Hamilton diz que renovação até 2023 “foi muito mais fácil” que de 2021

Lewis Hamilton aproveitou o final da rodada tripla da Fórmula 1 em França e Áustria para assinar a renovação pela Mercedes e saiu bem leve do processo

Verstappen aplica novo domínio e vence: os melhores momentos do GP da Áustria (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Após um processo longo e demorado para assinar, às vésperas da abertura do campeonato de 2021, um contrato de apenas um ano, Lewis Hamilton e a Mercedes se adiantaram para fechar ainda em julho uma extensão por mais duas temporadas e evitaram nova nebulosidade quanto ao futuro. De acordo com o heptacampeão, este acordo foi bem mais tranquilo de ser finalizado que o anterior.

Segundo Hamilton, uma série de fatores entrou em voga. O esgotamento físico e mental, até pela pandemia do novo coronavírus, as reuniões pela internet e uma certa facilidade na pista. Agora, a história mudou.

Relacionadas


Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Opinião GP: Red Bull encurrala Mercedes e impõe nova hierarquia de forças na F1

“Foi muito mais suave que em dezembro e janeiro. Tinha muita coisa acontecendo no Natal e Ano Novo, foi um período estressante. Naturalmente, estávamos fazendo as reuniões por videoconferência, que nem sempre é o mais produtivo quando se tem esse timo de conversa. Dessa vez foi muito mais fácil. Toto e eu passamos muito mais tempo juntos e cara a cara”, disse.

“O último contrato era para ser de dois anos, mas eu pedi para ser de um ano só. Estávamos passando pela pandemia e havia muito dano no mundo, eu não sabia se queria continuar ou não. Tive o melhor e mais divertido começo de ano, curti a luta em que estávamos e a melhor coisa era deixar isso pronto antes do recesso de verão do mês que vem. Agora podemos focar onde o time estará”, afirmou.

LEWIS HAMILTON; MERCEDES; ÁUSTRIA
Lewis Hamilton segue na Mercedes ao menos até 2023 (Foto: Steve Etherington/Mercedes)
Paddockast #110: Como chegaram ao fim as grandes dinastias da Fórmula 1?

Além de Hamilton e do diretor-executivo Toto Wolff, o piloto destacou a participação importante de Ola Källenius, presidente da Daimler, companhia-mãe da Mercedes.

“No passado, lembro de momentos em que não queríamos falar durante a temporada porque era estressante ter esse tipo de diálogo, mas tem sido um processo bem melhor agora e aconteceu rapidamente. Toto estava fantástico nas negociações. Ola e o Conselho me deram muito suporte”, afirmou.

“É um ótimo compromisso para eles e para mim, e assim continuo alinhado à mercedes, sabendo que as coisas estão indo adiante com as mudanças e o desenvolvimento que podemos obter”, finalizou.

Apesar da animação de Hamilton, a temporada está cada vez mais voltada para a Red Bull – que venceu as últimas cinco corridas – e Max Verstappen. 32 pontos separam o holandês do inglês na liderança do Mundial de Pilotos. A próxima etapa é justamente na casa de Lewis, o GP da Inglaterra, em Silverstone, no fim de semana do dia 18 de julho.

GP às 10: Os 5 melhores e piores da Indy 2021 até agora
Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.