Binotto deixa automobilismo e assume posto na divisão de motores elétricos da TEXA

Pouco mais de um ano após deixar a chefia da Ferrari na Fórmula 1, Mattia Binotto acertou com a empresa italiana TEXA para ser diretor da divisão de motores elétricos

Lembra dele? Mattia Binotto finalmente está de casa nova. E não é na Fórmula 1. Depois de deixar a chefia da Ferrari no fim de 2022, o engenheiro italiano até poderia negociar com outras equipes da F1, mas preferiu deixar o automobilismo de lado por enquanto e acertou com a TEXA, empresa industrial italiana, para assumir o cargo de dirigente da divisão de unidades de potência elétricas.

“Além da experiência competitiva que sempre tive na minha vida, o que me atraiu na TEXA foi a audácia estratégica do seu projeto de construir um produto italiano de excelência com as mais avançadas tecnologias de nova mobilidade”, disse Binotto. “Na verdade, a TEXA pretende se estabelecer como o padrão tecnológico de referência a nível global”, prosseguiu.

“E isto graças à mobilização de enormes recursos de investimento e à atração dos melhores talentos para se concentrarem em Itália, onde existe uma formidável cultura automobilística a ser preservada, renovada e agora também relançada”, concluiu o italiano.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Mattia Binotto deixou a Ferrari ao fim de 2022 (Foto: Scuderia Ferrari Press Office)

Este é o primeiro emprego de Binotto desde que deixou a Ferrari, onde trabalhou por 28 anos. O primeiro contato foi em 1995, ainda como estagiário, e ele se destacou como engenheiro, sendo chefe de motor em 2009, após um período como engenheiro-chefe. O cargo de diretor-técnico veio alguns anos depois, em 2016, substituindo James Allison. Em janeiro de 2019, o time italiano anunciou Binotto como substituto de Maurizio Arrivabene como chefe de equipe, cargo que exerceu durante quatro anos.

Após anos turbulentos, com acordo secreto com a FIA por conta do motor de 2019, carros ruins em 2020 e 2021 e uma temporada decepcionante em 2022, Mattia foi substituído pelo então chefe da Alfa Romeo, Frédéric Vasseur. Binotto firmou um acordo com a Ferrari que o impedia de assumir qualquer cargo na Fórmula 1 até 2024.

O nome do engenheiro italiano foi inicialmente especulado na Audi, que teria interesse em seu conhecimento de motores para auxiliar na produção de sua unidade de potência em 2026. O nome de Binotto voltou a aparecer no segundo semestre do ano passado, desta vez ligado à Alpine após a demissão de Otmar Szafnauer.

O período de carência imposto pela Ferrari havia se encerrado no último mês de dezembro. Mas Mattia optou por seguir uma rota diferente e voltar às origens, trabalhando no design das unidades de potência da TEXA.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.