Hülkenberg pede “trabalho em conjunto” na Renault e minimiza falha no motor: “Não é hora de apontar dedo”

Nico Hülkenberg preferiu manter a paz na Renault e evitou achar culpados pelo abandono duplo no Bahrein. O alemão explicou que é hora do time francês trabalhar em conjunto

A Renault teve um duro golpe na etapa do Bahrein disputada no último domingo (31). Saindo de 17º com Nico Hülkenberg, o time vinha com os dois carros nos pontos, com o alemão em grande forma na sexta colocação. Aí, já no finalzinho, Nico e Daniel Ricciardo abandonaram ao mesmo tempo com problemas no motor. Mesmo muito frustrado, Nico não quis achar culpados.
 
Hülk explicou que o time todo sentiu um duro golpe com o abandono duplo, mas que não é hora de ficar procurando culpados e, sim, trabalhando atrás de soluções.
 
"Foi difícil de engolir. Não só para mim, para todo mundo aqui. É nessas horas que você percebe que a F1 é um esporte coletivo. O pessoal dos motores em Viry e todos nós estamos devastados e para baixo. Só que não faz sentido ficar apontando dedo uma hora dessas, precisamos trabalhar em conjunto e nos ajudarmos", disse.
Nico Hülkenberg não tentou achar culpados na Renault (Foto: Renault)

O alemão falou da briga pela 'F1 B' e reconheceu que a Renault não conseguiu abrir margem para, pelo menos, Haas, McLaren e Alfa Romeo.

 
"Sempre sinto que estamos em um pelotão, é tudo muito apertado. Talvez a Haas possa ser mais rápida, mas varia de pista para pista. A McLaren não parece longe, a Alfa Romeo está no bolo também, então são pequenas coisas que fazem a diferença. Certamente estamos em uma boa posição nessa briga, mas precisamos seguir evoluindo o carro", completou.

Com o abandono duplo que custou nove pontos, a Renault segue com apenas os seis conquistados por Hülkenberg na Austrália.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube