Massa admite aumento de dificuldade para ultrapassagens na F1, mas nega surpresa: “Era claro desde que o regulamento saiu”

O que se viu na abertura da temporada 2017 do Mundial de F1, no GP da Austrália do último final de semana, foi a realização de um dos grandes medos possíveis: que as ultrapassagens se tornaram bem escassas. Segundo Felipe Massa, nenhuma surpresa com relação a isso. O piloto da Williams afirmou que a tecnologia do DRS é fundamental para que haja alguma ultrapassagem em 2017

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A dificuldade para realização de ultrapassagens, como evidenciado durante o GP da Austrália que abriu a temporada 2017 do Mundial de F1, não assustou ninguém. Quem afirmou foi Felipe Massa, que deixou claro que o problema para que os pilotos ultrapassassem uns aos outros era algo esperado. Segundo ele, a situação será melhor em outras pistas e pior em algumas. Mas a carga aerodinâmica dos carros atuais força a situação.

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Massa falou sobre o assunto durante entrevista concedida ao canal por assinatura SporTV. Segundo o piloto da Williams, o próprio regulamento já explicitava as dificuldades que viriam. Garantiu, porém, que a situação não será sempre como em Melbourne – também não será sempre melhor.

 
"Sim, as ultrapassagens serão mais difíceis, e isso já estava claro desde que o regulamento saiu. Mas não podemos pegar só o que aconteceu em Melbourne e achar que vai ser sempre assim. Tem pistas onde as passadas são mais possíveis, mas há pistas ainda mais difíceis do que esta da Austrália, como Mônaco, por exemplo", disse. 
 
A seguir, Massa explicou o motivo da dificuldade e relatou que a F1 deve voltar ao formato de alguns anos atrás: poucas ultrapassagens e posição de largada extremamente importante visto que, sem erros, dificilmente uma corrida com muita mudança de posição estará no horizonte.
Felipe Massa não escondeu a felicidade por estar de volta à F1 (Foto: F1/Reprodução)
"Agora, é um carro que tem muito mais carga aerodinâmica. E, por causa disso, você seguir o carro da frente é muito mais difícil também. Quando você começa a se aproximar de outro carro, e pega o ar de frente, você tem aquela força para baixo, e isso quer dizer grip [aderência]. Então, quando você tem um carro bem na sua frente, você tira esse ar, ou seja, você perde a carga aerodinâmica. Perde o grip. Por isso que seguir de perto outro carro é muito difícil", explicou. 
 
"E assim fazer como antes, até quando inventaram o DRS [asa traseira móvel]. Era como a F1 de tempos atrás: onde você largava era onde mais ou menos você iria chegar, se não tivesse nenhum erro ou um carro mais rápido que o seu. Não vai ser igual ao que era no passado, porque o DRS ajuda a ultrapassagem. Sem DRS, aí que não teria ultrapassagem mesmo", encerrou.
 
Massa completou o GP da Austrália na séxta colocação. A F1 volta agora em dois fins de semana, 9 de abril, com o GP da China.
 

 

DEBATE QUENTE SOBRE AS ESTREIAS DE F1 E MOTOGP. ASSISTA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube