F1
10/08/2018 09:04

Massa revela motivos da ida de Ricciardo para Renault: incerteza com Honda e Verstappen

Para Felipe Massa, ex-F1, a decisão de Daniel Ricciardo de deixar a Red Bull foi motivada pelo acordo com a Honda e pela rivalidade com Max Verstappen. O brasileiro define o acordo com a Renault como um “risco”
Warm Up / Redação GP, de Porto Alegre
 Daniel Ricciardo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Felipe Massa acredita que a manobra de Daniel Ricciardo, que trocou o conforto da Red Bull pelo projeto da Renault, é uma grande aposta. O brasileiro não entra no mérito de elogiar ou criticar, mas vê possibilidade de o “risco” render frutos no futuro.
 
De acordo com Massa, a decisão de deixar a Red Bull foi facilitada por questões como o acordo de fornecimento de motor com a Honda e de dificuldade na relação com Max Verstappen.
 
“O Daniel não estava muito seguro porque não se sabe o que vai acontecer com os motores Honda ano que vem”, disse Massa, entrevistado no programa ‘Conversa com Bial’, da TV Globo. “Ele também não está muito feliz com o companheiro de equipe dele, que é o Max Verstappen. É um risco que pode, ou não, dar certo”, seguiu.
Daniel Ricciardo e Felipe Massa (Foto: Red Bull Content Pool)
Massa tem autoridade para falar do assunto por ser próximo de Ricciardo. Os pilotos são vizinhos em Mônaco e têm uma relação de amizade, vide a corrida do piloto da Red Bull com Felipinho, filho do ex-F1.

Na Renault, Ricciardo aposta em um projeto de longo prazo. A marca francesa voltou ao grid da F1 em 2016 prometendo altos investimentos para voltar a brigar por vitórias e títulos. A Red Bull, por sua vez, sofre para encaixar uma grande sequência de resultados desde a introdução dos motores híbridos, no início de 2014.

O motor Honda afasta Ricciardo justamente pelos poucos resultados alcançados na F1 na mais nova passagem. Após três anos frustrantes ao lado da McLaren, a marca japonesa foi descartada, precisando se contentar com um acordo com a Toro Rosso em 2018, levando a Red Bull também em 2019. Com Verstappen, o problema foram alguns conflitos na pista e a ameaça ao posto de primeiro piloto, anteriormente assegurado.