Mais jovem da história da F1, Verstappen faz autoavaliação e se dá “sete ou oito, mas jamais nota dez”

Max Verstappen destacou seu começo de jornada como piloto de F1. Embora reconheça que esteja a fazer um bom trabalho a bordo do carro da Toro Rosso, o holandês de 17 anos entende que ainda tem muito a aprender

Dono de forte personalidade, Max Verstappen causou furor antes mesmo de estrear na F1. Ainda no ano passado, o holandês, então com 16 anos, foi anunciado pela Toro Rosso como um dos titulares da temporada 2016, surpreendendo o mundo do esporte. E depois de dez corridas já disputadas, o adolescente viveu grandes momentos, como o quarto lugar no GP da Hungria, e outros não tão bons, como o acidente que envolveu Romain Grosjean no GP de Mônaco, gerando críticas de vários pilotos. Por isso, Max se dá nota “sete ou oito” por este seu começo de jornada na F1.

Em dez corridas, Max somou 22 pontos e está em 11º no Mundial de Pilotos, marcando um grande começo de temporada, sobretudo considerando que antes da estreia na F1 o holandês só havia disputado um ano em monoposto, na F3 Europeia. Perfeccionista, Verstappen entende que não faz por merecer uma nota dez porque ainda tem muito o que aprender na categoria.

Aos 17 anos, Max Verstappen vem se destacando em sua primeira temporada como piloto de F1 (Foto: Getty Images)

“Acho que tive um bom começo, talvez sete ou oito, mas jamais me daria nota dez”, declarou Max em entrevista publicada pelo site ‘Crash.net’. “Achei que tive uma ótima chance na Hungria depois de um fim de semana muito decepcionante em Silverstone”, disse o piloto.

O quarto lugar em Hungaroring até hoje é lembrado pelo jovem, que aproveita o período de férias da F1 para fazer as aulas práticas antes de tirar sua carteira de motorista onde vive, na Bélgica. “Fiquei incrivelmente feliz, terminar em quarto é um resultado incrível. Foi bastante difícil, especialmente porque minha largada foi muito ruim, mas me mantive focado, não desisti e estava lutando para alcançar os caras que estavam à minha frente”, lembrou.

“Mal pude acreditar. Estava tão feliz e, mesmo após cruzar a linha de chegada, não conseguia expressar meus sentimentos, estava extasiado”, acrescentou.

Verstappen sabe que ainda está no começo da carreira e, portanto, está aprendendo a cada dia. “No início do campeonato, o foco era melhorar em classificação. Até a Áustria, estava caminhando no rumo certo, mas em Silverstone foi uma pena o problema que tive com a dirigibilidade na classificação. Ainda estou aprendendo muito depois de só ter um ano correndo de carro, por isso pode ser um pouco complicado, mas a equipe está me ajudando demais.”

“Vejo este ano como uma grande curva de aprendizado para mim e estou melhorando cada vez mais, não apenas em fase de classificação, mas em outras áreas também”, concluiu Max, que está em posição muito melhor no Mundial em relação ao seu companheiro de equipe. Carlos Sainz Jr. soma apenas nove, ocupando a 16ª posição.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube