F1
31/05/2016 15:46

Irritado, Nasr justifica decisão de ignorar ordem da Sauber e ataca Ericsson: “Ele não obedece ordens”

Felipe Nasr e Marcus Ericsson não se bicavam muito antes, mas depois do GP de Mônaco os dois pilotos da vacilante Sauber entraram numa guerra declarada. Ericsson assumiu culpa pela batida, mas reclamou da desobediência de Nasr; Nasr defendeu a decisão de não obedecer a equipe e atacou Ericsson por fazer o mesmo
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Incidente entre Nasr e Ericsson (Foto: Reprodução/Twitter)

O clima na Sauber é terrível no momento. Não bastasse toda a crise financeira, a dificuldade para pagar salários e o futuro indefinido, agora os dois pilotos declararam uma guerra que estava pronta para ser iniciada. A batida na Rascasse quando Marcus Ericsson tentava passar Felipe Nasr foi apenas o estopim necessário.
 
Nasr está muito insatisfeito. Depois da corrida, dissera que não tinha o que conversar com Ericsson, mas agora reforçou o que pensa. Fez a mesma coisa que Ericsson fez com ele ano passado. Embora a declaração deixe, sim, um ar de revanche, Felipe jura que tinha ritmo suficiente para não precisar ceder posição.
 
"A equipe podia ver todos os dados, ver que meus pneus estava frios, que tinha problema com o motor. Uma vez que tudo foi resolvido, estava claro, eu tinha ritmo. Não havia qualquer razão para trocar posições no momento. Me deixaram uma mensagem, mas senti que não era o momento adequado", disse.
 
"Vemos colocar desta forma: ano passado houve duas oportunidades em que Marcus recebeu a ordem de trocar posições comigo e não obedeceu. Precisamos ter confiança na equipe para acreditar que, quando uma ordem assim chega, vai ser executada. Duas vezes Marcus ignorou. A confiança que tenho é que ele não obedece às ordens. Deveriam falar com Marcus enquanto equipe da qual todos deveríamos ser membros", seguiu.
Felipe Nasr não está exatamente feliz (Foto: Sauber)
De seu lado, Ericsson até assumiu a culpa pela batida, embora discretamente, mas não parou de atacar. Falou que se o companheiro atendesse prontamente a equipe, nada disso teria acontecido.
 
"Eu tirava três ou quatro segundos por volta. Fiquei preso atrás dele e chamei a equipe para saber o que fazer, me disseram que trocaríamos posições. Me falaram isso por sete ou oito voltas, mas não aconteceu. Ao passo que eu disse que teria de fazer por mim mesmo. Meu engenheiro deu luz verde para fazer a manobra, e tentei mergulhar na curva que tinha passado Valtteri Bottas antes", contou. 
 
"Estava perto e quase consegui, pensei que era um bom lugar. Tentei colocar o carro na frente, mas o resultado foi diferente de com Bottas. Poderia ter sido evitado se as ordens fossem obedecidas", alfinetou.
 
Pela batida, o sueco foi punido com a perda de três posições no grid do GP do Canadá. De qualquer jeito, a Sauber saiu do Principado sem pontos. Aliás, o time suíço ainda não tem qualquer tento na temporada 2016. 
 
PADDOCK GP #30 DEBATE INDY, F-E E MOTOGP