Lauda fala em “trauma de Cingapura” e prevê jornada complicada para Mercedes no GP da Rússia

Presidente não-executivo da Mercedes, Niki Lauda acompanhou o discurso de Paddy Lowe e se mostrou preocupado com o desempenho no próximo fim de semana no Parque Olímpico muito em razão das características do asfalto do circuito de Sochi. Segundo o austríaco, são parecidas com os do piso de Marina Bay, onde a Mercedes fracassou

O desempenho dominante da Mercedes há duas semanas, no GP do Japão de F1, provou que a etapa anterior, disputada em Cingapura, foi apenas um ponto fora da curva. Em Marina Bay, a equipe prateada fracassou de forma retumbante e jamais lutou pela pole-position e tampouco pela vitória. Mas os ecos da derrota clamorosa em Cingapura ainda ecoam para Niki Lauda, que pediu atenção especial durante o fim de semana do GP da Rússia, a 15ª etapa do Mundial em 2015.

Caso a Mercedes repita a performance arrebatadora exibida em 2014 no circuito cravado no Parque Olímpico de Sochi, então a equipe alemã chegará à conquista do bicampeonato do Mundial de Construtores com quatro provas de antecedência. Basta somar três pontos a mais em relação à Ferrari.

Mas Niki Lauda entende que a Mercedes não terá uma jornada fácil na Rússia. O tricampeão do mundo e presidente não-executivo da equipe, ainda ‘traumatizado’ com o desempenho pífio em Cingapura, acredita que o fim de semana em Sochi será complicado em razão das características do asfalto, semelhantes ao que foi visto em Marina Bay.

Apesar do ótimo desempenho em Sochi no ano passado, a Mercedes prevê dificuldades para 2015 (Foto: AP)

Além disso, a Pirelli levará para a Rússia os mesmos compostos usados em Cingapura, ou seja, pneus macios e supermacios. De modo que Lauda adotou um discurso cauteloso, seguindo Paddy Lowe, diretor-técnico da Mercedes, ao dizer que está preocupado com os dias que virão.

“Graças a Deus que saímos do trauma de Cingapura e estamos de volta, e isso é tudo o que posso dizer. É um grande alívio estarmos de volta onde deveríamos estar. É simples. Estamos fazendo o que deveríamos fazer”, declarou o austríaco.

“Mas o campeonato ainda não acabou porque minha preocupação está na próxima corrida, em Sochi, que tem o mesmo tipo de asfalto que Cingapura”, comentou. “Portanto, não acabou e não é fácil. Temos de trabalhar duro, permanecer competitivos, e então estarmos bem, mas você só vai parecer bem quando isso tudo isso estiver feito”, acrescentou.

A preocupação de Lauda é compartilhada por Lowe. “Foi um fim de semana complicado na temporada passada. Era um circuito novo, com um asfalto recém-colocado, então tivemos muito que aprender. Além disso, isso tudo produziu um comportamento um pouco incomum dos pneus”, explicou.

“Neste ano, houve uma mudança e demos um passo à frente com relação aos pneus. Agora teremos os supermacios e macios, talvez isso tenha sido influência do desempenho de Nico (Rosberg) em 2014”, completou o engenheiro, lembrando que, no ano passado, o alemão percorreu quase a distância toda da corrida com apenas um jogo de pneus.

“Um ano depois, o asfalto será diferente, e temos de afastar todo e qualquer contratempo. E que estaremos prontos para qualquer eventualidade também”, complementou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube