F1

Lauda e Wolff criticam Brawn por ter privilegiado Hamilton contra Rosberg no GP da Malásia

Para Niki Lauda e Toto Wolff, presidente não-executivo e diretor-esportivo, respectivamente, Ross Brawn falhou ao não permitir uma disputa justa entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg no GP da Malásia: “Do ponto de vista esportivo, isso foi errado”, criticou o tricampeão do mundo

Warm Up / Redação GP, de Sumaré

Opinião GP: desonesto com Webber, Vettel põe caráter em xeque 

Se o ambiente é de tensão pelos lados da Red Bull, a Mercedes também não vive em clima de harmonia completa após o polêmico desfecho do GP da Malásia, prova disputada no último domingo (24), em Sepang. Lewis Hamilton vinha em terceiro, mas tinha carro mais lento em relação ao seu companheiro de equipe, Nico Rosberg, quarto colocado. Mesmo assim, Ross Brawn, chefe de equipe, privilegiou Lewis e impediu uma disputa direta pelo pódio, que acabou ficando com o britânico.

A decisão de Brawn causou desconforto entre os pilotos e também na cúpula da Mercedes. Lewis disse que Nico merecia estar no pódio em Sepang, enquanto o alemão foi mais político e disse que a decisão de Brawn foi “totalmente compreensível”. Mas Toto Wolff e Niki Lauda, diretor-esportivo e presidente não-executivo, respectivamente, discordaram frontalmente da preferência dada por Ross ao compatriota Hamilton.

Brawn não permitiu uma briga direta entre Rosberg e Hamilton pelo pódio em Sepang (Foto: Mercedes)

As informações do GP da Malásia em tempo real
A classificação do Mundial de Pilotos
A classificação do Mundial de Construtores
As imagens deste domingo na Malásia

“Do ponto de vista esportivo, isso foi errado”, disparou Lauda durante entrevista à emissora alemã RTL. “Ele tinha de ter deixado [Rosberg] passar. Precisamos falar com Ross, se esta é a estratégia que será seguida de agora em diante”, disse o tricampeão do mundo.

Wolff partilhou da opinião de Lauda a respeito da postura de Brawn durante o GP da Malásia. “Partindo de um ponto de vista esportivo, não é isso o que queremos ver”, comentou o dirigente, que, a partir de abril, também vai assumir a função de diretor-executivo, ficando ainda mais poderoso dentro da Mercedes.

A imprensa europeia especula que o episódio deixou Brawn mais fraco na Mercedes. Além da insatisfação pública de Wolff e Lauda, Ross tem contra si a chegada, no fim do ano, de Paddy Lowe, ex-diretor-técnico da McLaren. Segundo rumores do paddock da F1, o engenheiro britânico pode assumir o lugar de Brawn como chefe de equipe em 2014.

Mesmo tendo evitado entrar em conflito com o chefe, Rosberg estava nitidamente incomodado com a situação e negou a afirmação de Brawn, que disse que o piloto tinha de reduzir seu ritmo para chegar ao fim da prova em quarto, sem atacar Hamilton.

“Não precisava economizar combustível. Estava tudo bem. Vou me sentar com Ross para pensar bem se foi realmente uma decisão correta”, disse o alemão, que entende não haver, pelo menos no momento, um piloto #1 na Mercedes. “Posso entender que este episódio tenha deixado esta impressão, mas estou certo que, se estivesse à frente, eles tomariam a mesma decisão”, encerrou.