F1

Hülkenberg vê Ricciardo como “sopro de ar fresco”, mas admite que Renault precisa de tempo para evoluir

Nico Hülkenberg avaliou que Daniel Ricciardo por ser um “sopro de ar fresco” e trazer informações da Red Bull. Ainda assim, o germânico acredita que a Renault precisa de tempo para alcançar as três equipes ponteiras da F1
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Nico Hülkenberg (Foto: Renault)
Nico Hülkenberg acredita que Daniel Ricciardo pode ter um impacto positivo na Renault, mas, mesmo assim, defende que a equipe precisa de tempo para alcançar Red Bull, Ferrari e Mercedes.
 
A Renault fechou a temporada 2018 na quarta colocação do Mundial de Construtores, mas com 297 pontos de atraso para a Red Bull, a terceira colocada. A diferença para a campeã Mercedes foi de 533 tentos.
 
Depois de cinco temporadas no time principal rubro-taurino, Ricciardo optou por um desafio diferente e vai formar dupla com Hülkenberg na Renault. 
Nico Hülkenberg avaliou que a Renault vai precisar de tempo para chegar nas equipes ponteiras (Foto: Renault)
“Nós pilotos não somos engenheiros e, certamente, não somos especialistas em aerodinâmica”, disse Hülkenberg em entrevista à publicação alemã ‘Auto Motor und Sport’. “Ele não pode nos dizer como fazer bargeboard. Mas ele pode nos ajudar explicando o que a Red Bull fez em vários sistemas ou no acerto do carro”, seguiu.
 
O germânico acredita, também, que Ricciardo pode ter um efeito na motivação dos integrantes da Renault e ser “um sopro de ar fresco”.
 
“Ele também certamente terá algumas informações da Red Bull para nós, por exemplo, sobre como acertar o carro. Isso com certeza vai ser interessante”, observou. 
 
Por conta da mudança no regulamento aerodinâmico da F1 em 2019, Hülkenberg não acredita que uma revolução total, mas entende que algumas coisas podem mudar com a chegada do novo ano.
 
“Com a nova asa dianteira, ninguém sabe exatamente para onde ir”, declarou Nico. “Não é uma reinicialização completa, é mais um reset leve. Como time de fábrica, deve ser nosso objetivo estarmos mais próximos da frente”, lembrou.
 
“Nas últimas corridas, nos faltou cerca de um ou dois segundos em relação aos times de ponta e nós precisamos pelo menos tentar nos livrar da metade disso”, ponderou. 
 
Mesmo pressionando, Hülkenberg entende que a Renault ainda precisa de mais tempo para entrar na briga com Red Bull, Ferrari e Mercedes.
 
“Também levou tempo para que Ferrari e Red Bull alcançassem a Mercedes. Nós precisamos deste mesmo tempo”, reconheceu. “Hoje ninguém chega a F1 e afasta os outros. Tudo se tornou muito complexo para isso. A primeira coisa é encontrar as pessoas certas. Tudo isso leva tempo”, concluiu.