F1

McLaren admite que escolha de pneus não foi ideal em Suzuka, mas nega que tenha perdido prazo

Gil de Ferran, diretor esportivo da McLaren, está insatisfeito com a grande quantidade de pneus médios disponível para o GP do Japão. Mas o dirigente afirma que a decisão foi consciente, e não consequência de perda do prazo de escolha
Warm Up / Redação GP, de Berlim
 Fernando Alonso (Foto: McLaren)
A McLaren chamou atenção ao aparece no Japão com um número alto de pneus médios e baixo de supermacios. A revista alemã ‘Auto Motor und Sport’ apontou que a situação é consequência da McLaren perder o prazo para solicitar a alocação de pneus do GP do Japão, resultando em uma escolha padrão da Pirelli. O diretor esportivo da equipe, o ex-piloto Gil de Ferran, traz outra versão da história: o brasileiro argumenta que a equipe quis fazer a curiosa escolha.
 
“Havia um entendimento geral de que nosso carro funciona melhor com pneus mais duros”, disse Gil. “Nesse tipo de pista, com muita Força G e uma sequência de curvas, seria uma escolha mais adequada. Sinceramente, acho que fica claro que erramos. Passamos o fim de semana inteiro tentando lidar com uma escolha que não foi a ideal. É basicamente isso”, seguiu.
 
“Foi uma decisão deliberada. Não foi como eu li na imprensa, dizendo que a gente se esqueceu de escolher os pneus e acabou com uma escolha padrão da Pirelli. Isso não é verdade”, continuou.
A McLaren teve uma classificação das piores em Suzuka (Foto: McLaren)
Independente de perder ou não prazos, parece claro que a McLaren está em apuros em Suzuka. Depois de evitar ao máximo os supermacios nos treinos livres, poupados para treino classificatório e corrida, a equipe viu Fernando Alonso e Stoffel Vandoorne eliminados no Q1. A dupla só superou Marcus Ericsson, que sofreu um acidente e não teve chance de melhorar tempo no fim. Vandoorne pensa que o resultado seria esse independente dos pneus.
 
“Não acho que isso [seleção de pneus] mudaria o resultado de hoje dramaticamente. Talvez não tenha sido a melhor preparação para a classificação, mas a performance que nós temos significa que seria difícil mudar o resultado. Talvez a quantidade de pneus que temos para amanhã seja uma coisa boa porque está quente e talvez as bolhas sejam um problema”, encerrou o belga.