F1

Mansell afirma que pilotos atuais “nunca vão conhecer” carro “de verdade” da F1

Nigel Mansell viveu um momento saudosista em entrevista à publicação oficial da FIA e afirmou que os pilotos da atual geração nunca vão saber como era acelerar aqueles bólidos da Fórmula 1 dos anos 1980 e 1990

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Um dos monstros sagrados da Fórmula 1, o campeão mundial de 1992 Nigel Mansell afirmou que os pilotos atuais jamais vão viver a experiência de guiar carros de verdade na maior categoria do automobilismo internacional. Apesar das altas velocidades dos carros atuais, Mansell não crê que as máquinas são tão exigentes assim.
 
O inglês correu 187 provas entre 1980 e 1995, obteve 31 vitórias e 59 pódios. Com esse cacife, Mansell lembrou determinados comportamentos do carro para embasar a tese que apresentou. 
 
"Fórmula 1 nunca vai voltar a isso. Guiar esses carros turbo era a coisa mais empolgante e assustadora que você podia fazer na vida. A Williams FW11B, nada se aproxima desse carro, nada no mundo. E a F1 nunca mais vai ser assim. Na realidade, os pilotos de hoje nunca vão saber o que é um carro de F1 de verdade", afirmou em entrevista à revista 'Auto', editada pela FIA.
 
"Na classificação você tinha literalmente 1.500 cv de potência, dizem que o motor BMW tinha mais que isso. Entrar na reta em sexta marcha, com o carro patinando, não dá para descrever com palavras para os pilotos. A cada curva que você se aproximava, o carro estava tentando te matar", seguiu.
Carro do título mundial de Mansell estará no museu (Foto: Divulgação)
Assim como os carros, também exaltou os circuitos antigos.
 
"Na época em que corríamos na antiga versão de Silverstone, por exemplo, a gente descia a reta Hangar com a potência extra da classificação bem acima de 320 km/h. Virávamos na Stowe com velocidade, sem tirar nada. E isso no circuito antigo, com postes e fios fora da pista na curva, como proteção. Passávamos nas curvas quase acertando os postes", falou.
 
"Aí, entrávamos na curva Club novamente a toda velocidade: quando saía dela, suspirava aliviado. Em primeiro lugar, porque era possível respirar depois das extraordinária Força G que te jogava para o lado; depois, e mais importante, porque você tinha conseguido sair daquela curva", finalizou. 
 
Até Lewis Hamilton superá-lo, Mansell era o inglês com mais vitórias na F1. Dos seis maiores vencedores da categoria, três vieram na geração após o campeão.


Paddockast #25
Bênçãos e Maldições da Fórmula E


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.