F1

Insatisfeita, Williams considera romper com Kubica e trazer Latifi para sequência da temporada

Segundo reportagem do jornal canadense 'Journal de Montréal', Williams está insatisfeita com desempenho recente e teme que Robert Kubica não conseguirá fazer as curvas no apertado circuito de rua de Mônaco. Testes coletivos em Barcelona serão, desta forma, fundamentais para o time definir a entrada de Nicholas Latifi como piloto titular

Grande Prêmio / Redação GP, de Campinas
A saga de Robert Kubica na Williams é uma enorme interrogação. O time de Grove está próximo de trocar o polonês pelo canadense Nicholas Latifi, líder da temporada da Fórmula 2, no cargo de piloto titular. Os motivos são o fraco desempenho de Kubica e um temor com relação ao Principado de Mônaco.

A informação é do jornal canadense 'Journal de Montréal', segundo a qual o fraco desempenho de Kubica até aqui, superado em todas as corridas pelo companheiro de equipe George Russell, é o motivo principal da troca. Por conta de seus movimentos limitados na mão direita, sequela do acidente de rali que sofreu em 2011, o time ainda tem dúvidas se o polonês conseguirá fazer as curvas no apertado circuito de Mônaco, já que o piloto sofreu um acidente durante a classificação do GP do Azerbaijão, outro circuito de rua.
Kubica bateu na entrada da curva do castelo no Azerbaijão (Foto: AFP)
O jornal também informou que o contrato do piloto tem uma cláusula que permite a substituição no meio da temporada. Destaque da F2 e reserva da Williams, Latifi surge como a opção. O canadense participa dos dois dias de testes coletivos da Fórmula 1 em Barcelona com o time inglês, ao contrário das outras equipes, que colocarão reservas apenas em um dia.
 
Um empecilho para a chegada de Latifi na Williams é a questão da superlicença, já que ele ainda não somou pontos suficientes e precisaria ficar entre os cinco primeiros da classificação da F2 ao final do campeonato para ser credenciado. Os testes de Barcelona, no entanto, serão determinantes para o time acelerar o processo junto à FIA.
 
Com 34 anos, Kubica estreou na Fórmula 1 em 2006, pela equipe BMW-Sauber. Ele registrou sua única vitória na categoria em 2008, no GP do Canadá, e se transferiu para a Renault em 2010. O polonês sofreu um grave acidente no Rali Ronde di Andorra, no começo do ano, e acabou sem condições de guiar um F1 por anos, até buscar o retorno e receber nova chance em 2019.
 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.