F1

“Impressão de que nunca foi embora”: Kvyat recebe nova chance na Toro Rosso com familiaridade como trunfo

Passou-se um ano entre a demissão de Daniil Kvyat em 2017 e a recontratação em 2019. Novamente na Toro Rosso, o russo ganha votos de confiança: tanto o diretor-técnico Jody Egginton quanto o chefe Franz Tost confiam no “grande talento” de Daniil

Grande Prêmio, de Barcelona / VITOR FAZIO, de Barcelona
Daniil Kvyat dá os primeiros passos no terceiro ciclo como piloto da Toro Rosso na Fórmula 1. O russo, demitido ao fim de 2017 e recontratado para a temporada 2019, ganha uma nova chance de mostrar amadurecimento e capacidade de se manter na categoria ao longo prazo. Para isso, Kvyat tem um trunfo: conhecer a equipe de Faenza tão bem que já nem parece que houve um hiato na relação em 2018.
 
A proximidade de Kvyat com a Toro Rosso se prova útil na já pré-temporada. Familiarizado com mecânicos e engenheiros, o russo teve vida facilitada em Barcelona, chegando inclusive a liderar o terceiro dia de atividades.
 
“A impressão é de que o Daniil [Kvyat] nunca foi embora”, resumiu Jody Egginton, diretor-técnico da Toro Rosso, em entrevista acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO. “Ele está familiarizado, ele conhece o pessoal. O feedback dele está sendo muito útil porque ele consegue ser claro sobre o que sente no carro. Ele está muito motivado, fazendo um grande trabalho, e é bom tê-lo após as experiências passadas, nós somos muito gratos pelo esforço. Ele também está trabalhando muito bem com o Alex [Albon]. É um prazer e uma grande ajuda”, seguiu.
Daniil Kvyat (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
“Ele passou muito tempo no simulador com a Ferrari e eu acho que isso beneficia o piloto quando ele está fora [do grid]. São novas experiências, novos pontos de vista e acho que ele também teve tempo para pensar em algumas coisas. Agora ele voltou e está focado e dedicado. São coisas boas sobre o Daniil, seu talento fantástico e seu foco em fazer um bom trabalho agora. No momento estamos felizes. Nós deixamos nossas expectativas bem claras para ele, ele deixou claras suas expectativas com a gente. Nós o conhecemos, mas também um recomeço, o que é bom”, seguiu.
 
Mesmo que Kvyat tenha sido demitido ao fim de 2017, consequência de um ano de resultados fracos, a cúpula da Toro Rosso nunca duvidou do talento. Franz Tost, chefe da equipe italiana, pensa que Daniil foi vítima da decisão apressada de ir à Red Bull, de onde seria demitido pouco mais de um ano depois.
 
“Todos sabem que o Kvyat é um piloto de grande talento. Ele já nos mostrou isso no passado”, apontou Tost. “Ele foi campeão da GP3 e em 2014 correu seu primeiro ano [na F1] com a gente. Ele mostrou velocidade, subiu para a Red Bull, e acho que tudo aconteceu rápido demais. Ele voltou para cá e nós tínhamos alguns problemas com o carro naqueles dias. Não éramos muito competitivos. Depois ele passou um ano no simulador da Ferrari, onde ele conseguiu amadurecer. Agora ele está de volta. Nós o conhecemos de tempos passados e ele vai fazer um bom trabalho. Se o carro andar bem, conforme esperamos, ele vai fazer um bom trabalho”, encerrou.

GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ a pré-temporada da F1 em Barcelona com os repórteres Evelyn Guimarães, Vitor Fazio, Eric Calduch e o fotógrafo Xavi Bonilla. Acompanhe tudo aqui.