Mais do que estratégia: como Mercedes pegou Red Bull no GP da Espanha de F1

A Mercedes, de novo, deu um baile na rival Red Bull. Em Barcelona, a equipe alemã lançou mão de uma tática ousada e deu certo. Mas a vitória de Lewis Hamilton envolve outros fatores decisivos

Ainda que a tabela de pontos apresente uma vantagem para Lewis Hamilton e a Mercedes, a verdade é que a Fórmula 1 ainda vive uma temporada de enorme equilíbrio técnico entre a equipe da marca da estrela e a Red Bull, especialmente na pessoa de Max Verstappen. O quarto GP do campeonato novamente viu uma briga apertada entre o heptacampeão e o holandês. A diferença de 0s036 na folha de tempos após a disputa da pole é uma fotografia precisa do tamanho dessa briga. Só que a vitória do inglês no GP da Espanha sugere algo diferente, porque, uma vez mais, a esquadra austríaca se colocou como uma espectadora da adversária.

Hamilton venceu em Barcelona ao lançar mão de uma estratégia distinta e até inesperada – a previsão era de uma prova de uma única parada. Mas é preciso dizer que o triunfo teve outros elementos igualmente decisivos. E são fatores que representam também uma má notícia para os taurinos. Acontece que o time alemão compreendeu melhor o carro que tem nas mãos, enquanto Hamilton usa bem a experiência para anular o ataque rival – a perda da liderança logo na largada é só mais um exemplo. “Sou agressivo apenas quando necessário”, garantiu o britânico após a corrida.

“Aprendi muito sobre Max em Barcelona, talvez mais do que em todas as outras corridas juntas”, comentou Lewis, que foi mais cuidadoso do que habitual para revelar o que aprendeu: “Você vê coisas diferentes ao seguir de perto. Obviamente, eu o segui muito de perto, aprendi muito sobre o carro dele e muito sobre como ele o usa.”

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

A Mercedes não levou nenhuma grande novidade para as quatro primeiras corridas de 2021, mas parece que soube o que tirar do W12 – apesar de não estar ainda em pé de igualdade ao RB16B no que diz respeito ao desempenho de classificação. O ponto fundamental aqui é realmente o ritmo de corrida. E isso tem feito a diferença desde o Bahrein. A Mercedes e, especialmente Hamilton, entendem muito bem de como gerenciar melhor os diferentes compostos da Pirelli. Daí a margem de manobra para estratégias distintas.

De fato, esse desempenho foi decisivo em Barcelona. Mesmo tendo sido ultrapassado logo na primeira curva depois da largada, Hamilton jamais deixou o encalço de Verstappen. Mais tarde, durante o stint intermediário, também ficou muito evidente a melhor performance do inglês – que virava consistentemente mais rápido que o adversário. Até por isso questionou a Mercedes quanto a um segundo pit-stop. Lewis tinha quase certeza de que manteria o cuidado suficiente com os pneus para atacar Max na parte final da prova. Acabou sendo até mais fácil, com a segunda parada e o jogo de médios pouco usado. Enquanto isso, Max enfrentava enorme desgaste dos pneus traseiros.

“Acho que o ritmo de corrida da Mercedes, e vimos isso desde o Bahrein, tem sido melhor do que o nosso em todos os GPs que completamos até agora”, afirmou Christian Horner, o chefe da Red Bull. “Sabíamos que nestes dois últimos circuitos eles iriam desenvolver seus pontos fortes. E eles têm muitos pontos fortes. Mas estamos muito mais próximos do que antes e acho que se conseguirmos encontrar um pouco mais de ritmo de corrida, ainda será uma batalha muito dura”, completou.

GP DA ESPANHA; LARGADA; MAX VERSTAPPEN; LEWIS HAMILTON
Hamilton não se preocupou em fechar a porta para Verstappen na largada (Foto: Circuit de Barcelona-Catalunya)

Sim, a tática teve o seu papel em dois momentos. O primeiro, quando o pit-wall chamou o britânico quatro voltas depois da parada do holandês e, segundo, no pit-stop adicional, que deu fôlego novo. A Red Bull demorou para agir naquele momento, porque esperava uma estratégia de uma única visita aos boxes e não estava preparada para uma mudança repentina. Foi tarde demais. Só que essa é uma lição que os energéticos teimam em aprender. Afinal, quem não lembra do mesmo expediente dado na Hungria em 2019?

“Conseguimos ficar bem atrás deles e, quando você é o carro da frente e alguém pode se manter na sua traseira por uma corrida completa, isso geralmente não é uma boa notícia”, afirmou Andrew Shovlin, engenheiro de pista da Mercedes, ao analisar a briga com a Red Bull e a disputa entre Verstappen e Hamilton na Espanha.

LEIA TAMBÉM
+Red Bull ainda respira na F1 2021, mas chances desperdiçadas vão cobrar preço ao fim do ano
+Mercedes alcança nível de Red Bull e estratégia vira fiel da balança na F1 2021

“Mas ainda estamos na fase do ano em que temos de coletar dados nessas diferentes pistas. Embora pareça ser uma tendência, talvez tenhamos um carro um pouco mais neutro”, completou. E ao comparar com Verstappen, disse: “O carro da Red Bull parece ser um pouco mais duro com os pneus traseiros. Mas veremos com mais dados se isso é realmente uma característica dos nosso carro ou simplesmente tem a ver com o acerto que estamos fazendo.”

Apesar do passo à frente dado pela Mercedes e da grande forma de Hamilton, a Red Bull segue forte e tem de tirar proveito do talento de Max. O RB16B é um carro que trabalho melhor o downforce, e isso deve fazer muita diferença na próxima etapa, em Mônaco, por exemplo. A questão só é neutralizar as pequenas falhas. Por isso, não há nada definido – ainda.

A próxima etapa da Fórmula 1 acontece no dia 23 de maio, em Mônaco. No momento, Hamilton lidera a classificação com 94 pontos, contra 80 de Verstappen, o vice-líder.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar