou.

Diferente dos dois últimos anos, quando o carro da Sauber era um dos que melhor lidava com o consumo de pneus, o C32 de Hülkenberg e Esteban Gutiérrez tem sofrido com o alto nível de desgaste dos compostos da Pirelli, e isso, na visão de Nico, tem atrapalhado muito suas pretensões de obter bons resultados ao longo de 2013.

Hülkenberg também recordou seu primeiro ano na F1, na Williams, quando teve ao seu lado Rubens Barrichello como companheiro de equipe. Nico fala com carinho do brasileiro, hoje na Stock Car, mas revela um sentimento de tristeza por ter sido dispensado da equipe para dar lugar a Pastor Maldonado e o patrocínio da estatal venezuelana PDVSA. A dispensa, aliás, aconteceu pouco depois da conquista de sua única pole na carreira, no GP do Brasil.

“Aprendi muito, obtive muita experiência. Meu companheiro era Barrichello e aquela temporada ele tinha só 18 anos [de F1]. Era uma situação nova e você tem que se adaptar, comete erros… foi um grande desafio”, relembrou o piloto, que ainda sente por ter sido dispensado daquela forma.

“Não foi bom para mim, foi frustrante. Você faz uma boa temporada e perde a vaga por outros motivos. De qualquer forma, isso já é passado”, garantiu Nico.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube