F1

Lauda chegou a andar em carro de F1 atual para provar que até macaco conseguia. Acabou rodando duas vezes

No início dos anos 2000, Niki Lauda era um forte crítico da tecnologia da F1 e dos carros ‘fáceis de guiar’. Por isso, o então chefe da Jaguar pegou o monoposto de Pedro de la Rosa para dar algumas voltas no circuito de Valência. Não deu muito certo

Grande Prêmio / RENAN DO COUTO, de São Paulo / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
“Eu disse que qualquer macaco pode pilotar um carro moderno da F1, então eu acho que ‘macaco diz, macaco, faz’”. A frase é de Niki Lauda, nos primeiros dias de 2002, anunciando que testaria o carro da Jaguar em Valência no dia 13 de janeiro daquele ano.
 
O tricampeão, então chefe da equipe, era um feroz crítico dos carros do começo do milênio. Dizia que os recursos eletrônicos, principalmente o controle de tração, os tornavam fáceis demais. E já que ele podia se colocar no cockpit para provar, por que não? (Ainda que o discurso fosse um pouco diferente).
 
Mas a experiência não deu muito certo. Aos 52 anos, Lauda rodou duas vezes em três voltas e foi guinchado de volta aos boxes.
 
 
“A minha intenção era entender a tecnologia. Controle de largada, tração e comportamento do motor. Descobri tudo o que eu queria saber. Muito diferente em comparação ao meu tempo. Agora você mantém as duas mãos no volante!”, comentou o austríaco.
 
A culpa para as rodadas foi do titular Pedro de la Rosa. “Ele me disse onde pisar no freio, e eu fui corajoso o bastante para tentar. Os engenheiros me disseram que entrei na curva tão rápido quanto o Pedro, a diferença é que eu não contornei!”, afirmou.
Niki Lauda como chefe de equipe (Foto: Reprodução/Jaguar)

“O controle de largada foi inacreditável. Sim, eu disse que qualquer macaco pode pilotar um carro atual, mas eu estou simplesmente comparando ao que havia 17 anos atrás. Naquele tempo, você tinha câmbio manual, embreagem normal, nada de anti-stall, e tinha que cuidar para as rodas não patinarem na largada. Hoje em dia é muito mais fácil.”
 
Lauda morreu na noite da última segunda-feira (20). A saúde do austríaco se complicou em agosto de 2018, quando Lauda precisou passar por um transplante de pulmão, em Viena. Mesmo em estado considerado muito grave, evoluiu seu quadro e, três meses mais tarde, teve alta do hospital e iniciou intensiva reabilitação, mas com muitas restrições pela situação delicada. O mundo do esporte tem se manifestado desde então.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.