Ineos entra no jogo, banca parte do salário e aproxima Hamilton de acordo com Mercedes

Nova acionista e detentora de 33,3% da equipe heptacampeã mundial, a gigante petroquímica britânica exerce papel decisivo para Lewis Hamilton permanecer na Mercedes ao bancar boa parte do salário exigido pelo maior vencedor e campeão da F1. A informação é do diário italiano Corriere della Sera

A novela em torno da renovação de contrato de Lewis Hamilton com a Mercedes está muito perto de um final feliz para as duas partes. Mas para que o desfecho seja a continuidade da aliança mais vitoriosa da história da Fórmula 1 foi preciso que a Ineos, patrocinadora da escuderia de Brackley desde o ano passado e nova acionista, sendo dona de 33,3% da equipe, entrasse na jogada para atender às exigências salariais de Hamilton e ajudar a bancar parte do que é pedido pelo heptacampeão para assinar um novo vínculo. Quem informa é o jornal italiano Corriere della Sera.

De acordo com a publicação, Hamilton não abre mão de receber € 45 milhões (R$ 293,7 milhões). A quantia informada pelo diário italiano é um pouco maior que a informação trazida pelo periódico britânico Express, que dá conta de € 40 milhões (R$ 261,1 milhões) pedidos pelo britânico para colocar a assinatura no novo contrato.

LEWIS HAMILTON; GP DA BÉLGICA; PANTERA NEGRA;
Com a ajuda decisiva da Ineos, só falta Hamilton e Mercedes assinarem o novo contrato (Foto: LAT/Mercedes)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Ocorre que a Daimler, empresa-mãe da Mercedes, não concorda em pagar o valor exigido por Hamilton na sua totalidade, uma vez que a matriz não deseja manter os custos elevados em tempos de incerteza econômica e de um panorama ainda bastante crítico para o mercado automobilístico. Por isso, a companhia presidida por Ola Kallenius tem como opção mais barata George Russell, que impressionou a todos pela sua performance no GP de Sakhir, realizado no primeiro domingo de dezembro, em prova que o prodígio de 22 anos substituiu Lewis — que se recuperava após ter testado positivo para a Covid-19 — e quase venceu.

Só que a Ineos, nova acionista da Mercedes, não está disposta a deixar ir embora aquele que se tornou o piloto mais importante da história da Fórmula 1.

Pouco conhecida por aqui e com baixa influência na Fórmula 1, a Ineos é uma das maiores companhias multinacionais da Europa. Fundada por Jim Ratcliffe, o homem mais rico do Reino Unido — com fortuna estimada em R$ 112 bilhões —, em 1998, a empresa atua na área de produtos químicos, petroquímicos, gases e plásticos. O faturamento anual é de aproximadamente R$ 434 bilhões. Dinheiro, portanto, não é um problema.

Nascido em 1952 na cidade de Failsworth, na Inglaterra, Ratcliffe é formado em Engenharia Química na Universidade de Birmingham. Após ser cofundador da INSPEC, importante banco de dados de literatura científica e técnica do Reino Unido, criou a Ineos em 1998. A companhia começou de maneira modesta, comprando operações indesejadas de outras empresas, como ICI e BP.

Apesar de já ter competido na Maratona de Londres no passado, o apoio de Ratcliffe e da Ineos no esporte é recente. Em 2017, o primeiro movimento, ao tornar-se dono do clube suíço FC Lausanne-Sport, que disputa a primeira divisão local. No ano seguinte, o bilionário juntou-se ao velejador Ben Ainslie, dono de quatro medalhas olímpicas de ouro e uma de prata, para disputar a 36ª edição da America’s Cup, famosa regata do iatismo que acontece apenas em 2021 — informações dão conta que Ratcliffe investiu R$ 744 milhões no projeto.

Automóveis não são novidade na vida do bilionário britânico. Em 2017, Ratcliffe comprou uma fábrica inteira da Mercedes e a transformou na Ineos Automotive que foi lançada para criação e fabricação de veículos utilitários off-road e SUV, gerando cerca de 1.300 empregos. O projeto do carro, intitulado Grenadier, ainda está em andamento e tem data prevista de lançamento para 2021.

Com todas as estrelas alinhadas, leia-se, tudo acertado sobre o aspecto financeiro, só falta mesmo o anúncio oficial da renovação de contrato, diz o Corriere della Sera. Prenúncio do desfecho de uma história que vem se arrastando há muitos meses, mas que caminha mesmo para um final feliz.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube