Verstappen se opõe a mudanças que diminuam dramaticidade na F1: “Não precisa de cura”

Diante do pacote de alterações de regras da FIA, Verstappen afirmou que momentos emocionantes fazem parte da categoria

FÓRMULA 1: O QUE ESPERAR DA TEMPORADA 2022? | Paddock GP #278

Envolvido em uma das decisões de título mais emocionantes da história da Fórmula 1, Max Verstappen afirmou que momentos de emoção e, por muitas vezes, polêmicos como os da reta final da temporada passada fazem parte do esporte. Logo, o piloto da Red Bull é contrário às mudanças de regra que possam reduzir o nível de dramaticidade na categoria.

Às vésperas do início da temporada 2022, Verstappen continua sendo questionado sobre as polêmicas durante a ferrenha disputa com Lewis Hamilton pelo Campeonato Mundial de 2021. Por causa decisões do agora ex-diretor de provas, Michael Masi – a mais sensível durante o safety-car nas voltas finais do GP de Abu Dhabi – e dos comissários, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) preparou um pacote de mudanças na maneira de atuar dos árbitros da F1 com o intuito de deixar as decisões mais consistentes. Mas Verstappen entende que tudo está nos conformes com a categoria.

“O esporte não precisa se curar, há momentos dramáticos que também fazem parte da F1”, afirmou durante entrevista à TV inglesa BBC.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Max Verstappen começa a defender o título mundial no GP do Bahrein (Foto: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull Content Pool)

O holandês também comentou sobre o comportamento de Hamilton após a perda do oitavo título mundial. Ressaltou as dificuldades de se encarar uma derrota na categoria, mas completou dizendo que o rival lidou melhor com a derrota do que aconteceria com outros pilotos. “A F1 é um mundo muito difícil. Acho que Lewis pode sentir um pouco menos de dor já que tem sete [títulos mundiais]”.

Sob a responsabilidade de defender o seu primeiro título mundial, Verstappen terá pela frente uma temporada marcada por uma radical mudança técnica no regulamento da categoria. Apesar das dificuldades na busca pelo aprendizado e desenvolvimento do carro, o piloto da Red Bull espera que as mudanças causem um maior espetáculo ao esporte.

“Lentamente, estamos chegando a isso. Espero que esses novos regulamentos nos deem esse impulso e tenhamos mais pilotos e equipes lutando [por vitórias]. Porque, no final das contas, é disso que gostamos, certo?”, disse.

Max Verstappen terminou os testes no Bahrein com o melhor tempo (Foto: AFP)

Ainda teve tempo para Verstappen falar sobre a série “Drive to Survive”, da Netflix. De acordo com o campeão do mundo, o conteúdo apresentou histórias fora do contexto real da F1, como a rivalidade criada entre Lando Norris e Daniel Ricciardo, da McLaren. Essa abordagem não foi aprovada pelo piloto, que já havia prometido encerrar as entrevistas à equipe de produção no ano passado.

“Assisti a dois episódios, mas não fiquei muito impressionado. Não é minha praia fingir rivalidades”, avaliou. “Lando e Daniel são duas ótimas pessoas. Eles são personagens realmente ótimos, mas, imediatamente no segundo episódio, parece que eles não são muito amigáveis ​​um com o outro. Para mim, isso não é correto e é por isso que eu também não faço parte disso”, completou.

Mesmo como chamariz para novos fãs, Verstappen vê que o formato da série, que está em sua quarta temporada, está se perdendo e deixando de ser uma série documental. “A certa altura [ajuda a atrair público], mas esse efeito também se esgota. Acho que estamos além desse estágio agora e é mais como um reality show na minha opinião”, ratificou.

Verstappen é contrário ao formato da série “Drive to Survive” (Foto: AFP)

Por fim, o campeão do mundo também comentou sobre a demissão de Nikita Mazepin, após o rompimento da Haas com o patrocinador-máster, a empresa russa Uralkali, que tem como dono o pai de Mazepin, Dimitry. “Todos temos que sentir simpatia pelo próprio Nikita, independentemente da origem. Todos trabalham muito desde muito jovens para serem pilotos de Fórmula 1. É claro que você pode ter apoio, mas também precisa de talento para pilotar esses carros na Fórmula 3 e na Fórmula 2. É necessário ser competitivo, e ele definitivamente era”, falou.

O piloto da Red Bull revelou estar na torcida pelo piloto russo e espera que a guerra na Ucrânia chegue ao final. “No momento é muito complicado para ele, mas, sim, vamos ver, espero que, em geral, o mundo possa estar em paz novamente”, concluiu.

A partir desta sexta-feira (18), Verstappen volta à pista do circuito de Sakhir para os treinos livres do GP do Bahrein. Já a corrida que abre a temporada 2022 da F1 acontece no domingo, a partir das 12h. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL.

GUIA FÓRMULA 1 2022
Fórmula 1 vive temporada de revolução e torce por reedição de batalha épica
Caçador experiente, campeão Verstappen passa a ser maior das caças da F1
Desafiante e mordido, Hamilton vai atrás de melhor versão em revanche na F1
Novo regulamento vira prato cheio para chance de ouro de veteranos do grid da F1
Fórmula 1 volta ao passado para acertar futuro e equilibrar forças do grid
Ferrari atropela McLaren e entra na temporada com top-3 como meta mínima
Alpine e Aston Martin investem alto por escalada improvável no pelotão

De Sainz a Norris: a turma de jovens que pode fazer estrago na F1
Mercedes e Red Bull contam com protagonistas e fiéis escudeiros para duelo 2.0
Williams, Alfa Romeo e Haas miram subida no grid em ano de renovação
Magnussen e Albon retornam, e Zhou é único estreante da Fórmula 1
Fórmula 1 mira calendário recorde em ano de guerra, pandemia e Copa do Mundo
Schumacher e Tsunoda entram em segundo ano pressionados por menos erros

# Com VAR para fazer ‘tira-teima’, FIA tenta evitar pressão das equipes
# F1 traz novos locais para sprint race e muda tradição dos fins de semana
# Talentoso Russell enfim recebe carro à altura e vira peça-chave na Mercedes
# F1 tem pré-temporada com muitas novidades e igualdade no grid

HERTA VIRA PILOTO DE TESTES DA MCLAREN. FÓRMULA 1 ESTÁ PERTO?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar