F1

Jean Todt vê F1 ainda como “divisão principal” e nega preferência à Fórmula E: “Toda categoria é importante”

Presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Jean Todt rebateu as criticas de Bernie Ecclestone e defendeu que a F1 segue sendo a divisão principal do esporte a motor. Dirigente negou favoritismo à Fórmula E e ressaltou que todas as categorias são importantes

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Jean Todt não engoliu calado as criticas de Bernie Ecclestone. Depois de ex-dirigente da Fórmula 1 se dizer preocupado com o aumento da popularidade da Fórmula E, o presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) negou favoritismo à série elétrica e ressaltou que a categoria que tem Lewis Hamilton como pentacampeão segue sendo a “divisão principal do esporte a motor”.
 
“Eu não respondo a esse tipo de provocação”, disse Todt à publicação alemã ‘Auto Bild’. “Meu sonho sempre foi levar a F1 para Paris. Fizemos isso com a FE”, seguiu.
 
O dirigente, no entanto, acredita que as duas séries não devem ser compradas. Todt defendeu, também, que a F1 segue sendo a divisão principal do esporte.
Jean Todt negou favoritismo com a Fórmula E (Foto: Michelin)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #15: Você manja mais de Fórmula 1 do que Flavio Gomes?



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

“A F1 não é mais um bebê. É um adulto de 70 anos. Então temos de ver que transferimos o que aprendemos com a F1 para outras categorias, como a FE”, apontou. “Nós queremos prevenir o tipo de domínio que vemos na F1 e também reduzir os custos, porque sentimos que a F1 é muito cara”, seguiu.
 
“Mas a F1 é e segue sendo a divisão principal do esporte a motor”, defendeu.
 
Jean, no entanto, também tratou de rebater os comentários de Ecclestone: “Claro, temos de ficar focados na F1 conforme melhoramos as corridas”, disse.
 
“Para mim, como presidente da FIA, toda categoria é importante. Não tenho favoritas. Elas são diferentes e eu gosto de todos eles”, garantiu. 
 
O dirigente respondeu, também, as alegações de que a Fórmula E é a série do futuro, já que permite que as montadoras desenvolvam tecnologias.
 
“A F1 também conta com unidades de potência de última geração. Nós temos carros híbridos cujos motores já são fascinantes. Eles têm cerca de 50% de eficiência térmica”, apontou. “Temos de falar muito mais disso”, defendeu.
 
“Nós estamos sempre trabalhando no que vier a seguir. Nós também precisamos de uma visão para a F1”, concluiu.


 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.