Massa isenta Vettel de culpa por jejum de títulos da Ferrari: “Não é campeã desde 2008”

Felipe Massa entende que a Ferrari “não foi completamente perfeita” nos últimos anos e recordou alguns dos últimos grandes pilotos que passaram pela Ferrari, como Fernando Alonso, Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen. E disse que não ficaria surpreso se o tetracampeão se aposentar ao fim de 2020

A última vez que a Ferrari teve a chance de comemorar a conquista de um título na F1 foi em 2008, quando Felipe Massa e Kimi Räikkönen ajudaram a escuderia de Maranello a faturar a taça do Mundial de Construtores. Desde então, já se vão mais de dez anos de jejum. Neste período, o time italiano não economizou e contratou grandes nomes, como Fernando Alonso e Sebastian Vettel. Ambos, não tiveram sucesso no propósito de levar a Ferrari de volta ao topo. Massa, em entrevista à emissora britânica Sky Sports, deixou claro que os pilotos não têm culpa neste jejum, mas sim a equipe, porque “não foi completamente perfeita” para chegar aos títulos. 
 
“Você não pode se esquecer de que a última vez que a Ferrari venceu um título foi em 2008. É verdade que, pela equipe, passaram muitos bons pilotos e não puderam vencer, mesmo em 2008, quando estive ali e não tivemos o carro ou a equipe para vencer”, ressaltou o piloto.
 
“Fernando Alonso fez, definitivamente, um grande trabalho em 2010. Chegou ao limite na luta pelo título, mas talvez, para ser sincero, o carro não era capaz de ser campeão naquele ano. Na minha opinião, ele fez um trabalho impressionante”, lembrou.
 
Alonso, de fato, ficou muito perto de ser campeão pela Ferrari em duas oportunidades: a primeira foi em 2010. O espanhol chegou a Abu Dhabi como líder do campeonato, mas viu Sebastian Vettel largar na pole-position e vencer a corrida. Fernando não conseguiu passar do sétimo lugar depois de ficar encaixotado atrás da Renault de Vitaly Petrov, terminando como vice-campeão.
Felipe Massa ajudou a Ferrari a faturar, em 2008, seu último título na F1 (Foto: Bridgestone Motorsport)
Em 2012, Alonso travou nova batalha com Vettel, definida também na última corrida do campeonato, no Brasil. O então piloto da Ferrari terminou em segundo em Interlagos, insuficiente para evitar o tricampeonato alcançado pelo alemão, que à época defendia a Red Bull.
 
Ao fim de 2014, Alonso encerrou seu ciclo pela Ferrari, que contratou Vettel para seu lugar. Em cinco temporadas, o tetracampeão, embora tenha sido vice-campeão em 2017 e 2018, jamais chegou a ser um real concorrente de Lewis Hamilton na luta pelo título. Foram 14 vitórias e 12 poles neste período. Em maio, Vettel e Ferrari anunciaram que vão encerrar a união ao fim da temporada 2020.
 
Massa elogiou Vettel e ressaltou que a Ferrari foi ineficiente na sua missão de ajudá-lo a levar ao topo. 
 
“Todos os pilotos que passaram por ali, Sebastian, Kimi, não puderam ganhar porque a equipe não foi completamente perfeita para vencer a temporada, de modo que isso não tem relação com Sebastian. Ele fez muitas grandes corridas, venceu muitas corridas ou lutou por vitórias e sempre esteve à frente do seu companheiro de equipe, mesmo sendo este um bom colega e campeão do mundo como Kimi”, comentou o brasileiro, que também destacou o trabalho feito por Charles Leclerc no seu primeiro ano na Ferrari.
 
“Talvez, no ano passado, as coisas mudaram um pouco. Não podemos nos esquecer do que fez Charles. É um piloto que acompanho desde o kartismo, mostrou que é um grande talento e que pode ser campeão ou um piloto de ponta na equipe em que esteja. Sebastian sofreu alguma pressão e talvez isso levou a Ferrari a tomar uma posição”, salientou.
 
Sobre o futuro de Vettel na F1, Massa acredita que a aposentadoria é um caminho natural. “Para estar na equipe, ele precisa estar 100% na certeza de que ele quer ficar, e a equipe também. Se ele vai ficar na F1 ou não, é uma outra questão”.
 
“Sebastian é um piloto e um cara que sempre está focado no que quer, de modo que não me surpreenderia que talvez ele decida mesmo se aposentar. Definitivamente, na sua posição, se ele ficar, vai precisar encontrar uma equipe que lhe dê oportunidade, que converse ou dê ideias para fazer com que ele se sinta seguro e que ele diga: ‘Ok, vale a pena ficar’. Do contrário, não tenho certeza de que ele vai ficar”, concluiu.

Paddockast #62
QUAL O LUGAR DE VETTEL NA HISTÓRIA DA F1?

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube