Massa testa FW40 no simulador e sente carro da Williams “bem mais rápido nas curvas” e “bem diferente do de 2008”

Felipe Massa contou em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO que os novos carros da F1 em 2017 vão ser bem diferentes dos de 2008, mas muito mais rápidos nas curvas que os últimos bólidos da categoria

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
A Williams resolveu se antecipar ao resto da F1 e lançou de forma surpreendente nesta sexta-feira (17) o FW40, carro que será utilizado pelo time de Grove em 2017. Felipe Massa contou em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO que os novos carros da F1 em 2017 não vão se parecer na prática com aqueles de 2008 — cheios de penduricalhos e um estilo similar à configuração atual. O brasileiro testou o FW40 no simulador e avaliou que a rapidez nas curvas impressiona.

 
O novo carro ainda traz consigo resquícios das últimas temporadas, como o bico dividido em formato de 'língua', e resgata peças de outros anos, como a 'barbatana' que cobre o motor, não horizontal acompanhando até a asa traseira, mas uma espécie de complemento linear do próprio desenho da carenagem.
 
Fica claro, contudo, as mudanças proporcionadas pelo novo regulamento técnico, como a asa traseira mais larga, bem como os pneus mais largos, fabricados para proporcionarem maior aderência, sobretudo nas curvas.
A Williams mostrou as primeiras imagens do FW40 nesta sexta-feira (Foto: Williams)
"Já testei o novo carro no simulador em Barcelona, é a pista em que a maioria das equipes faz os testes. O carro vai ser mais lento de reta por causa do arrasto, mas bem mais rápido nas curvas", contou o brasileiro ao GP.
 
Apesar de muito se falar que os carros de 2017 lembrariam os de 2008 — ano em que disputou o título como piloto da Ferrari contra Lewis Hamilton —, Massa tratou de explicar que serão muitas diferenças entre os dois.
 
"Vai ser bem diferente de 2008. É um carro com muito mais aderência, bem mais carga aerodinâmica e um motor ainda mais forte — esse V6 é quase como era o V10", avaliou Felipe. "Lembra um pouco o jeito, a carga aerodinâmica bem alta, talvez seja um pouco mais difícil de seguir o carro da frente, mas isso a gente vai guiar e aprender", completou.
Felipe Massa falou das diferenças que já notou no carro de 2017 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Massa vai formar uma dupla de extremos com Lance Stroll. Super experiente, o brasileiro vice-campeão de 2008 será uma espécie de mentor para o jovem canadense.
 
Aliás, o paulista também já afirmou que não sabe mais se deixa a categoria no final do ano, já que a entrada no lugar de Valtteri Bottas de última hora para 2017 mexeu com seus planos.

PADDOCK GP #65 RECEBE PIPO DERANI E FAZ PRÉVIA DO eP DA ARGENTINA DE F-E

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube