Impecável, Hamilton conduz Mercedes para quarta vitória em 2014 na China. Massa vive dia tumultuado e é 15º

Lewis Hamilton passeou neste domingo (20) em Xangai. Sem dar qualquer chance aos rivais, o inglês conduziu o W05 #44 de forma absolutamente tranquila à terceira vitória consecutiva em 2014, reduzindo para quatro pontos a diferença que ainda o separa do líder Nico Rosberg, que terminou em segundo. Fernando Alonso completou o pódio. Em meio a muitas atrapalhadas da Williams nos boxes, Felipe Massa cruzou a linha de chegada em 15º

Foi um passeio anunciado, na verdade. Depois de dominar a classificação, Lewis Hamilton foi impecável em Xangai neste domingo (20) e recebeu pela terceira vez consecutiva em 2014 a bandeirada na linha de chegada como vencedor. Também foi a quarta vitória dessa fantástica Mercedes na temporada. Que ainda viu uma nova dobradinha, com Nico Rosberg em segundo. Agora, os prateados lideram o campeonato com folgados 154 pontos. O alemão continua líder, é bem verdade, mas Lewis já vem quatro pontos atrás, na vice-liderança da tabela.

O último lugar do pódio ficou com Fernando Alonso, na estreia do novo chefe de equipe, Marco Mattiacci, que tirou os óculos escuros para entender como a banda toca na garagem vermelha. Foi o primeiro pódio dos italianos neste ano, curiosamente. Daniel Ricciardo foi novamente melhor que o companheiro de Red Bull, Sebastian Vettel, e chegou em quarto, dando um calor no espanhol ferrarista. O tetracampeão completou a lista dos cinco primeiros.

Felipe Massa viveu um dia para esquecer na prova chinesa. O brasileiro bateu em Alonso ainda na largada, depois teve um primeiro pit-stop conturbado na parte inicial da prova. Como desgraça pouca é bobagem, a Williams também conseguiu se atrapalhar na segunda parada, invertendo os pneus traseiros. No fim, Felipe conseguiu cruzar a linha em 15º.

Vencedor na China, Hamilton chega a 25 vitórias na F1 (Foto: Getty Images)
Confira como foi o GP da China de F1 neste domingo

Com exceção de Kevin Magnussen, que saiu com os pneus médios, todo o resto do grid optou pelos pneus macios — a escolha desta vez foi livre por conta da chuva de ontem. E quando as luzes se apagaram em Xangai, o pole Lewis Hamilton saltou bem na frente e contornou até com certa folga a primeira curva. Daniel Ricciardo, que era o segundo no grid, não teve um início tão bom e viu o colega de Red Bull, Sebastian Vettel, assumir a vice-liderança.

Na sequência, dois toques: saindo de quinto, Fernando Alonso passou Ricciardo e, na tentativa de buscar Vettel, foi tocado por Felipe Massa, que saiu muito bem do sexto lugar. O brasileiro, que trazia o carro pelo lado de dentro da reta, para superar Nico Rosberg, acabou batendo do espanhol no meio da reta.

Ainda assim, Alonso conseguiu se colocar em terceiro, à atrás de Hamilton e Vettel. Ricciardo ficou em quarto, à frente de Massa, que aparentemente não teve qualquer problema com a batida no ex-companheiro de Ferrari. Pouco antes, Rosberg e Valtteri Bottas ainda tiveram um encontro na primeira curva 1. O toque foi tão forte que o carro do finlandês chegou a sair do chão.

A largada do GP da China (Foto: Getty Images)

Por causa desse incidente, Nico Hükenberg pulou para sexto, à frente de Rosberg, Bottas, Romain Grosjean e Kimi Räikkonen. Mas aí o alemão da Mercedes tratou de recuperar logo o terreno perdido. Primeiro, Nico passou o xará e compatriota da Force India e, em seguida, superou Massa. Bem mais atrás, Adrian Sutil já trazia sua Sauber de volta aos boxes.

Lá na frente, Hamilton já somava 2s5 de vantagem para Vettel, que tinha um Alonso muito próximo. Ricciardo vinha mais atrás, em quarto, enquanto Rosberg tentava se aproximar dos ponteiros.

Aí coube a Jenson Button abrir a janela de pit-stop. O inglês, que vinha em 13º, trocou para os médios. Duas voltas depois, Grosjean veio aos boxes. No grio seguinte, foi a vez de Massa — mas aí um problema na colocação da roda traseira direita  fez o brasileiro perder muito tempo, voltando à pista apenas na última colocação.

Também na volta 11, a Ferrari chamou Räikkonen. Alonso veio na passagem seguinte, enquanto Vettel esperou mais um giro para parar. Bottas trocou os pneus na 14ª volta.

Entre os ponteiros, então, apenas Hamilton e Ricciardo permaneciam sem paradas. Já Alonso conseguiu o terceiro posto de Sebastian no pit-stop. Na volta 16, o australiano finalmente foi aos boxes da Red Bull, mudando para os médios. Ricciardo, entretanto, acabou perdendo posições e caiu para quinto. A Mercedes, então, chamou Hamilton no giro seguinte. Duas passagens depois, Magnussen se tornou o último cara a visitar os pits. O dinamarquês optou agora pelos macios e retornou em 15º.

Felipe Massa recebeu pressão de Nico Rosberg nas primeiras voltas (Foto: Getty Images)

Assim, após todas as trocas, a ordem da corrida era: Hamilton, Alonso, Vettel, Rosberg, Ricciardo, Hülkenberg, Bottas, Raikkonen, Grosjean e Pérez. Massa era apenas o 20º.

Enquanto o britânico da Mercedes abria caminho na ponta, com uma vantagem de 4s5 para Alonso, Vettel tentava escapar de Rosberg, que vinha com muita sede em quarto, tirando meio segundo a cada volta. Muito rápido também, Ricciardo se aproximava dos dois da frente.

E não demorou para o líder do campeonato iniciar o ataque para cima do tetracampeão. A disputa durou quase duas voltas. Vettel tentou ainda oferecer alguma resistência, mas Rosberg soube usar toda a força da Mercedes para deixar para trás o piloto da Red Bull.

Mas Seb não tinha paz. Logo depois da briga com o filho de Keke, Vettel teve de lidar com a perigosa aproximação do companheiro de equipe, que já andava mais de 1s mais rápido. E a ordem dos atuais campeões era para deixar o australiano passar. O alemão não gostou e questionou a equipe, tentou lutar, mas não teve jeito. A maior velocidade de Ricciardo e um pequeno erro do germânico contribuíram para a ultrapassagem.

No top-3, Hamilton seguia tranquilo na liderança, com 12 segundos de diferença para Alonso. O espanhol da Ferrari, entretanto, tentava neste momento se manter à frente de Rosberg, que vinha já tirando entre meio e 1s por volta.

Aí na 28ª volta, Esteban Gutérrez, que vinha em 15º depois de uma dura batalha contra Magnussen, foi o primeiro a voltar aos boxes. Nesse tempo, Grosjean também se dirigia aos pits, depois de escapar na pista. Era fim de corrida para o francês, dando continuidade ao calvário da Lotus em 2014.

Button veio aos boxes na passagem 29. Uma volta depois foi a vez de Pérez. Depois, Hülkenberg e Bottas também pararam. Räikkönen veio na sequência. Os três últimos mudaram para os médios.

Fernando Alonso à frente de Daniel Ricciardo, Felipe Massa e Nico Rosberg (Foto: Getty Images)

Aí Alonso foi chamado pela Ferrari na volta 34. E retornou com os pneus de risca branca e na quinta posição. Vettel veio na seguinte. E também optou pelos médios novamente. O giro 38 marcou a parada de Rosberg e de Ricciardo. O líder Hamilton parou na 39ª passagem. O trio mudou para os pneus de risca branca também.

Com a segunda janela de pit-stops finalizada, Hamilton continuava líder, com uma vantagem confortável de 12s para Alonso. Rosberg vinha em terceiro e já virando entre meio e 1s mais veloz que o espanhol. Ricciardo, Vettel, Hülkenberg, Bottas, Räikkönen, Pérez e Kvyat completavam os dez primeiros. Massa vinha em 16º, mas sem uma segunda parada ainda.

 

E a anunciada ultrapassagem de Rosberg em Alonso aconteceu finalmente na volta 43. Fernando ainda teria de lidar com um rápido Ricciardo. Enquanto isso, Felipe vivia novo drama nos boxes. Durante o pit-stop, a Williams, inacreditavelmente, inverteu os pneus traseiros, precisou trocar novamente, o que fez Massa perder longos 50s. Não é preciso dizer que o brasileiro voltou no fundo pelotão.

Sem nada que ter com isso, Hamilton caminhava tranquilamente para a vitória. Cuidadoso na parte final da corrida, o inglês cruzou a linha chegada com mais de 18s de vantagem para Nico Rosberg, que teve de remar até o segundo posto, depois de um início tumultuado.

Já Alonso conseguiu controlar a aproximação de Ricciardo e foi premiado com o primeiro pódio do ano. O australiano garantiu o quarto lugar, novamente à frente de Vettel. Hülkenberg, Bottas, Räikkönen, Pérez e Kvyat completaram os dez primeiros. Massa ainda cruzou em 15º.

Hamilton e Rosberg no pódio (Foto: Getty Images)

Pouco depois do fim da prova, contudo, a FIA anunciou que por conta de um erro do responsável por agitar a bandeira quadriculada, o resultado final que valia era a classificação registrada na 54ª volta do total de 56. O rapaz se confundiu e encerrou a prova dois giros antes do programado, o que inclusive confundiu o vencedor Hamilton. Mas nada mudou: só Kobayashi perdeu o 17º lugar para Bianchi.

A próxima corrida da F1 acontece em três semanas, em Barcelona, na Espanha.

F1 2014, GP da China, Xangai, final:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:33:28.338 54 voltas
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +18.062  
3 14 FERNANDO ALONSO ESP FERRARI +23.604  
4 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT +27.136  
5 1 SEBASTIAN VETTEL ALE RED BULL RENAULT +47.778  
6 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +54.295  
7 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +55.697  
8 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +1:16.335  
9 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +1:22.647  
10 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO RENAULT +1 volta  
11 22 JENSON BUTTON ING McLAREN MERCEDES +1 volta  
12 25 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TORO ROSSO RENAULT +1 volta  
13 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN McLAREN MERCEDES +1 volta  
14 13 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS RENAULT +1 volta  
15 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +1 volta  
16 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX SAUBER FERRARI +1 volta  
17 17 JULES BIANCHI FRA MARUSSIA FERRARI +1 volta  
18 10 KAMUI KOBAYASHI JAP CATERHAM RENAULT +1 volta  
19 4 MAX CHILTON ING MARUSSIA FERRARI +2 voltas  
20 9 MARCUS ERICSSON SUE CATERHAM RENAULT +2 voltas  
  8 ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS RENAULT 28 voltas NC
  99 ADRIAN SUTIL ALE SAUBER FERRARI 5 voltas NC

Vá a Mônaco e acompanhe o GP mais tradicional do Mundial da F1 com o GRANDE PRÊMIO por um PREÇO ESPECIAL. Mas corra: as vagas estão acabando! Veja aqui:

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube