Massa revela pedido de desculpas da Williams após ordem em Sepang e diz: “Acho que não vai se repetir”

Felipe Massa contou que a Williams se desculpou pela ordem de abrir caminho para Valtteri Bottas na parte final do GP da Malásia. Brasileiro avaliou que desobediência não prejudicou sua relação com a equipe

A cobertura completa do GP do Bahrein no GRANDE PRÊMIO
As imagens da quinta-feira de F1 no Bahrein
icone_TV Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

Poucos dias após a polêmica ordem de equipe da Williams em Sepang, Felipe Massa voltou a se encontrar com os jornalistas nesta quinta-feira (3). O assunto, como não poderia deixar de ser, voltou à pauta e o brasileiro classificou o gesto da escuderia britânica como um erro. 

 
Nas voltas finais do GP da Malásia, a Williams mandou que Massa abrisse caminho para a passagem de Valtteri Bottas, alegando que ele estava com pneus mais novos e tinha condição de tirar de Jenson Button o sexto lugar. Felipe, por sua vez, não aceitou a nova diretriz do time e se manteve na frente até receber a bandeirada na sétima colocação.
Massa afirmou que desobediência não afetou relação com a Williams (Foto: Beto Issa)
“Acredito que o que aconteceu na última corrida não vai se repetir”, ponderou Massa. “Não foi certo e não era o momento certo para isso acontecer”, avaliou. 
 
Mesmo recém-chegado ao time, Massa afirmou que sua insubordinação não resultou em nenhum problema com os integrantes do time ou com Bottas.
 
“Não acho que danificou meu relacionamento”, opinou Felipe, acrescentando que o time “foi o primeiro a se desculpar”. 
 
Ainda, Massa contou que achou “engraçado” que a instrução passada pela Williams tenha sido uma cópia daquela utilizada pela Ferrari no GP da Alemanha de 2010, quando abriu passagem para Fernando Alonso. Na época, as ordens de equipe não eram permitidas e a escuderia italiana recebeu uma pesada multa.
 
Apesar do histórico com ordens de equipe, Felipe avaliou que essas situações são parte do esporte, mas tem que ser usadas apenas quando forem imprescindíveis. 
 
“Ordens de equipe são parte do nosso esporte e precisam ser parte do nosso esporte, mas quando necessário”, defendeu. 
 
Por fim, Massa deixou claro que nunca pediu para ser piloto número um e acredita que os pilotos devam ser tratados em condições iguais.
 
“Nunca pedi a time nenhum para ser número um, o time precisa ser igual”, concluiu.
 
Sabe tudo de Fórmula 1? Então prove e concorra a uma viagem
Faça as apostas para o GP do Bahrein no bolão GRANDE PRÊMIO EUROBIKE


'Valtteri is faster than you'

O GP da Malásia ficou mesmo marcado pela ordem de equipe da Williams. Na parte final da corrida, Felipe Massa e Valtteri Bottas ocupavam a sétima e a oitava colocações, respectivamente, e se aproximavam de Jenson Button, que vinha em sexto com a McLaren. A equipe inglesa, então, pediu ao brasileiro, alegando um melhor desempenho do finlandês com pneus novos, para que “não segurasse” o companheiro. Felipe ignorou a ordem e permaneceu à frente até o fim da prova.

Pelo rádio, a conversa entre Massa e a esquadra revelou ainda a tentativa do time em convencê-lo a deixar Bottas passar naquele fim de corrida, inclusive com a intervenção do engenheiro-chefe, Rod Nelson. E mais: no primeiro contato do time, o brasileiro ficou quieto; no segundo, respondeu de pronto que estava "ficando mais rápido" para evitar a ultrapassagem. Felipe, entretanto, não entrou em nenhum momento em discussão com a equipe. Ouça aqui a conversa na íntegra.

Depois da corrida, a Williams acabou fazendo uma reunião extra para acabar com o mal-estar provocado entre seus dois pilotos.

'TOP GEAR BARBADOS' com LEWIS HAMILTON e o GRANDE PRÊMIO

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar