Massa revela que recusou convite da McLaren em 2009: “Estava bem com a Ferrari”

Em entrevista à emissora britânica Sky Sports, Felipe Massa contou que teve uma conversa com o então chefe da McLaren, Martin Whitmarsh, para uma possível transferência para a equipe britânica. A sondagem aconteceu meses antes do acidente mais grave da carreira do brasileiro, sofrido no treino classificatório do GP da Hungria

Felipe Massa na McLaren? Tal cenário não chegou sequer perto de acontecer, mas foi cogitado pela cúpula da equipe britânica. Quem revela é o próprio piloto brasileiro. Em entrevista à Sky Sports, o vice-campeão mundial de 2008 contou que foi sondado pelo então chefe do time de Woking, Martin Whitmarsh, sobre uma eventual mudança de casa, durante o fim de semana do GP de Mônaco de 2009.
 
À época, Massa fazia sua quarta temporada com a Ferrari, vinha da luta pelo título com Lewis Hamilton em 2008 e tinha grande prestígio da cúpula do time de Maranello. 2009, contudo, não era uma temporada boa para a escuderia italiana e tampouco para a McLaren. A surpreendente Brawn dominava o campeonato, que tinha a Red Bull como segunda força.
 
Em entrevista concedida à emissora britânica Sky Sports, Massa contou que uma eventual transferência para a McLaren seria muito significativa por conta da história da equipe envolvendo Ayrton Senna.
Felipe Massa foi sondado pela McLaren, mas seguiu na Ferrari até 2013, antes de ir para a Williams (Foto: Williams)
“A McLaren é uma grande equipe, especialmente na minha época. Agora eles estão voltando para uma situação melhor. Mas a McLaren sempre foi uma equipe muito forte no Brasil. Então, se você me entende, você se lembra do que Senna fez e de como a McLaren estava no Brasil”, disse.
 
“Então, com certeza, pilotaria para a McLaren. Isso é algo que nunca disse antes, mas tive um encontro com Martin Whitmarsh durante a temporada 2009, em Mônaco”, revelou.
 
Felipe, entretanto, declinou do convite por conta do seu status em Maranello. “Ele estava interessado em me levar para a McLaren, mas estava bem com a Ferrari. Definitivamente, seria uma boa equipe para pilotar. Mas eu estava em um momento muito bom com a Ferrari”.
 
A sondagem da McLaren aconteceu meses antes de Massa ter sofrido o acidente mais grave da carreira, quando foi acertado por uma mola que escapou da Brawn de Rubens Barrichello no treino classificatório do GP da Hungria. O piloto da Ferrari ficou fora do restante do campeonato e só voltou a acelerar em 2010, quando passou a ter Fernando Alonso como companheiro de equipe.
 
No fim da década passada, a McLaren tinha dupla formada por Lewis Hamilton e Heikki Kovalainen. No fim das contas, o finlandês deixou a equipe ao término da temporada para dar lugar a Jenson Button, que levou o #1 para Woking por ter sido coroado campeão mundial com a Brawn em 2009.
 
Desde o começo de 2010, Massa teve de conviver com o status de segundo piloto após a chegada de Alonso. Naquele mesmo ano, o brasileiro teve de cumprir uma ordem de equipe ao abrir passagem para o espanhol vencer o GP da Alemanha exatamente um ano depois do acidente na Hungria. Felipe continuou em Maranello até 2013, antes de se transferir para Williams, sua última equipe na F1, onde ficou entre 2014 e 2017. Atualmente, Massa é piloto da Venturi na Fórmula E.

Paddockast #60
OS PIORES PILOTOS DA HISTÓRIA DA F1

Ouça:

Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube