McLaren afirma que F1 não pode “queimar” testes do coronavírus “só para correr”

O chefe da McLaren, Andreas Seidl, mostrou preocupação social ao afirmar que a Fórmula 1 não pode voltar às pistas, algo que vai requerer bastante testagem dos envolvidos, num momento em que testes ainda farão tanta falta


 
A Fórmula 1 mira um retorno às atividades oficiais no começo de julho, na Áustria, mas a situação ainda não tem definições claras. E, segundo o chefe da McLaren, Andreas Seidl, é necessário que a categoria tome muito cuidado. E não apenas com os membros da organização e das equipes, mas também com a situação social ao redor do muito. É fundamental que a F1 não tire testes do novo coronavírus de pessoas com problemas sérios de saúde. 
 
Seidl destacou que o retorno precisa ser com a certeza de que todo o pessoal envolvido na F1 está resguardado e que não faltará material sanitário e de testagem. Entretanto, isso não pode acontecer enquanto a pandemia seguir em níveis extremos mundo afora, porque significaria que o Mundial desfalcou organizações de saúde importantes.
 
"O que eu acho que importante é a aprovação da opinião pública sobre o retorno dos eventos. É importante que voltemos a correr apenas quando tivermos certeza com relação aos equipamentos que podem nos proteger e quando pudermos garantir a quantidade de testes necessária para testar a todos", afirmou à revista inglesa 'Autosport'.
 
"E precisamos ter certeza de que [os testes] estejam disponíveis para pessoas que realmente precisam, que nós não seremos um pessoal queimando testes e materiais de proteção só para poder correr", seguiu.
Carlos Sainz (Foto: McLaren)
"Creio que há um grande desejo das pessoas, do público, dos fãs, que especialmente nestes períodos de isolamento que eventos esportivos aconteçam novamente, ainda que seja somente na TV. Mas é claro que temos muitos aspectos a considerar", continuou.  
 
Além da questão sanitária, há um outro ponto: a abertura das fronteiras mundo afora. Para que a F1 aconteça é fundamental que os países permitam o tráfego de pessoas.
 
"Como sempre, o mais importante é proteger nosso pessoal. Definitivamente não podemos voltar a correr até que saibamos que, com certeza, nosso pessoal está em segurança. Aí, depois disso, dependerá simplesmente das diretrizes de nossos países, em primeiro lugar, e depois das regras para viagens. Precisamos que poderemos viajar para fora e depois voltar aos nossos países. Temos de esperar para diferentes países decidirem se as corridas devem acontecer", apontou.
 
"É necessário esperar a decisão dos promotores, especialmente com as mudanças de datas para várias corridas. Os promotores precisam estar dispostos e tudo precisa fazer sentido do ponto de vista comercial para eles", encerrou. 
 
A McLaren de Seidl foi a primeira equipe a abandonar o GP da Austrália, em março, quando um membro do time testou positivo para o coronavírus. 

Paddockast #58
COMO SERIA O GRID DA F1 SEM PILOTOS DA F1?

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube