F1

Jovem, Leclerc mostra que aprende rápido com erros e já supera Vettel na Ferrari

Pouco a pouco, Charles Leclerc vai conquistando o coração dos tifosi e marcando terreno dentro da Ferrari. Com uma postura proativa e aguerrida, o monegasco prova que foi a escolha certa para a escuderia de Maranello brilhar no futuro. As últimas semanas mostraram o quanto o jovem aprendeu com os erros em pouco tempo para se colocar como um piloto cada vez melhor e mais maduro

Grande Prêmio / FERNANDO SILVA, de Sumaré
30 de junho. Charles Leclerc larga na pole do GP da Áustria e lidera praticamente de ponta a ponta, dando a pinta de que partiria para sua primeira vitória na Fórmula 1. Mas o monegasco, assim como todo o mundo da F1, foi surpreendido por um inacreditável Max Verstappen, que veio com ritmo alucinante com pneus duros, tentou a ultrapassagem na volta 68 e conseguiu um giro depois. A manobra definitiva e polêmica aconteceu na curva 3, com o holandês dividindo a pista roda a roda com Leclerc. O incidente foi posto sob investigação por parte dos comissários que, após três horas de indefinição, mantiveram o resultado e a grandiosa vitória de Max.
 
14 de julho. Duas semanas depois do grande duelo que Leclerc e Verstappen travaram no Red Bull Ring e que remeteu à antiga rivalidade dos tempos de kart, os pilotos voltaram a disputar posição ferozmente. No GP da Inglaterra, as jovens estrelas da Fórmula 1 deram um espetáculo com disputas de tirar o fôlego. Só que Charles aprendeu com a lição da Áustria, lutou de forma dura, mas leal, e não foi superado pelo holandês, por mais que Max tentasse.
 
No fim das contas, o monegasco acabou sendo beneficiado pela lambança de Sebastian Vettel, que acertou a Red Bull de Verstappen quando os dois lutavam pelo quinto lugar na volta 37, e seguiu firme para a conquista do seu quinto pódio no ano, número superior ao do seu companheiro de equipe. Em baixa há tempos, Vettel tem um total de quatro troféus em 2019.
Em Silverstone, Charles Leclerc jogou duro e não deu espaço para Max Verstappen (Foto: AFP)
Cada vez mais, Leclerc vai mostrando que, mesmo sendo bastante jovem e no seu primeiro ano em uma equipe tão poderosa e que exerce tamanha pressão como a Ferrari, aprende fácil e rápido a cada revés, reage e volta ainda melhor. Mesmo no ano passado, quando ainda estava sendo preparado para ser o piloto do futuro de Maranello, o jovem reagiu bem às adversidades e seguiu em frente, provando ter uma grande força mental.

Em 2019, com apenas dez corridas já disputadas pela Ferrari, os exemplos de como Leclerc aprendeu em meio a situações complicadas são muitos. Na prova inaugural do campeonato, na Austrália, conseguiu o feito de andar à frente de Vettel durante boa parte da corrida, mas teve de acatar uma ordem vinda do pit-wall para deixar o alemão passar. Duas semanas depois, no Bahrein, Charles era o dono do fim de semana, mas antes de consolidar a atuação espetacular, teve de ouvir uma nova ordem, mas reagiu de forma diferente. "Estou mais rápido, pessoal", e não permitiu a passagem de Seb. Leclerc partiu para a glória em Sakhir, que só não veio por conta de uma perda de potência no motor. Humilde, o piloto falou: "É só meu segundo ano, há muito o que melhorar".

O monegasco teve de lidar com mais ordens controversas do pit-wall nos GPs da China e da Espanha. Em Xangai, depois de ouvir dos boxes o chamado para abrir passagem para Vettel, Charles, profundamente decepcionado, disparou: "No futuro, vamos vem quem é o dono da equipe". Um mês depois, em Barcelona, a Ferrari errou novamente na estratégia de pneus do seu jovem pupilo e ainda ouviu do rádio mais uma ordem para deixar Seb passar. Apesar da irritação natural, Leclerc preferiu não entrar em polêmica e isentou a Ferrari daquela vez.
Verstappen travou batalha com Leclerc para vencer o GP da Áustria (Foto: Reprodução)
Jovem e como enorme potencial para destravar, o dono do carro #16 sabe que é o nome para o futuro da Ferrari e entende que é melhor trazer a equipe para si, ainda mais levando em consideração a má fase que há tempos assombra Vettel. Corrida após corrida, Charles parece mais confiante nas pistas. E confiança, ou a falta dela, é meio caminho andado para o sucesso ou o fracasso em um esporte de alto rendimento como é a F1.
 
O amadurecimento, seja nas pistas ou na vida, vem muito mais na esteira de erros do que de acertos, e é assim que Charles cresce e se torna um piloto melhor e mais maduro a cada fim de semana de corrida.
 
A postura apresentada por Leclerc na pista de Silverstone, desde o início do fim de semana, mostrou um piloto muito mordido por tudo o que aconteceu. Charles estava com sede vingança, andou na frente nos treinos livres, ficou muito perto da pole-position no sábado e largou lado a lado com Verstappen. Só que o piloto da Ferrari estava decidido a não deixar Max passar de jeito nenhum.
 
É importante salientar que o posicionamento mais liberal por parte da direção de prova em termos de disputas de pista ajudou a encorajar Leclerc a ser tão duro e agressivo quanto Verstappen foi com ele duas semanas atrás. A filosofia de ‘libera geral’ — ou quase isso — da FIA é salutar para o esporte, tira as amarras e faz com que não apenas a F1 seja um esporte melhor, como também os pilotos possam mostrar de maneira mais ampla seu real potencial e capacidad3e de lutar e defender suas posições na pista.
Leclerc amadurece a cada fim de semana e mostra que é grande acerto em ano ruim da Ferrari (Foto: Ferrari)
“Não é nada pessoal, mas depois da Áustria disse que, se os comissários nos permitem correr desta maneira, então estou mais do que feliz em correr desta forma. É o que fiz no fim de semana”, declarou Leclerc ao site norte-americano ‘Motorsport.com’ pouco depois da corrida em Silverstone, descartando qualquer tipo de rixa com Verstappen.
 
“De modo que não houve nada especial. Simplesmente corri mais duro que o normal porque senti que nas duas últimas corridas, ou talvez um pouco antes, a F1 quer batalhas duras, e acho que nós, pilotos, estamos pressionando por isso. É por isso que gostamos mais de competir assim, e foi o que eu fiz”, explicou o piloto, feliz pela forma como atuou em Silverstone.
 
“Curti muito essa briga. Definitivamente foi a corrida mais divertida que tive desde que comecei na F1. Foi uma corrida que curti muito, foi muito dura. Estive sempre no limite, mas dentro das regras”, complementou.
 
Diante de um Vettel em decadência, Leclerc aprende rápido com os erros e já ocupa o coração dos apaixonados tifosi com uma postura proativa e aguerrida, que vem sendo bem diferente do seu companheiro de equipe. Não à toa, o monegasco já é defendido por boa parte da exigente imprensa italiana como o merecedor do posto de primeiro piloto e como o homem que deve ser eleito para ter a prioridade para lutar por vitórias e títulos. 
 
Ainda é muito cedo, Leclerc tem uma carreira inteira pela frente, mas prova a cada corrida que foi a escolha certa da Ferrari para o presente, de aprendizado e crescimento constante, e para um futuro que tem tudo para ser glorioso.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.