F1

Kubica diz que sabe apenas 20% do que deveria para GP da Austrália e lamenta: “Não há como mudar isso”

A situação da Williams é claramente difícil, e o potencial de última colocação no GP da Austrália é gigante. E Robert Kubica sabe disso: a ponto de afirmar que vai para sua reestreia na F1 sem saber quase nada do que precisava do seu novo carro

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Quem vai vencer o GP da Austrália, no dia 17 de março? Quem vai ao pódio? E como vai estar o meio do grid? Perguntas que são difíceis de responder, já que a pré-temporada da F1 não deu grandes indicativos. Mas há uma questão bem fácil de ser acertada: a sobre as duas últimas posições do grid.

Estas, tirando um 'milagre', serão da Williams. Do atraso para chegar a Barcelona até a falta de peças, a equipe tem sofrido fora da pista e, dentro, anotou tempos muito abaixo das adversárias.

Robert Kubica sabe disso. E o polonês não escondeu a insatisfação durante os testes na Espanha. Agora, com a corrida em Melbourne como o próximo passo, ele assume que se sente longe de estar pronto.
Robert Kubica (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
"Irei para minha primeira corrida em oito anos sem ter uma preparação ideal, será difícil. Mas essa é a situação e não há como mudá-la, então tenho de ter a certeza de que estamos fazendo tudo que podemos para me ajudar", declarou Kubica.

"Provavelmente eu sei 20% das coisas que deveria saber antes de ir para a Austrália. O resto é desconhecido", apostou o polonês.

Ele também lamentou não ter dado mais do que "15 voltas" nos long-runs durante a pré-temporada, então assume que a realidade é que esse número "era o máximo que podíamos dar".

"Minha última ida real à pista foi na quarta-feira. Foi quando o carro fez coisas com as quais fiquei surpreso positivamente", finalizou o pessimista Kubica.