Massa considera acidente de Bianchi “inaceitável” e diz que não é contra ideia de cockpit fechado na F1

Felipe Massa falou também nesta quinta-feira (23) sobre segurança, na sequência da repercussão sobre a morte de Jules Bianchi. O brasileiro questionou as circunstâncias do acidente sofrido pelo francês no Japão e disse que não é totalmente contra a adoção de um cockpit fechado

Felipe Massa foi um dos pilotos mais emocionados durante o funeral de Jules Bianchi na última terça-feira (21), em Nice, na França. O jovem piloto morreu nove meses depois de um sério acidente sofrido na parte final do GP do Japão. O brasileiro foi perguntado pelo legado de segurança que a perda de Bianchi vai provocar na F1 e não escondeu as críticas sobre as causas do forte impacto protagonizado pelo colega em Suzuka.

Na volta 43 do GP do Japão, Bianchi perdeu o controle na curva 7 e acertou em cheio o guindaste que tinha entrado na área de escape para remover o carro de Adrian Sutil, que tinha batido no giro anterior. Socorrido ainda na pista, Jules foi levado ao hospital e submetido a uma cirurgia de cerca de 4 horas. Um boletim médico divulgado pela Marussia dois dias depois da batida informou que o piloto de 25 anos sofreu uma lesão axonal difusa, que é uma lesão ampla e devastadora e que, em mais de 90% dos casos, deixa suas vítimas em coma definitivo. Sete semanas após o acidente, Jules foi transferido para um hospital em Nice, na França, onde permaneceu inconsciente até o fim.

Massa reconheceu que a segurança na F1 evoluiu significativamente desde a morte de Ayrton Senna em 1994, mas que a busca por condições seguras não deve parar. “Eu realmente concordo que a F1 mudou muito depois do acidente com Ayrton Senna. E acredito que o carro agora é muito mais seguro. Mas nós sempre temos de continuar melhorando a segurança, e não só do carro, mas das pistas, de tudo. Há segurança. Mas o que aconteceu no Japão foi uma situação diferente” disse o piloto da Williams durante a entrevista coletiva da F1, na Hungria, nesta quinta-feira (23).

Felipe Massa questionou as decisões tomadas no GP do Japão (Foto: Red Bull/GEPA/ Harald Steiner)

“O que aconteceu no Japão é algo que não posso aceitar. O carro bateu em um trator… E nós tivemos uma corrida durante um fim de semana muito estranho. Nós tivemos aquele tufão, pessoas pedindo por um horário diferente. Nós tivemos uma bandeira vermelha ainda no começo da corrida. Quer dizer, foi tudo muito diferente”, explicou Felipe.

“Eu acho que muita coisa mudou depois daquele acidente. E muita gente entendeu que o que aconteceu lá não era para acontecer. Agora temos outras regras, como o safety-car virtual e outras coisas… Mas, infelizmente, nós temos de ver esse tipo de acidente para que as coisas mudem. E o importante agora é não ver mais esse tipo de acidente. Jules não está mais aqui conosco, mas precisamos continuar garantindo que o que aconteceu lá não se repita”, completou.

Massa foi também questionado sobre a ideia de um cockpit fechado, já que a parte mais vulnerável para um piloto dentro de um carro de F1 é a cabeça. O brasileiro não se mostrou totalmente contra o recurso, mas reiterou que é favor dos estudos incessantes para a melhoria da segurança.

“Não sou completamente contra. Eu acho que se for bom para todos e não mudar alguns aspectos da F1… Talvez não fechar o cockpit, mas fazer algo que melhore a segurança nesta área. Porém, não sou contra”, enfatizou.

De acordo com as informações inseridas no Banco Mundial de Dados sobre Acidentes, Bianchi sofreu um impacto de 254g no grave acidente que sofreu no GP do Japão. Análise da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) é de que nem mesmo um cockpit fechado teria poupado a vida do piloto.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube